Crime de lesa-pátria

Carlos Chagas

Mais do que  burrice, é crime o que acaba de decidir o Ibama, com total anuência do ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, negando licença para o asfaltamento da rodovia que liga Manaus a Porto Velho. Trata-se de explícita agressão ao desenvolvimento e à soberania  nacional. Crime de lesa-pátria,  daqueles que em tempo de guerra determinariam  um pelotão de fuzilamento.

A estrada, BR-319, existe apenas nos mapas. Faz tempo que ficou impossível transitar nela. É barro para todo lado. O  asfalto  torna-se vital para a ocupação da região entre as duas capitais, porque à exceção das margens dos rios Purus e Madeira, lá  não se encontra vida civilizada. Os ambientalistas falam em danos à floresta e pressupõem ocupação irregular, grilagem de terras públicas, avanço do desmatamento e extração incontrolável  de madeira. Bastaria que o Ibama cumprisse suas obrigações para que todas essas mazelas fossem evitadas. Ou seus fiscais preferem ficar nas grandes cidades?

Incluído no  PAC, o asfaltamento da rodovia teve sua conclusão prevista para o final de 2011. Não vai dar. As obras não começaram.

O grave na história é que Carlos Minc e seus companheiros insistem na transformação  da Amazônia num vasto jardim botânico posto à  disposição  de ONGs fajutas a serviço de multinacionais mal-intencionadas. Colocam em risco a soberania nacional. Deveriam ser presos. Ou, pelo menos, demitidos. Com a palavra a ministra Dilma Rousseff.

GUARDEM AS CAMISAS

Diz tudo a  careta feita pelo presidente Barack Obama diante do presidente Lula, ao receber uma camisa da seleção brasileira de futebol assinada por alguns craques. Afinal, há poucos dias, nosso time venceu o selecionado americano, na Copa das Confederações. A impressão de Obama deve ter sido  de que Lula tripudiava com ele.

A informação é de que o chefe do governo brasileiro fará daqui por diante o que acaba de fazer na Itália, presenteando presidentes e primeiros-ministros com camisas amarelas. Parece coisa de caipira, não obstante as melhores intenções de que possa estar imbuído o doador, trabalhando para o bom êxito da Copa do Mundo de 2014, prevista para se realizar no Brasil. Se a moda pega, Obama deveria dar ao Lula luvas de boxe, já que nesse esporte seu país é  campeão. O presidente da China distribuiria bolas de ping-pong, o primeiro-ministro inglês, tacos de cricket, e o da Austrália, miniaturas de iates.

Mas o Papa não oferece terços e medalhinhas a quantos o visitam? – perguntariam os lulistas. Pois é…

Mau gosto

Instala-se terça-feira a CPI da Petrobrás. Na quinta o Congresso entra em recesso. Em agosto começariam os trabalhos. Ignora-se o roteiro a ser seguido, pelo menos enquanto não se tiver certeza de quem serão o presidente e o relator da investigação.

Restam poucas dúvidas de que os integrantes da  oposição buscarão apurar as acusações contra o senador José Sarney, por  haver o seu  mausoléu de São Luiz recebido recursos pouco claros  da Petrobrás. A maioria certamente negará condições para a elucidação da denúncia, mas o que se torna inusitado é a discussão a respeito da Fundação José Sarney. Pouca gente fora do Maranhão sabia de sua existência, muito menos de que, num dos pátios internos do antigo Convento das Mercês,  estão implantadas as bases do seu futuro túmulo. Algo no mínimo de mau gosto na biografia do ex-presidente.

Ciro na dúvida

Ciro Gomes transferiu seu título eleitoral para São Paulo, menos por haver nascido em Pindamonhangaba, mais por parecer inclinado a candidatar-se ao governo do estado, com o apoio do PT.  Decidirá em breve, mas sabendo que parte dos companheiros paulistas mostram-se infensos ao seu desembarque.  Como a palavra final será  mesmo do presidente Lula, registre-se a hipótese de mais uma crise no partido oficial. Nela,  Ciro Gomes entra como Pilatos no Credo.

CRIME DE LESA-PÁTRIA

Mais do que burrice, é crime o que acaba de decidir o Ibama, com total anuência do ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, negando licença para o asfaltamento da rodovia que liga Manaus a Porto Velho. Trata-se de explícita agressão ao desenvolvimento e à soberania nacional. Crime de lesa-pátria, daqueles que em tempo de guerra determinariam um pelotão de fuzilamento.

A estrada, BR-319, existe apenas nos mapas. Faz tempo que ficou impossível transitar nela. É barro para todo lado. O asfalto torna-se vital para a ocupação da região entre as duas capitais, porque à exceção das margens dos rios Purus e Madeira, lá não se encontra vida civilizada. Os ambientalistas falam em danos à floresta e pressupõem ocupação irregular, grilagem de terras públicas, avanço do desmatamento e extração incontrolável de madeira. Bastaria que o Ibama cumprisse suas obrigações para que todas essas mazelas fossem evitadas. Ou seus fiscais preferem ficar nas grandes cidades?

Incluído no PAC, o asfaltamento da rodovia teve sua conclusão prevista para o final de 2011. Não vai dar. As obras não começaram.

O grave na história é que Carlos Minc e seus companheiros insistem na transformação da Amazônia num vasto jardim botânico posto à disposição de ONGs fajutas a serviço de multinacionais mal-intencionadas. Colocam em risco a soberania nacional. Deveriam ser presos. Ou, pelo menos, demitidos. Com a palavra a ministra Dilma Rousseff.

GUARDEM AS CAMISAS

Diz tudo a careta feita pelo presidente Barack Obama diante do presidente Lula, ao receber uma camisa da seleção brasileira de futebol assinada por alguns craques. Afinal, há poucos dias, nosso time venceu o selecionado americano, na Copa das Confederações. A impressão de Obama deve ter sido de que Lula tripudiava com ele.

A informação é de que o chefe do governo brasileiro fará daqui por diante o que acaba de fazer na Itália, presenteando presidentes e primeiros-ministros com camisas amarelas. Parece coisa de caipira, não obstante as melhores intenções de que possa estar imbuído o doador, trabalhando para o bom êxito da Copa do Mundo de 2014, prevista para se realizar no Brasil. Se a moda pega, Obama deveria dar ao Lula luvas de boxe, já que nesse esporte seu país é campeão. O presidente da China distribuiria bolas de ping-pong, o primeiro-ministro inglês, tacos de cricket, e o da Austrália, miniaturas de iates.

Mas o Papa não oferece terços e medalhinhas a quantos o visitam? – perguntariam os lulistas. Pois é…

MAU GOSTO

Instala-se terça-feira a CPI da Petrobrás. Na quinta o Congresso entra em recesso. Em agosto começariam os trabalhos. Ignora-se o roteiro a ser seguido, pelo menos enquanto não se tiver certeza de quem serão o presidente e o relator da investigação.

Restam poucas dúvidas de que os integrantes da oposição buscarão apurar as acusações contra o senador José Sarney, por haver o seu mausoléu de São Luiz recebido recursos pouco claros da Petrobrás. A maioria certamente negará condições para a elucidação da denúncia, mas o que se torna inusitado é a discussão a respeito da Fundação José Sarney. Pouca gente fora do Maranhão sabia de sua existência, muito menos de que, num dos pátios internos do antigo Convento das Mercês, estão implantadas as bases do seu futuro túmulo. Algo no mínimo de mau gosto na biografia do ex-presidente.

CIRO NA DÚVIDA

Ciro Gomes transferiu seu título eleitoral para São Paulo, menos por haver nascido em Pindamonhangaba, mais por parecer inclinado a candidatar-se ao governo do estado, com o apoio do PT. Decidirá em breve, mas sabendo que parte dos companheiros paulistas mostram-se infensos ao seu desembarque. Como a palavra final será mesmo do presidente Lula, registre-se a hipótese de mais uma crise no partido oficial. Nela, Ciro Gomes entra como Pilatos no Credo.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *