44% dos órgãos públicos pagam salários irregulares aos servidores, diz TCU

Resultado de imagem para servidores marajas charges

Charge do Dum (Arquivo Google)

William Castanho e Fábio Fabrini
Folha

Uma auditoria do TCU (Tribunal de Contas da União) nos holerites do funcionalismo federal dos três Poderes —Executivo, Legislativo e Judiciário— identificou pagamentos irregulares a 12.658 servidores. Há outros 4.380 casos suspeitos e ainda sem esclarecimentos. A soma dos pagamentos indevidos já confirmados com aqueles pendentes custa R$ 730,6 milhões por ano aos cofres da União.

Os técnicos da corte de fiscalização apontaram 21 tipos de irregularidades. Entre os casos estão pagamento para pensionistas mortos, aposentados por invalidez com vínculos empregatícios, servidores em outros cargos que não podem ser acumulados e funcionários sócios-gerentes ou administradores de empresas privadas.

IRREGULARIDADES – A auditoria do TCU, ainda em andamento, analisou dados de 652 órgãos federais. Em 287 foram detectados indícios de irregularidades (44%). O tribunal, porém, não divulga o número de ocorrências por unidade nem as informações dos servidores.

Os fiscais fizeram um pente-fino informatizado nas folhas de pagamento de março de 2017. Naquele mês, 4,4 milhões de servidores federais —ativos e inativos— e pensionistas custaram R$ 22,2 bilhões.

“O sistema de controle está começando, em razão da tecnologia e do aprimoramento, a conseguir encontrar esses desvios. Pela primeira vez, nós temos uma noção [desse valor]”, diz Gustavo Fernandes, professor da pós-graduação em administração pública da EAESP/FGV.

QUANTAS CRECHES? – “É aquele velho exercício: quantas creches, quantos postos de saúde, quantos hospitais poderiam ser construídos?”, questiona. “Mas, com certeza, há dez anos, esse número devia ser muito maior”, diz Fernandes.

Os gestores dos órgãos responsáveis pelos pagamentos indevidos são acionados pelos fiscais do TCU e devem prestar informações a fim de regularizá-las —cortar os benefícios irregulares.

Nessa etapa da auditoria, os casos suspeitos são confirmados, descartados ou ficam pendentes de esclarecimento. Os resultados da apuração da Sefip (Secretaria de Fiscalização de Pessoal) foram apresentados aos ministros do TCU neste ano.

FISCALIZAÇÃO – A auditoria foi submetida a julgamento do plenário da corte no dia 16 de maio. “Este modelo de fiscalização, que usa intensivamente tecnologia da informação, contribui para a atuação tempestiva do gestor público ao corrigir as irregularidades encontradas e confere eficiência à atuação deste tribunal”, escreveu a ministra-relatora do processo, Ana Arraes.

O relatório de acompanhamento, como é chamado o procedimento no TCU, está em sua terceira edição e passa por ampliação ano a ano.

O prejuízo aos cofres públicos pode ser ainda maior, pois, entre 2015 e 2017, os casos sob suspeita à espera de análise interna na corte chegam a 15.752.

7 thoughts on “44% dos órgãos públicos pagam salários irregulares aos servidores, diz TCU

  1. “A auditoria do TCU, ainda em andamento, analisou dados de 652 órgãos federais. Em 287 foram detectados indícios de irregularidades (44%). O tribunal, porém, não divulga o número de ocorrências por unidade nem as informações dos servidores.”

    -Alguém duvida que esses “servidores”, provavelmente postados em cargos de confiança, sejam os indicados pelos políticos?

  2. E, ainda, não estamos falando do quanto eles são desnecessários. Nem todos, mas em sua maioria. Por isso, esta luta desenfreada do PT por um candidato viável para presidente. As cabeças vão começar a cair.

  3. Não só pagam irregularmente, especialmente também nomeiam comissionados irregularmente, bem como indevidamente “auxiliam”, indicam terceiros para contratação pelas prestadoras de serviços e outras para seus postos de trabalho junto ao órgão contratante, em desrespeito ao princípio da impessoalidade e moralidade.
    Tudo isso é uma vergonha! É Brasil.

    • Como exemplos temos a recente revogação do impedimento de nomeação de parentes, segundo nova resolução do CNMP, fazendo desaparecer nepotismo quando não subordinado o nomeado ao parente ocupante de cargo no órgão. Isso teve o propósito de afastar as irregularidades existentes, pois o que mais tem é parente dentro do mesmo órgão público.

  4. E o que dizer da novel criação brasileira nos tribunais e órgãos auxiliares da justiça: trabalho remoto, à distância, em casa, ou teletrabalho, que alguns servidores passaram a desenvolver sabe-se lá segundo que formas de controle … se desempenhado rigorosamente pelo próprio sem delegação a terceiros, cumprimento de tempo de jornada,
    não cumulação com outras atividades vedadas (no fundo acho que o propósito é esse), além de parâmetros e exigência de resultados. Será que estes tem cortados os auxílios transporte e alimentação já que trabalham em casa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *