PMDB luta contra a progressiva perda de importância e prestígio

Roberto Nascimento

A tendência política caminha para uma redução progressiva da bancada do PMDB na Câmara e no Senado. De um lado, devido á fadiga de material, de outro, pela falta de um projeto amplo de poder, com candidato à Presidência, que empolgue as massas e ajude no crescimento de seus candidatos nas Assembleias Legislativas e no âmbito federal.

Não é por outra razão que o partido está rachado entre o Senado e a Câmara e ensaiou uma ruptura com o PT, mas, de mentirinha, somente para encurralar a presidente Dilma Rousseff em busca de espaço para continuar como o segundo maior partido da base aliada.

O maior temor do PMDB é o PT vencer na maioria dos Estados, principalmente no Rio de Janeiro, reduto maior da legenda. Como consequência, perderia também o direito de comandar o Senado e a Câmara. Esse desastre eleitoral, caso se confirme, seria o início do fim do PMDB, mesmo destino da Arena e do DEM.

Confirmando a história, os partidos nascem, crescem e depois morrem. Não há como fugir dessa máxima. O que ficará? Apenas as raposas políticas, que migrarem para o partido da hora, porque o político tem um DNA da sobrevivência extremamente aguçado.

4 thoughts on “PMDB luta contra a progressiva perda de importância e prestígio

    • Ricardo:
      O PT é um Partido ainda forte e está no PODER, logo não pode ser desprezado. A falta de importância com os Partidos é ampla, geral e irrestrita. Tanto é verdade, que ninguém deseja uma CPI do fim do mundo, ou seja, com vários fatos para serem desvendados, pois isso atingiria as siglas mais importantes, aquelas com capilaridade e chances eleitorais de chegar ao Planalto.

      A maioria dos eleitores está mais preocupada com o desemprego e a inflação, depois vem a questão ética, essa sim, que atinge o âmago da classe média. A classe superior não está nem aí coma hora do Brasil. Para essa classe, do topo da pirâmide, o que importa são seus negócios irem de vento em popa.

      Quanto ao tema do assunto em pauta, o PMDB, está claro que sairá menor dessa eleição de outubro, portanto, com pouco poder de barganha no futuro governo. Ninguém pode contra o tempo e a fadiga do material, que atinge a tudo e a todos, principalmente os seres vivos.

  1. Roberto, teu comentário esta perfeitamente adequado ao PMDB.
    Hoje, 26 de abril, sob o comando do Presidente do PMDB de Santa Catarina o Dr. Pinho Moreira, que em Criciúma, sua Cidade, leva pífias votações, do Senador Luiz Henrique da Silveira e do Senador Casildo Maldaer, suplente contumaz, comandaram uma pré convenção em que o partido abdica de ter candidato a Governador.
    Vai apoiar o antigo PFL do atual Governador Raimundo Colombo, que já foi seu inimigo figadal.
    Interessante notar que o PMDB já não tem mais expressão de valor nas maiores cidades Catarinenses.
    E, se alguém afirmar que o prefeito de Joinville é pemedebista, é que não conhece a trajetória politica deste senhor.
    Está faltando gente competente e proposta de governo ao PMDB de Catarinense.
    Uma lástima igual ao PMDB nacional.
    Sua atual liderança só quer a boca pura!
    SDS
    Vitor

    • Vitor: Obrigado pelo belo exemplo que trouxeste a baila. Infelizmente, o PMDB vem abdicando de candidaturas, principalmente ao cargo máximo da nação. Um Partido não pode ficar para sempre a reboque do vencedor, pois uma hora cansa. O caso de Santa Catarina, não é o único. Em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, o PMDB ainda não tem candidato para disputar contra o candidato do PT. No Rio de Janeiro, o PMDB não tem certeza da vitória. Em São Paulo, o PMDB nem existe, em razão do poder paulista estar dividido entre PSDB e PT. E finalmente, Minas Gerais, o governador sairá das hostes do PSDB ou do PT.

      Portanto, os fatos estão apontando para dois Partidos disputando os maiores colégios eleitorais, o PSDB e o PT. A grande dúvida ficará no ar: Quem ficará em terceiro lugar, o PMDB ou o PSB?

      A sorte está lançada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *