87 bilhões em 30 anos é muito menos do que um trilhão em 10 anos, que Guedes prometeu

Resultado de imagem para paulo guedes charges

Charge do Genildo (Arquivo Google)

Pedro do Coutto

Reportagem de Geralda Doca que se transformou na manchete principal de O Globo desta segunda-feira acentua que pelos cálculos do INSS uma decisão do STF pode custar 87 bilhões de reais a Previdência Social. Mas isso ao longo de 30 anos o que deixa claro que a quantia assusta a primeira vista porém dilui sua força ao longo de tão grande período.

Lembro da promessa do ministro Paulo Guedes, quando da votação da reforma estimou que ela permitiria uma economia anual de 100 bilhões de reais a cada 12 meses, totalizando o montante de 1 trilhão de reais em 10 anos.

EXAGERADÍSSIMO – Para se ter ideia do que representa 1 trilhão em 10 anos basta dizer que o orçamento federal de 2020 foi de 3,6 trilhões. Aliás cabe uma observação. O ministério da Economia, não sei por quê, oculta sempre o total do Orçamento, fazendo comparações entre a despesa e a receita tributária.

No entanto, a receita tributária não exprime o orçamento total, apenas 40% dele. Existem outras receitas, por isso quando se fala em custo da folha anual de vencimentos dos funcionários se projetados apenas sobre a receita de tributos, seu peso percentual torna-se muito maior do que fosse a comparação com todo o total orçamentário.

LANCES DE DADOS – O ministro da Economia que acumula em suas mãos os ministérios da Fazenda, Planejamento Previdência e do Trabalho necessita reformular seus lances de dados.

Geralda Doca chama atenção para o julgamento do STF, previsto para o final deste mês que analisa um recurso do INSS – sempre ele – contra a contagem da contribuição dos segurados que se encontram em licença para tratamento de saúde. No Supremo já existem 5 votos a favor desses segurados, o que torna difícil que o INSS tenha êxito em seu recurso.

TEMPO DE SERVIÇO – A questão é a seguinte. Durante as licenças para tratamento de saúde a Corte Suprema entende que os períodos devam ser contados como tempo de serviço e também de contribuição. Assim as exigências legais para aposentadoria se tornem condições efetivas. Para mim nada mais justo, pois os licenciados não estão deixando de trabalhar por vontade própria.

Há também o caso dos trabalhadores informais, situação que não inclui as contribuições do empregador. Vale frisar que o INSS está recorrendo contra trabalhadores e não toca no fato de as empresas deixarem de recolher os 20% sobre a folha de salários.

COPA DE 50 – Na edição de ontem da Folha, Ruy Castro falou sobre uma reportagem do saudoso Geraldo Mayrink a respeito da vitória do Uruguai na final de 50 sobre o Brasil no Maracanã. Nos próximos dias vou escrever sobre aquele desfecho e vou além, sou a última testemunha viva do diálogo entre Obdulio Varela e João Coelho Neto, apelidado de Preguinho, camisa 10 da seleção brasileira na Copa de 1930.

Obdulio revelou a tática do Uruguai. Foi uma vitória de uma estratégia que tirou o espaço de nosso time de exercer a técnica e a arte. Faltou espaço, faltou garra.

5 thoughts on “87 bilhões em 30 anos é muito menos do que um trilhão em 10 anos, que Guedes prometeu

  1. ‘Vale peru’ de estatais é tapa na cara do cidadão que suplica auxílio emergencial
    Relatório do governo revela também que esses cabides de privilégios dobraram o auxílio-refeição

    Uma das regalias mais indignas pagas pelas estatais federais a diretores e funcionários é um penduricalho chamado “vale peru”.

    O Relatório de Benefícios das Empresas Estatais Federais, elaborado pela Secretaria de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, mostra também que quase todos esses cabides de privilégios dobraram espertamente o valor do auxílio-refeição, inventando uma tal “cesta alimentação” paga treze vezes por ano, incluindo a parcela do vale peru. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

  2. BENESSES AO FUNCIONALISMO

    DINHEIRO DO AUXÍLIO
    09/02/2021
    Quem precisa de auxílio emergencial também banca R$831 do auxílio- refeição e R$654 da cesta-alimentação do pessoal do Banco do Brasil.

    DINHEIRO DA SAÚDE
    09/02/2021
    Os sem-oxigênio pagam a “assistência à saúde” de R$2,2 bilhões por ano do pessoal da Petrobras. No Banco do Brasil, são R$2,3 bilhões.

    GASTOS ABUSIVOS
    09/02/2021
    Estatais quebradas são as campeãs em penduricalhos. A Infraero, por exemplo, usa nosso dinheiro até para pagar “auxílio combustível”.

    PAGAMOS ATÉ A FEIRA
    09/02/2021
    O BNDES é uma gracinha com dinheiro público: paga R$1.521 por mês em “auxílio-refeição” e mais R$654 na espertíssima “cesta alimentação”.

  3. O grande e experiente Jornalista Sr. PEDRO DO COUTTO estimou exagerada a quantidade de redução de Despesas ( dadas pelo Ministro da Fazenda Sr. PAULO GUEDES), que o Estado teria com SEGURIDADE SOCIAL, devido a última REFORMA PREVIDENCIÁRIA – 2019, da ordem de R$ 1.000 Bi / 10 anos, ou em média R$ 100 Bi/Ano.
    Esta economia para o Estado não é linear ao longo do tempo, mas pequena no começo acelerando bastante para o fim.

    Também acho que há exagero nesta conta, mas não muito. A Reforma Tributária infelizmente foi necessária.

    Com relação a questão do INSS contar como tempo de Contribuição o tempo passado em Licença para tratamento de Saúde, que está em final de julgamento na Suprema Corte de Justiça, até agora 5 X 0 a favor dos Segurados, orçado em R$ 87 Bi em 30 anos, me parece que é mais para “ganhar tempo”.

    Excelente o Post BBC sobre o Livro “Tirania do Mérito” do Dr. MICHAEL SANDEL de HARVARD colocado por nosso ilustre Colega Sr. JOSÉ VIDAL, que explica muito o DESCONTENTAMENTO latente entre as Populações dos Países mais Ricos, que explica o fenômeno TRUMP nos EUA, e o crescimento na Europa dos Partidos ditos POPULISTAS NACIONALISTAS até meio AUTORITÁRIOS.
    Muito Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *