Ao festejar 200 anos da Independência, o Brasil precisa novamente lutar por sua soberania

Sociedade civil sai em socorro da Soberania Nacional - PDT

Ilustração reproduzida do Arquivo Google

Carlos Newton

Estamos comemorando, simultaneamente, 200 anos da independência do país e da fundação do Grande Oriente do Brasil. São dois fatos interligados, em razão da participação direta e ostensiva dos maçons na política brasileira. Portanto, não pertencem ao acaso as datas de fundação do Grande Oriente (17 de junho de 1822) e da proclamação da Independência (7 de setembro de 1822), com poucos meses de diferença. O Grande Oriente do Brasil foi criado com o objetivo determinado de realizar a Independência política do Brasil.  É o que prova a sua história.

Antes disso, havia sido fundada a pioneira Loja Comércio e Artes, em 15 de novembro de 1815, também com o objetivo de trabalhar pela Independência do Brasil, embora fosse subordinada ao Grande Oriente Lusitano. Essa subordinação era incompatível, pois só eram admitidos na Loja homens que jurassem lutar pela Independência do Brasil.

PROIBIÇÃO TOTAL – Incomodado com a autonomia dos maçons, o príncipe regente D. João, em 30 de março de 1818, proibiu a existência de toda e qualquer sociedade secreta em Portugal e em todos os territórios ultramarinos.  Essa proibição atingiu a Loja Comércio e Artes no Brasil, que teve de suspender seus trabalhos.

Cerca de três anos depois, em 24 de junho de 1821, após o retorno de D. João VI para Portugal, foi reinstalada a Loja, com a denominação Loja Comércio e Artes na Idade do Ouro, continuando a ter como principal objetivo a emancipação política do Brasil.

No início de 1822 a Loja Comércio e Artes já contava com grande número de integrantes. Porém, para a formação de uma entidade de âmbito nacional, que congregasse todos os maçons do Brasil, era necessário um conjunto de três Lojas.

DIVISÃO DAS LOJAS – Para atingir o objetivo, os Irmãos da Loja Comércio e Artes dividiram por sorteio seus participantes e formaram três Lojas: a Comércio e Artes, que simbolizava a idade do Ouro; a União e Tranquilidade, que representava as palavras de D. Pedro, na varanda do Paço, em 9 de janeiro de 1822, Dia do Fico; e a Loja Esperança de Nictheroy que simbolizava o objetivo da emancipação do Brasil.

Considerando que o Grande Oriente completa nesta sexta-feira 200 anos de fundação e grandes serviços prestados ao Brasil, lembramos que na sua primeira administração estavam presentes José Bonifácio de Andrada e Silva (Grão-Mestre) e Joaquim Gonçalves Ledo (1º Vigilante).

O Grande Oriente e os maçons sempre estiveram presentes em todos os momentos que o Brasil necessitou e foram as principais forças atuantes na independência do Brasil, nas leis de emancipação dos escravos – Lei Eusébio de Queirós, que proibia o tráfico de escravos africanos para o Brasil, Lei do Ventre Livre, Lei dos Sexagenários e, por fim, a Lei Áurea.

PAPEL DECISIVO – A Maçonaria também cumpriu um papel decisivo na proclamação da República. Esse fato histórico teve como líderes e idealizadores o Marechal Deodoro da Fonseca, Benjamim Constant, Silva Jardim, Campos Salles, Prudente de Moraes, Aristides Lobo e outros maçons.

A Maçonaria esteve presente em todos os principais acontecimentos históricos do Brasil e que culminaram no país que hoje vivemos, inclusive na defesa da soberania do Brasil sobre seu espaço territorial, defendendo-o em sua integridade, como fizeram o Duque de Caxias, Deodoro da Fonseca e outros.

Hoje, a soberania do Brasil sobre seu espaço territorial está novamente correndo grande risco, por ter aprovado a Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho, que facilita a independência política, territorial e econômica dos povos indígenas.

SÓ O BRASIL… – Os países que corriam maior risco de violação das soberanias eram os de grande extensão territorial. Nenhum deles assinou a Convenção. Mas o Brasil, no final de gestão de Fernando Henrique Cardoso, curvou-se à pressão. Bastava não ter assinado, acompanhando a atitude dos Estados Unidos, e teria se livrado de grandes problemas futuros. Porém, no dia 20 de junho de 2002 a Convenção 169 da OIT foi aprovada pelo Congresso, dando origem ao Decreto Legislativo 143.

A Convenção 169 da OIT só pode ser denunciada (revogada) pelos países signatários a cada dez anos decorridos. O Brasil já perdeu o primeiro prazo para a denúncia, durante o governo do PT. O segundo prazo vence agora, em 4 de setembro, ou seja, um mês antes das eleições. 

Cabe ao Congresso Nacional a iniciativa de denunciar a Convenção 169 da OIT, evitando o mal que pode causar ao país, justamente quando são comemorados os 200 anos da Independência.

O QUE FAZER? – O Congresso Nacional precisa denunciar a Convenção 169 da OIT, por se tratar de um tema de segurança nacional. Pode também passar a responsabilidade ao presidente da República, outorgando-lhe poderes para o ato. Ou pode permanecer inerte, simplesmente se omitindo, ao colocar em risco a soberania do país sobre seu território.

A Maçonaria, por atitudes firmes do Grande Oriente, jamais se omitiu quando a situação exigiu ação imediata em defesa do país. Teve coragem e força para fazer a independência, a abolição da escravatura e a proclamação da República.

Será que agora o Grande Oriente apenas realizará festejos comemorativos de seus 200 anos de fundação e irá se omitir com relação a lutar para que o governo denuncie a Convenção 169 da OIT, que viola gravemente a soberania nacional? Eis uma dúvida que jamais poderia existir.

19 thoughts on “Ao festejar 200 anos da Independência, o Brasil precisa novamente lutar por sua soberania

  1. Muita ficção atribuir tantas iniciativas à Maçonaria.
    Como se sabe, é ou era uma organização secreta! E composta pela aristocracia, pela elite econômica com interesses próprios e não me venha com ideais de democracia e outros blá, blá, blá.

  2. “A Maçonaria também cumpriu um papel decisivo na proclamação da República. (…). A Maçonaria esteve presente em todos os principais acontecimentos históricos do Brasil e que culminaram no país que hoje vivemos, inclusive na defesa da soberania do Brasil sobre seu espaço territorial, defendendo-o em sua integridade, como fizeram o Duque de Caxias, Deodoro da Fonseca e outros.” Alguma coisa está fora da ordem. Se a maçonaria tem todo esse poder de decisão, porque não trabalhou para mudanças estruturais em nosso país? Continuam os privilégios da elite. Se esse era e é o objetivo da maçonaria, está se cumprindo cabalmente. A gente continua no atraso, mesmo com toda riqueza que temos. A maçonaria é ré confessa, pois faz parte dessa elite que não quer mudanças de jeito nenhum. É só indagação de um homem simples da população!

  3. Durante minha experiência de vida tive contatos com muitos trambiqueiros e corruptos da maçonaria. Não são todos, mas são muitos. Essa instituição parece ter seus princípios e todo esse arranjo para parecer simpático mais como cortina de fumaça.

    A Maçonaria deu contribuição, sim. Mas além de Independência, também Golpes.

    Se a Maçonaria (versão tupiniquim) houvesse dado tanta contribuições positivas, não seria o país essa esculhambação (como é o Flamengo, mas pode melhorar, como melhorou o Internacional,segundo seu técnico, Mano Menezes, falando com o colega Dorival Jr. depois de vencê-lo).

  4. “Grande Oriente do Brasil.”
    As rédeas:
    O que é Oriente:
    Oriente é um dos pontos de orientação pelo Sol, é o lado do horizonte onde o Sol aparece pela manhã e que indica o leste ou oriente (que significa nascente).
    Oriente, na conotação política, é o conjunto dos países situados a leste da Europa e compreende a Ásia, parte da África e parte da Europa (o leste europeu).
    – “A grande maioria dos sobreviventes judeus do mundo são descendentes de europeus do Leste e, sendo assim, principalmente de origem Khazar. Se é assim, isso significa que seus antepassados não vieram do Jordão, mas do Volga, e não de Canaã, mas do Cáucaso, uma vez que acredita-se ser o berço da raça ariana, e que geneticamente estão mais estreitamente relacionados com as tribos Hun, Uigur, e que Magyar à descendência de Abraão, Isaac e Jacó “.
    Arthur Koestler “A DÉCIMA TERCEIRA TRIBO” pág. 17.”
    (Usurpação de progenitura)

    • DEBATE SOBRE O BRASIL
      Debate com Ivan Pinheiro, 01/Julho/2022/19h00.
      Sexta-feira, 1 de Julho, às 19h00, debate online sobre a “Situação política no Brasil e América Latina” promovido pela Iskra. Dele participará Ivan Pinheiro, ex-secretário-geral do PCB.
      Resistir.info

      • Coincidência numérica:
        “não se pode esquecer que a primeira Obediência maçônica do mundo foi fundada em 1717, no dia de São João Batista. – Apocalipse 17:17
        pois Deus pôs no coração deles o desejo de realizar o propósito que ele tem, levando-os a concordar em dar à besta o poder que eles têm para reinar até que se cumpram as palavras de Deus.”

          • “Orgulho arrogante.”
            “Saber tudo!” “Ninguém pode saber tudo. Nem todo o saber da humanidade reunido, pode ter essa dimensão abrangente, por uma clara razão:
            Esbarra-se nas questões da origem do tempo e do espaço no mundo físico. A insondável eternidade, atributo divino sobrenatural e a impossibilidade de descrever com consistência os vários aspectos da outra alternativa, que seria o surgimento, que são: onde? como? quando? por que? para que? de onde? do que? Como elucidar cada etapa e cada transição? Os igmorantes, que acham que sabem tudo, privam-se de um dos maiores prazeres da vida: Aprender!” Busquem e assimilem conhecimento!
            Blog: Sociologia & Análise

  5. 1763 – NASCIMENTO de JOSÉ BONIFÁCIO DE ANDRADA E SILVA (\) (político, estadista e naturalista paulista) – naturalidade; Santos (SP) – Falec.; Niterói (RJ) 06/04/1838 – “O Patriarca da Independência”. Considerado o primeiro ecologista brasileiro.

  6. O indicador apresentado pelo comentarista José Vital: https://www.ilo.org/brasilia/noticias/WCMS_781508/lang–
    parece que editado pela OIT, é prova concreta de seu comportamento e do erro cometido pelo Brasil em aprovar a Convenção 169 da OIT.

    Neste documento, a OIT menciona alguns países que aprovaram a Convenção, mas OMITE que

    os maiores países do mundo em extensão territorial, Rússia, Canadá, China e Estados Unidos, assim como todos da Comunidade Britânica não assinaram, por achá-la violadora de suas soberanias.

    E obsrvemos que – EUA, Rússia r China são potências nucleares …potências nucleares …

    • China? Democrata como é, até fico admirado que não tenham assinado.

      EUA? Democrático quando se trata de outros países? E que fez verdadeiras carnificinas contra os indígenas? Que surpresa não terem assinado.

  7. Democracia é um tipo de organização social no qual o controle político é, teoricamente, exercido pelo povo.

    Resulta em um sistema governamental que teoricamente se forma pela livre escolha de governantes pela maioria da população, por meio de votação.

    A soberania nacional é a capacidade de um país de possuir autonomia nas principais decisões sobre seu território e sua população.

    É a capacidade de buscar o que é melhor para si, e não para o interesse de outros países.

    Parece claro que governantes escolhidos pelo povo (seja culto, analfabeto ou analfabeto funcional) não podem tomar decisões colocando em risco o território do país e/ou sua população.

    Foi o que ocorreu com a aprovação pelo Congresso Nacional da Convenção nº 169 da OIT.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.