Pacto dos três Poderes visa a inviabilizar a Lava Jato e desmoralizar Sérgio Moro

Pacto entre os três poderes terá quatro pilares principais

Pacto foi fechado no dia 28 de maio de 2019, no Palácio da Alvorada

Carlos Newton

Com Bolsonaro calado com uma esfinge, sem provocar novas divergências institucionais, rapidamente se recompôs o sinistro pacto entre os Três Poderes, para inviabilizar a Lava Jato e garantir a impunidade dos políticos, autoridades e empresários envolvidos em corrupção, lavagem de dinheiro, caixa 2 eleitoral, improbidade administrativo e outros crimes que propiciam abuso de poder econômico e enriquecimento ilícito.

Não pensem que a ideia oriiginal foi do presidente Jair Bolsonaro, desde sempre empenhado em blindar a família inteira, devido ao escândalo das rachadinhas.

TOFFOLI, O CRIADOR – Na verdade, a iniciativa foi de Dias Toffoli, que em 19 de novembro de 2018 escreveu um surpreendente artigo no jornal El País, defendendo um acordo entre os três Poderes, a pretexto de facilitar a reforma da Previdência e garantir governabilidade ao presidente eleito.

Na época, poucos analistas estranharam essa proposta de pacto, que nada tem de republicana. Não perceberam a gravidade desse tipo de acordo, que pode desequilibrar o jogo democrático e transformar o governo numa ditadura disfarçada.

Os três poderes devem ser harmônicos e independentes entre si, todos sabem, mas aqui no Brasil criou-se uma perigosa promiscuidade. 

TOFFOLI NO COMANDO – Em 9 de fevereiro de 2019, na reabertura dos trabalhos legislativos, Toffoli voltou à carga e dedicou seu discurso inteiro à defesa do pacto entres os poderes.

A partir daí foram iniciadas as negociações, que chegaram a bom termo dia 28 de maio, num café da manhã reforçado no Palácio da Alvorada, que Bolsonaro ofereceu a Dias Tofolli e aos presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre.

Depois, com o pacto a todo vapor, Maia e Alcolumbre seguravam o pacote Anticrime de Sérgio Moro, enquanto Toffoli apoiava Flávio Bolsonaro e mandava invalidar as denúncias do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), beneficiando criminosos e sonegadores. Depois, conseguia u aprovar em plenário (6 a 5) a impossibilidade de prisão após segunda instância, enganando a ministra Rosa Weber, que sinalizou votar na prisão após terceira instância, o que deixaria Lula na cadeia, mas Toffoli encerrou abruptamente a sessão, sem lhe dar a palavra, e a ministra sequer  protestou.  

DESDE O INÍCIO – Aqui na TI, desde o início ficamos contra esse pacto, por ser inconstitucional, antidemocrático e criminoso. Agora, em seus últimos dias na presidência do Supremo, Toffoli deixa bem claro que está unido a  Jair Bolsonaro, Rodrigo Maia e Davi Alcolkumbre na campanha para inviabilizar a Lava Jato e evitar que ex-ministro Sérgio Moro seja candidato em 2022.

É uma vergonha assistir ao desenrolar dessa sórdida campanha contra o ex-juiz Moro e a força tarefa da Lava Jato, formada pelo Ministério Público, a Polícia Federal e a Receita, que muito têm feito pelo país.

Esse movimento contra Moro e a Lava Jato vai emporcalhar ainda mais a imagem do Brasil no exterior. Sinceramente, é quase impossível acreditar no futuro de uma nação que  tem no comando dos Poderes da República figuras patéticas como Bolsonaro, Tofolli, Maia e Alcolumbre. É desanimador, sem dúvida. Mas há de chegar um dia em que nos livraremos deles.

39 thoughts on “Pacto dos três Poderes visa a inviabilizar a Lava Jato e desmoralizar Sérgio Moro

  1. Quando vejo pessoas defendendo a “honradez” do atual presidente ou de quem integra ou integrou o alto escalão desse governo, fico com o dito popular:

    “Rir pra chorar”.

    Todos sabiam, e continuam a saber, que Boçalnaro foi coiteiro de criminosos milicianos. Assim como sabem que TODO MILICIANO É CRIMINOSO: vive de extorsão, tráfico de drogas, assassinatos por encomenda -, caso da familícia carioca.

    O ex-juiz Moro sabia direitinho onde e com quem estava se metendo. Não foi usado. Entrou para o governo narcomiliciano-evangélico por identificação.

    Obs. Bebiano, Moro e capitão Adriano entraram e foram “saídos” do staff da familícia.

    (Quanto à “milicada ornada de estrelas” que integra tal projeto criminoso, também não é por ingenuidade. O presidente foi afastado com pouco mais de 30 anos de idade das FA não foi por atos de bravura ou patriotismo não.)

  2. O inquisidor que saiu da história pelas portas da #globolixo.
    No melhor estilo de Joaquim Silvério dos Reis Montenegro Leiria Grutes que foi um dos delatores dos inconfidentes mineiros .
    Lamentável

  3. Ricardo Sales; menos.
    Joaquim Silvério dos Reis era português; devia fidelidade a coroa.
    Dizer que ele era um contra revolucionário infiltrado, está bem; é aceitável. Dizer que era traidor só se fosse contrário aos interesses da coroa portuguesa.
    Bom dia.

  4. MAIS ÁGUA POTÁVEL PARA O NORDESTE. PRESIDENTE JAIR BOLSONARO FAZ EM MENOS DE DOIS ANOS O QUE OS GOVERNOS PASSADOS NÃO FIZERAM DURANTE QUASE UM SÉCULO.
    O Presidente Jair Bolsonaro esteve nesta quinta-feira na Bahia inaugurando o sistema de abastecimento de água em Campo Alegre de Lourdes na região conhecida como Semiárido transformando em realidade um sonho acalentado há anos pelos 40 mil moradores daquela região castigada pela seca. Até então a água consumida naquela região não tinha tratamento e chegava à população por meio de carros-pipa.
    Trata-se da água do rio São Francisco cuja obra estava há anos abandonada pelos governos passados. É incrível, portanto, que estejamos falando em água para o Nordeste do Brasil neste século XXI. Os mais velhos sabem que esse problema da água no semiárido nordestino é histórica apesar da natureza oferecer alternativas, como caudaloso rio São Francisco.
    A incúria, a demagogia e a roubalheira dos cofres públicos impediram durante anos que a água chegasse do interior nordestino. E agora está chegando. Em pouco mais de 1 ano e meio de seu mandato o Presidente Jair Bolsonaro está cumprindo sua promessa ao povo nordestino. Bastou que fosse estancado o vazamento dos cofres públicos para que de repente obras paralisadas há anos sejam finalmente executadas.
    Inclui-se aí, além do fornecimento de água potável ao semiárido nordestino, a retomada de outras obras como pavimentação de estradas, construção de pontes e outras iniciativas correlatas. Aliás, chega ser grotesco que em pleno século XXI tenhamos que estar comemorando da entrega de água potável, asfaltamentos de estradas e obras similares. Digo que é grotesco pelo fato de que todas essas obras estavam paralisadas há quase um século! Não fosse a vitória de Jair Bolsonaro no último pleito presidencial a ladainha das promessas dos politiqueiros do establishment iria continuar.

      • EUA interferiu no país por meio dos lavajatistas, com operações midiáticas. Agentes públicos que não guardaram nenhuma estrita observância do dever legal, atrás de microfones e superexposição, chegando até a partilharem entre si interesse pessoais, ganhos com palestras etc.

        • No entanto, é fato que muitos canalhas do Legislativo e do Executivo, somados ao do STF querem anular Moro… vejo essa figura com muitas reservasmas – como já dito acima.
          Mas anulá-lo quanto a eventual interesse em se candidatar, alterando a regra eleitoral, é absurdo. Sou crítico desse tipo de lei de ocasião.

  5. Humm. A lava jato não deve e nem deveria ser um poder independente perenizado. Deve ser apenas um grupo de trabalho designado para uma tarefa específica, como tantos outros formados no MP e PF. Tornar o grupo de trabalho perene é algo que não é muito salutar às instituições, pois poderá haver distorções e abusos.

    Quanto ao caixa dois eleitoral, parece-me que ouvi um personagem dizer, antes de assumir um cargo, que essa prática era crime, depois mudou de ideia e até falou que um colega, ao confessar tal crime, estaria desculpado.

  6. Os corvos conspiram contra a Democracia, para manterem seus privilégios, entre eles o mais desejável, os frutos da corrupção, enquanto o país está mergulhado numa enorme e profunda crise humanitária. São as bestas anticivilizatórias, que sobrevivem dos dejetos dos dejetos da Indústria da Miséria Humana. Aproveitam do fato de que as pessoas conscientes não podem sair às ruas.
    Trata-se de um acordo, ou melhor, do modus operandi, de nossas elites putrefatas, hipócritas, egoístas, desumanizada, sem nenhuma exceção:intelectual, jurídica, econômica, social, política de centro, direita e esquerda. è o Estado Cleptocrático.
    Mas a realidade impor-se-á, como substrato desse golpe baixo contra o próprio conceito de civilização.
    Com o tucanato em evidência, o bolsonarismo encontra-se com o lulopetismo, cuja DNA é 99% idêntico.
    Não tenho dúvida, que embora minoria, venceremos esses abutres, tão logo arrefeça-se a pandemia que, se hoje fortalece-os, amanhã será seu carrasco da História.
    Já atingimos um nível mínimo de democracia que é muito superior, em força propulsora que essas bestas do apocalipse, mesmo porque são absolutamente amadoras e, dado sua ânsia de atacar os cofres públicos de forma tão escancarada, deixam as marcas de sangue pelo caminho.
    Minha esperança é enorme.

    • Veja bem, Sr Delcio, nenhum sistema criminoso e, o nosso sistema sócio-
      político é criminoso sim, regredira na sua nocividade por vontade própria ou causas naturais. Esqueçamos os “salvadores da pátria” eles são verdadeiras catástrofes políticas. Cabe a nos, cidadãos pagadores de impostos, gerar ideias, campanhas e movimentos, de maneira gradual, que visem desmontar o arcabouço legal e constitucional que garante a impunidade do sistema, verdadeira seiva da sua existência.

  7. Carlos Newton, muito bom artigo, me fez pensar.

    Por seis votos a cinco, o Supremo Tribunal Federal decidiu em uma quinta-feira – 07 de novembro de 2019 – que o início do cumprimento de pena de condenados deve ocorrer apenas depois do trânsito em julgado de seus processos, ou seja, após esgotados todos os recursos. O presidente da Corte, Antonio Dias Toffoli, foi quem deu o voto decisivo que abriu o caminho para a liberdade dos corruptos de carteirinha Luiz Inácio Lula da Silva e José Dirceu.

    No dia seguinte, 08 de novembro de 2019, uma sexta-feira, bem cedinho, evidenciando que já tinha a petição pronta em razão da decisão do STF do dia anterior, a defesa de José Dirceu apresentou pedido de sua liberdade. No mesmo dia, na calada da noite, a juíza federal substituta Ana Carolina Bartolamei Ramos, da 1ª Vara de Execuções Penais de Curitiba, ordenou a soltura de José Dirceu, afinal era véspera de sábado e não parecia justo deixar o beato na cadeia no fim de semana.

    A partir dessa data, 08 de novembro de 2019, os fatos que se seguiram indicam que há um comando racional maior além de Toffoli atuando na destruição da Lava Jato e na reconstrução da corrupção e impunidade no país, talvez um antigo chefe de Toffoli…

  8. Pelos comentários…dá para identificar os ideólogos, cada qual com suas opiniões baseadas na “defesa” de Lula ou Bolsonaro, menos dos fatos. Lembra aquele povo que gritava “solte Barrabas”. O futuro é uma utopia…

  9. Corrupção é como gravidez, ou se é corrupto ou se é honesto, não existe “apenas simpatizante ou relatividade” Lavajato, não foi uma simples operação, Lavajato foi uma ideia libertadora e símbolo de que ainda há vergonha no País. Criticar a operação, alegando deslizes processualísticos, é para aplacar a consciência ou ocultar tendências.

  10. Limongi,

    Penso diferente.
    Moro acreditou em Bolsonaro, assim como os eleitores que o elegeram presidente dessa republiqueta.
    Indiscutivelmente, caso hoje houvesse outra eleição, Bolsonaro teria problemas.

    A saída de Moro do governo foi necessária, independente da alegação que o presidente queria se intrometer politicamente na PF.
    Certamente o ex-juiz pressentiu que havia embarcado numa canoa furada. Em consequência, acredito que o seu patrimônio ético e moral não tenha sido abalado.
    Não é por nada essa blitz dos três poderes contra a sua candidatura, sinal evidente do receio que possuem, na eventualidade de Moro ser eleito.

    E, a meu ver, com exceção da tentativa de reeleição de Bolsonaro, outro nome que possa enfrentar o presidente em 2022 não existe, pelo menos por enquanto.
    Moro é o único candidato que pode bater de frente com o ex-capitão.

    Digo mais:
    Os dois anos e pouco que ainda faltam para o fim do mandato desse governo, caso não apresentar medidas de impacto contra o desemprego, miséria, pobreza, e reativar a economia fora dos moldes do liberalismo econômico, Bolsonaro poderá ser derrotado no primeiro turno!

    Suas principais e fundamentais falhas e erros começariam com a derrota para a corrupção, incompetência administrativa, recessão, desprezo pelo povo, mitomania, incapacidade de liderança, polêmico, e gerador de desarmonia dentro e fora do Planalto.
    Como se vê, há muita dificuldade para o presidente sobrepujá-las, e ir para uma reeleição com segurança.

    Nessas alturas, Moro quieto, somente observando, mesmo com uma campanha atroz contra a sua pessoa, só tem a obter vantagens.
    Enquanto se preocupa com o ex-magistrado federal, o governo se torna pior, justamente pela falta de atenção e cuidados nas áreas de sua responsabilidade.

    Abraço.
    Saúde e paz.
    Te cuida!

  11. Essa questão do ranço da corja com o Moro, para além de que ele colocou ventilador na farofa da BA discagem, notamente, da assim autointitulada esquerda, é fruto, ao contrário , de seu detestável e antidemocrático culto à personalidade, que lê a inexoravelmente aos mitos e ditadores, seguidos por fanáticos fundamentalista. Par alguém pode-se com Deus, necessário faz-se algum demônio. Diferentemente dos ali e ados seguidores dos mitos, heróis de pes-de-barro, a luta contra o Estado cleptocratico, considera, mas não como mito, a importância do Moro. Que não foi quem colocou milhões nas ruas contra a corrupção, nem o será. Simplesmente ninguém a quebra mais,ser comandado por gangues.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *