No Dia do Poeta, confira um soneto que reflete justamente a emoção de fazer poesias

Efigênia Coutinho | Oceano de Letras

Efigênia Coutinho fez um soneto em louvor à Poesia

Paulo Peres
Poemas & Canções

Hoje é o Dia do Poeta e, neste sentido, publicamos a definição de “Ser Poeta”, na visão da artista plástica e poeta Efigênia Coutinho, nascida em Petrópolis (RJ). A seu ver, a poesia será sempre um meio de comunicação de sentimentos na escrita. “Tenho um ritmo pessoal, operando desvios de ângulos, mas sem perder de vista a tradição, procurando atingir o núcleo da ideia essencial, a imagem mais direta possível, abolindo as passagens intermediárias”, revela.


SER POETA

Efigênia Coutinho

A noite sempre cálida me espera,
Tenho em versos a recente emoção
Da inquietude que abraça a quimera,
Enquanto no meu peito pulsa a oração.

A noite ouve o acalanto, esta voz
Que brada a rima solta, e então viajo;
E busco o sopro terno do ninar em nós,
Onde se farta o frêmito voraz, que trajo.

Lá , ao vento espalhado, e envolto,
Meu verso solto, que diz: mortal, eu sou
Na arte que te fecunda e faz envolto…

Porque ser poeta é ser alguém que embelezou
A prosa e o lado vil do caso vário,
E deu-se a Deus que equilibra este rosário.  

4 thoughts on “No Dia do Poeta, confira um soneto que reflete justamente a emoção de fazer poesias

  1. Lembranças…

    Às vezes me acontece,
    Quando estou só e a noite desce,
    De ficar muito triste – confesso.

    É quando me vem à lembrança
    Aquele amor a que fazia versos
    No meus tempos de criança…

  2. PAVÃO MYSTERIOZO

    EDNARDO

    Pavão misterioso
    Pássaro formoso
    Tudo é mistério
    Nesse seu voar
    Ai se eu corresse assim
    Tantos céus assim
    Muita história
    E tinha pra contar…

    Pavão misterioso
    Nessa cauda
    Aberta em legue
    Me guarda moleque
    De eterno brincar
    Me poupa do vexame
    De morrer tão moço
    Muita coisa ainda
    Quero olhar…

    Pavão misterioso
    Pássaro formoso
    Tudo é mistério
    Nesse seu voar
    Ai se eu corresse assim
    Tantos céus assim
    Muita história
    Eu tinha pra contar…

    Pavão misterioso
    Pássaro formoso
    No escuro dessa noite
    Me ajuda, cantar
    Derrama essas faíscas
    Despeja esse trovão
    Desmancha isso tudo,oh!
    Que não é certo não…

    Pavão misterioso
    Pássaro formoso
    Um conde raivoso
    Não tarda a chegar
    Não temas minha donzela
    Nossa sorte nessa guerra
    Eles são muitos
    Mas não podem voar…
    .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *