Demissão de Maria Rita pode reanimar campanha de Dilma

Pedro do Coutto

A demissão da colunista Maria Rita Kehl pelo Estado de São Paulo, contrariando antiga tradição da família Mesquita, pode se transformar num episódio destinado a acrescentar ânimo à campanha de Dilma Rousseff, já que um dos argumentos do PT tem sido o de que a imprensa manifesta intolerância em relação do governo Lula e a sua candidata à presidência da República.

Este argumento não é verdadeiro, o que pode ser verificado por uma pesquisa sobre a cobertura das eleições. Entretanto ele pode ser aproveitado como base de uma nova investida eleitoral do PT, uma vez que a demissão da colunista contraria a tradição do jornal. O Estado de São Paulo sempre publicou matérias até contra si próprio e contra sua linha editorial sem que tais fatos acarretarem rupturas, demissões ou proibições.

Eu me lembro bem que o jornal, que nas eleições de 60 tornou-se uma das principais fontes de apoio à vitória de Jânio Quadros, no início do ano seguinte fosse injustamente atacado pelo presidente numa entrevista a televisão. O Estado de São Paulo, então tendo à frente Júlio de Mesquita  Filho, publicou integralmente os ataques de Jânio. Em editorial, aí sim, condenou a investida.

O mesmo aconteceu pouco tempo depois quando o Estado de São Paulo foi atacado duramente pelo então deputado Plínio Salgado. Rebateu também através de editorial, mas publicou a crítica a si mesmo.

Anos mais tarde quando seu correspondente em Paris, Gilies Lapouge, manifestou opinião em relação ao governo Miterrand com a qual o jornal não concordava a matéria foi publicada livremente, e na página 3, de opinião, o Estado de São Paulo teceu a restrição que lhe ocorreu. Lapouge trabalha há cerca de 60 anos como comentarista internacional do Estadão e felizmente para os leitores permanece no posto.

A demissão de Maria Rita, que eu conheci quando participávamos do programa Cine Clube da TV Educativa alcançou grande repercussão em Portugal. A correspondente de O Público de Lisboa dedicou duas páginas sobre o assunto, inclusive incluindo uma entrevista do jornalista Jânio de Freitas sobre o episódio.

Os argumentos do editor do jornal Ricardo Gandur não convenceram à correspondente, que destacou a contradição do jornal que repudia a censura a que está submetido há mais de um ano proibido pela justiça de publicar denúncias contra a família do ex -presidente Sarney e, ao mesmo tempo censurar um de seus colaboradores culminando com a demissão de Maria Rita Kehl. São dois pesos e duas medidas, sem dúvida, porém, na minha opinião, além disso, um argumento para Dilma Rousseff dele se utilizar.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *