Um poema de Machado de Assis, ao perder Carolina Novais, o grande amor de sua vida

Machado de Assis - Vida e Obra

Carolina Novais, a grande musa de Machado de Assis

Paulo Peres
Site Poemas & Canções

O jornalista, crítico literário, dramaturgo, folhetinista, romancista, contista, cronista e poeta carioca Joaquim Maria Machado de Assis (1839-1908) é amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. O poeta escreveu este belíssimo soneto “A Carolina”, após a morte de sua mulher.

A CAROLINA
Machado de Assis

Querida, ao pé do leito derradeiro
Em que descansas dessa longa vida,
Aqui venho e virei, pobre querida,
Trazer-te o coração do companheiro.

Pulsa-lhe aquele afeto verdadeiro
Que, a despeito de toda a humana lida,
Fez a nossa existência apetecida
E num recanto pôs um mundo inteiro.

Trago-te flores, restos arrancados
Da terra que nos viu passar unidos
E ora mortos nos deixa e separados.

Que eu, se tenho nos olhos malferidos
Pensamentos de vida formulados,
São pensamentos idos e vividos.

2 thoughts on “Um poema de Machado de Assis, ao perder Carolina Novais, o grande amor de sua vida

  1. A TV me irrita quando os analistas saúdam os colegas e os assinantes com a ladaínha: boa noite fulano, boa noite sicrano, boa noite a todos! Bastaria um Olá! e já seria muito. Mas a cada novo reporter novas saudações. Que saco!
    Seria isso um sintoma da nossa falta de profissionalismo? Uma tentativa de comprar a simpatia dos ouvintes?
    O mesmo acontece aqui nesta secção da TI. Ao descrever o autor, junta-se ao introdutório as mais variadas profissões do artista, mesmo aquelas nas quais ele não teve nenhum destaque. Machado para mim foi escritor, talvez o melhor que tivemos. Vejam, por exemplo, o que dizem do famoso pintor Renoir: “Pierre-Auguste Renoir was a French artist who was a leading painter in the development of the Impressionist style.”
    Tai: Renoir foi pintor impressionista e basta! Se ele foi doutor ou carpinteiro just doesn’t matter!

  2. Louca Fantasia

    Ah que beijos gostosos, que faces macias…
    Assim mato o tempo com doces fantasias.
    Quem assim me visse diria que sou louco,
    Sonhando por puro prazer,
    Mas de louco tenho pouco
    É que só nos sonhos a posso ter!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.