PT promove parasitagem do Estado até nas elites, diz humorista

'Coxinha' assumido, o humorista Marcelo Madureira acha que o PT promove no país a parasitagem do Estado em todas as classes

Marcelo Madureira ridiculariza o PT

Ricardo Mioto
Folha

O humorista Marcelo Madureira, 56, acha que o PT promove no país a vitória da parasitagem do Estado: a classe média quer um emprego público, os pobres querem bolsas assistencialistas e os ricos querem “Bolsa BNDES”. Enquanto isso acontece, os artistas, que ficaram reféns de dinheiro público, se omitem, afirma. “Em um momento como este, cadê o Caetano Veloso, o Chico Buarque?”

Madureira é um entusiasta dos protestos contra o PT e esteve nos eventos de março e abril, inclusive discursando aos manifestantes. Ele, que foi militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB) na juventude, diz que a esquerda contemporânea tem “formação política tabajara” e não tem senso de humor. Leia, abaixo, a entrevista concedida à Folha.

Existe agora uma nova direita no país?

Não dá para limitar a discussão aos termos esquerda e direita. A pergunta é que tipo de sociedade queremos. Aí eu digo: certamente não é a que o PT quer. Certamente não é aquelas que as pessoas que se dizem de esquerda propugnam, mesmo porque elas não sabem bem o que querem. É muito estranho. Hoje as pessoas se dizem de esquerda, mas não sabem dizer se são a favor ou contra a propriedade privada dos meios de produção.

Uma crítica comum é que existe uma “esquerda de Facebook”, que não se dedicou muito à leitura…

Sim, é toda uma geração politicamente despreparada. A esquerda de hoje tem uma formação política tabajara. Você precisa perceber algo: o que as pessoas querem é ser legais, parecer legais, querem ser do bem. Na minha época era mais fácil. A direita era o mal, a esquerda era o bem. Mas isso não existe mais. O mundo se apresentou muito mais complexo. Essa tentação de ter resposta para tudo não convence mais.

Mas sempre houve a noção de que os fins justificam os meios

Mas os fins serem a conta bancária da cunhada? [risos]

Sua crítica maior ao PT é a corrupção?

Não. Muito pior que a roubalheira, é a incompetência. A questão na Petrobras não é só roubar, é a gestão desastrosa. O que nos alivia é: embora tenham batido os recordes, talvez sejam incompetentes para roubalheira também. O pior é que o PT reforça a vitória do atraso. Que sociedade é essa que você quer construir em que o sonho das pessoas se limita a, se for da classe média, passar em um concurso público; se for pobre, arranjar Bolsa Família; e, se for rico, conseguir uma “Bolsa BNDES”? Todo mundo passa a querer ser parasita do Estado. Não há país que dê certo assim.

Mas, enquanto isso foi acontecendo, o que se viu na oposição foi certo silêncio.

A oposição deixou a desejar? Deixou. Foi omissa, em alguns momentos até cooptada. O preço disso está sendo pago.

Há muita crítica ao papel do PSDB neste momento.

Eu votei no Aécio, até fiz um videozinho para a campanha. O PSDB tem certo reconhecimento de que há uma perplexidade, essa complexidade nas coisas. Há discussões densas que têm de ser feitas, as soluções não são simples, precisamos pensar também no longo prazo. Mas, sim, eu vejo uma parcela grande da juventude querendo fazer política, e com frequência eles não encontram representação. Em alguns casos, o que acaba surgindo entre eles é até uma ideia meio exagerada de política liberal, de Estado mínimo. Eu não comungo totalmente com isso. É algo que precisa ser discutido com calma.

Talvez seja um pouco uma reação pendular, uma maneira de reforçar a oposição ao pensamento estatista.

Sim, é um movimento pendular, você vai em busca de um oposto, mas neste caso me parece oposto demais.

Essa é uma contradição que a esquerda aponta: nas manifestações recentes, tem o liberal de Chicago, o conservador cristão, até o cara que pede a volta dos militares.

Vejo isso como pluralismo, acho até admirável, desde que se respeite as regras da democracia. Eu não tenho nada contra os cristãos, contra o pessoal do quartel. Mas acho suprema ignorância pedir a volta dos militares.

Você foi militante do PCB. É inevitável ser de esquerda na juventude?

Posso falar do meu caso. Eu fui procurando ao longo do tempo pensar, ter senso crítico, falar “pô, eu tô errado”. Já defendi até o Partido Comunista da União Soviética. E agora? Não vou ficar aqui fazendo revisionismo histórico da minha própria vida. Na época, era o que parecia mais certo. Não faço, digamos, que nem “O Globo” fez, aquele papel ridículo. [Em 2013, o jornal publicou que apoiar o golpe de 1964 tinha sido um erro.]

5 thoughts on “PT promove parasitagem do Estado até nas elites, diz humorista

  1. Marcelo Madureira tem apenas 56 anos de idade, viveu sua juventude em uma fase em que as mulheres já haviam ocupado um espaço mais livre na sociedade, seja em razão da utilização do anticoncepcional seja por sua própria evolução cultural e ocupação de fatia maior no mercado de trabalho.

    Aliás, sob esse aspecto, Karl Marx já havia afirmado, nos idos de 1867 em “O Capital”, dois fatos imprescritíveis que representam verdade indiscutível até os dias de hoje.

    O primeiro, que, naquela época, a “mulher era manceba do homem” e que ela só seria independente quando o fosse economicamente. Os tempos atuais provam a exatidão desse pensamento.

    O segundo é a célebre frase “o capital migra”, isto é, foge quando não se sente seguro. Hoje, sabemos que foge da corrupção e de políticas ineptas, dos conflitos sociais e a imprevisibilidade quanto à sua segurança e remuneração.

    A turma sobrevivente mais idosa que Marcelo Madureira – que hoje está na faixa etária de 70 a 75 anos – viveu época muito mais difícil, pois a maior parte das jovens mulheres de então haviam sido rigidamente educadas por suas famílias.

    As que se rebelavam e queriam ser livres (e assim procediam) eram, quase sempre, de esquerda e as que aceitavam o cabresto familiar eram de direita e queriam casar virgens, de véu e grinalda.

    Muitos jovens varões de então, por absoluta carência ou conveniência sexual, ingressaram na “esquerda” política e passaram a frequentar as reuniões nas quais iam as mulheres de esquerda.

    Isso, sejamos sinceros, sem muito entender sobre o que acontecia no resto do mundo e as rápidas mudanças que estavam ocorrendo. Esses varões passaram longos anos sem chegar à conclusão a qual “esquerda” pertenciam.

    Com o decorrer do tempo muitos chegaram a conclusão que pertenciam a “esquerda libidinosa” pois, naqueles idos, depois de tomar alguns chopes com a suposta colega de ideologia e de meia hora de conversa mole sobre a ascensão do proletariado eram premiados com longas sessões de sexo sem barreiras.

  2. Gostaria de saber quê PCB o Marcelo Madureira militou na “juventude”, se tinha 11 anos em 1970 em plena fase de torturas de militantes e não passava de um fedelho nos anos 70 quando Geisel massacrou o pacífico comitê central e eliminou até o Herzog? Ou terá sido adepto nos anos 80 do procurador do INCRA nomeado pelo Médici chamado Roberto Freire ou do Hércules Corrêa quando ele serviu ao governo Moreira Franco no Rio para sucatear a CTC? Provavelmente foi tão “militante” como o Anthony Garotinho e acabou virando gaiato na GLOBO.

  3. A oposição deixou a desejar? Deixou. Foi omissa, em alguns momentos até cooptada. O preço disso está sendo pago.

    Ai ele vai e vota no Homem da Coca-Cola……eh!eh!eh!eh
    O preço foi pago e muito, é só verificar Caro Maçaramduba que seu candidato PitBull da Extrema-Direitóide levar muita grana da Lava=-Jato….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *