“Gomorra”, imperdível, espantoso, inacreditável, muito mais importante do que o livro de Gay Talese

Artur Ribeiro Antunes:
Parabéns pela análise do livro do super avaliado Gay Talese, que é “consagrado” pelo fato de ser americano, e escrever sobre o New York Times. (Quando escreveu o livro, o jornal não estava à beira da falência, obrigado a penhorar a própria sede por 374 milhões de dólares, fora outras dívidas).

Meu prazer com o artigo-análise-crítica foi com o trabalho exaustivo que o senhor teve. Confessou (e mostrou) que leu o livro de ponta a ponta, da primeira à última das 512 páginas do livro. Isso não é comum, pelo menos as críticas que saíram aqui, não foram profundas como a do senhor.

Citou as 384 personalidades examinadas por ele e ainda deixou de lado outras 400 sem importância, palavras suas. Muito obrigado por colocar ou recolocar Gay Talese no seu verdadeiro lugar, o “inventor do jornalismo novo”.

Moro em Nova Iorque, vim estudar a 11 anos, (me formei em Harvard) acho que não volto mais. Traduzi seu artigo, e deixei pessoalmente no escritório do escritor. Não foi trabalho e sim satisfação. Acho que ele vai perder um pouco da arrogância.

Comentário de Helio Fernandes:
Obrigado, Artur Antunes, não só por gostar do artigo, mas também e principalmente por fazê-lo chegar ao próprio Talese.

A repercussão aqui foi excelente, não só com o público, mas atingindo diversos jornalistas. Muitos me pediram autorização para reproduzir em seus sites e blogs, estão livres e liberados.

O objetivo principal era precisamente o de lembrar aos muitos que bajularam Talese, que não existe jornalismo NOVO ou VELHO, e sim jornalismo exercido com independência e competência.

Muito melhor (mas melhor mesmo) é o livro de Roberto Saviano, “Gomorra”. São 349 páginas, assustadoras, pela profundidade na qual mergulha, e volta contando os negócios fantásticos, abusivos, desses grupos de Nápoles, a “Camorra”, que inovou e substituiu a “Cosa Nostra”.

Em determinado momento, o estarrecimento do leitor é tão grande que a vontade é deixar tudo de lado, não acreditar em mais nada. Mas volta, puxado ou empurrado pela credibilidade que salta de cada página, de cada período, de cada linha e até de cada frase, pois Saviano escreve de forma sincopada, diretamente para o leitor.

* * *

PS- O extraordinário é que Saviano tem 30 anos, escreve de Nápoles, de dentro dos grupos, parece um “boss” (como se intitulam), dá a impressão que é um dos chefões que transformou a “Cosa Nostra” num grupo insignificante, numa espécie de jardim da infância do crime, numa sucursal da CIA e do FBI, voltados única e exclusivamente para o faturamento e o enriquecimento marginal, principalmente com drogas.

PS2- Definição dos chefesde clãs de Nápoles: “As drogas estão sendo consumidas pela elite, temos de levá-las aos pobres”. Multiplicaram os lucros de tal maneira que chegaram a FATURAR 300 milhões de euros (900 milhões de euros) por dia.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *