Nunca antes, na História deste país, as pesquisas erraram tanto

Carlos Newton

Está todo mundo de olho nas pesquisas, que nunca erraram com tamanha intensidade. No Rio de Janeiro, por exemplo, Ibope e Datafolha davam Anthony Garotinho (PSC) na frente de Marcelo Crivella (PRB) no primeiro turno, com 10 pontos de diferença, enquanto o instituto Gerp registrava empate entre os dois, o que realmente aconteceu e Crivella acabou indo para o segundo turno, por escassa diferença.

Agora, Ibope e Datafolha preveem folgada vitória de Luiz Fernando Pezão (PMDB), mas o instituto Gerp insiste em proclamar que Crivella está na frente e se tornará governador do Rio de Janeiro neste domingo.

Na disputa presidencial, a disparidade também é surpreendente e assustadora. Datafolha indica Dilma Rousseff (PT) com 4 pontos na frente de Aécio Neves (PSDB), o Ibope coloca Aécio na dianteira com 2 pontos de diferença, enquanto o instituto Veritá dá 6 pontos de frente ao candidato do PSDB e o Sensus vai muito além, assinalando que Aécio estaria com quase 13 pontos de frente.

Essas absurdas discrepâncias significam que as pesquisas viraram uma loteria e, com resultados tão díspares, um dos institutos acabará acertando. São tantos (Ibope, Datafolha, Sensus, Vox Populi, MDA, Gerp, Veritá etc.) que a gente até se perde à procura de um que acerte ou chegue perto, o que inevitavelmente acontecerá.

QUANDO TODOS ERRAM...

No primeiro turno, os principais institutos erraram (para menos) a votação de Aécio Neves e superestimaram a de Dilma Rousseff. O presidente do Datafolha, Mauro Paulino, deu pomposa entrevista às vésperas da eleição e disse que, se Aécio Neves confirmasse ter passado Marina Silva nas urnas, seria um fato inédito em disputas presidenciais.

Paulino explicou que em 1989 foi diferente: “Quando o candidato Lula passou Leonel Brizola e foi para o segundo turno contra Fernando Collor, já ocorria há mais tempo uma situação de empate técnico entre o segundo (Brizola) e o terceiro colocado (Lula) nas pesquisas”.

NÃO HÁ SERIEDADE

Já está demonstrado que, pelo menos aqui no Brasil, as pesquisas não são realizadas com a seriedade que seria de se esperar. As empresas do setor, que se autodenominam “institutos”, começam a mostrar sua falta de responsabilidade quando declararam margens de erro inferiores à realidade das normas estatísticas. Todas as empresas de pesquisas (é melhor chamá-las assim) procedem desse jeito, o que já configura uma fraude. O comentarista Wagner Pires deu repetidas aulas a respeito aqui na Tribuna da Internet.

As empresas faziam questão de insistir na falsidade, sem declarar a verdadeira margem de erro, que é diretamente proporcional ao número de entrevistas feitas. Uma pesquisa ouvindo apenas 2 mil eleitores jamais pode declarar margem de erro igual ao de um levantamento que abranja 10 mil eleitores, conforme denunciamos aqui, seguidamente.

Por tudo isso, ao final dessas eleições, ficará comprovado o que todos já sabem: os tais institutos/empresas estão cada vez mais especializados em ganhar dinheiro e enganar os incautos.

17 thoughts on “Nunca antes, na História deste país, as pesquisas erraram tanto

  1. CN. Considerando-se, a discordância entre os Institutos de Pesquisas e seus
    respectivos erros, chegamos a conclusão que elas só tem uma finalidade: induzir
    parte do leitorado a esse ou aquele candidato, que a rigor é uma propaganda
    enganosa e anti democrática.
    Em vista do que vêm ocorrendo, com os erros das pesquisas, através das diversas eleições,
    pesquisas deveriam ser proibidas, só permitida uma de cada Instituto uma semana
    antes das eleições, para atender a curiosidade do público, e só. Com certeza, os eleitores
    iriam prestar mais atenção nos candidatos, do que nas pesquisas.
    Um forte abraço.

    • Pesquisas 1.º Turno:
      IBOPE – Dilma = 46% —- Aécio = 27%.
      Datafolha – Dilma 44% —Aécio = 26%.
      Vox Pópuli- Dima 47%—-Aécio = 23%.
      MDA – Dilma 46% ———Aécio = 27%.
      —————————————————
      URNA – Dilma 41,6%——Aécio = 33,6%.

  2. Os ditos Institutos de Pesquisas deveriam ser atuados por Propaganda Enganosa pelo PROCON.

    “O Brasil não é um país sério”
    Carlos Alves de Souza Filho, embaixador do Brasil na França entre 1956 e 1964, genro do presidente Artur Bernardes.

    • Mas, o Bernardes não era sério com a sogra do Carlos. Passava ela prá trás com uma outra, cujo filho carregava sua mala durante os trabalhos da constituinte de 46, se projetou na política com o “esforço” da mamãe e acabou recentemente a vida pública como suplente do suplente, presidindo o senado e acobertando falcatruas do Sarney.

  3. Antes que as maritacas venham com nheco nheco, recitando os mantras que os chefetes mandam, a Dilma deve acreditar muito no Veritá, caso contrario a Secom da Presidência da República não o teria contratado, sem licitação, por ‘notório saber’! …(…)…………………Tucano abre 6,4 pontos percentuais de vantagem sobre a petista. O instituto Veritá divulgou no começo da tarde de hoje (21) a primeira pesquisa de intenção de votos para presidente realizada pelo instituto no segundo turno. De acordo com os dados apurados, o senador mineiro Aécio Neves (PSDB) aparece em vantagem sobre a presidenta Dilma Rousseff (PT). Considerando apenas os votos válidos, Aécio aparece com 53,2% contra 46,8% de Dilma. Nos votos válidos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.

  4. O Presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, aquele que não usa cheque, conform denuncia de seu ex motorista, agora virou caridoso com as socialites do país, em nome do “trabalhismo” (kkkk) petista….O Banco do Brasil concedeu empréstimo de R$ 2,7
    milhões à apresentadora de TV Val Marchiori, a
    partir de uma linha subsidiada pelo BNDES,
    contrariando normas internas das duas instituições.
    Marchiori tinha restrição de crédito por não ter pago
    empréstimo anterior ao BB e também não
    apresentava capacidade financeira para obter o
    financiamento, segundo documentos internos do BB
    obtidos pela Folha.
    A empresa pela qual Marchiori tomou o crédito, a Torke Empreendimentos,
    apresentou como comprovação de receita a pensão alimentícia de seus dois
    filhos menores de idade. O financiamento, repassado pelo BB a partir de uma
    linha do BNDES com juros de 4% ao ano –mais baixos que a inflação–, foi
    usado na compra de caminhões.

  5. Há pouco tempo tivemos um milagre estatístico de 2 institutos de pesquisas, usando uma amostragem totalmente diferente, com pesquisas feitas em municípios diferentes tiveram exatamente o mesmo resultado. Agora o Datafolha realiza duas pesquisas, em dois dias e dá exatamente o mesmo resultado. Os ‘jenius’ conseguiram exterminar com a margem de erro. Talvez tenham deixado tudo para o intervalo de confiança, ou seja pode dar qualquer coisa, como ficou patente no 1.º Turno !

  6. Trecho de uma interessante matéria da Rede Brasil Atual sobre as pesquisas….

    Ao jornal O Globo, Mauro Paulino, presidente do Datafolha negou a existência de erro nesse primeiro turno. Disse que “as pesquisas da véspera da eleição não tem intenção de acertar o número da urna” e que o eleitor brasileiro decide o voto “cada vez mais em cima da hora”. Disse ainda: “até por marketing, nós mesmos, dos institutos de pesquisa, tratamos esses números divulgados na véspera da eleição como prognósticos, mas, na verdade, eles são diagnósticos. Eles refletem uma realidade que já passou. Não estão olhando para a frente. Olham para trás. Falam do passado, do momento em que o eleitor foi entrevistado, e não do futuro. É importante que os institutos de pesquisa tenham coragem para dizer com toda a clareza que, quando publicam os resultados de uma pesquisa de intenção de voto, o número já é velho.”…(…)… José Ferreira de Carvalho, professor aposentado da Unicamp e consultor da empresa Statistika, é um contundente questionador dos institutos de pesquisa. Ele explicou à RBA que essas diferenças entre Aécio e Dilma no segundo turno estão erradas. “Você tem 17 pontos de diferença em uma pesquisa, oito em outra e zero em outra, ou seja, estão completamente fora. É mais fácil você acertar na mega-sena do que acontecer uma coisa dessas.”

  7. No primeiro turno Dilma deveria ganhar e levar, segundo esses institutos. Deu no que deu. A explicação do DataFalha foi singela: o eleitor mudou de voto na hora de votar.
    Para haver erro nessas pesquisas seria necessário haver isenção. Existe isso? Logo, não estão errando, estão tentando induzir o eleitor. Voto certeiro, e choque de realidade neles!

  8. As pesquisas estão mesmo desmoralizadas, Sr. Newton.

    O que chama, também, a atenção é o valor desses levantamentos, sendo que os mais baratos não saem por menos de R$65.000,00.

    Veja este levantamento a ser feito pelo Datafolha a ser divulgado no próximo dia 24. São, praticamente, R$400.000,00 em uma amostragem que durará apenas dois dias e entrevistará 19.956 eleitores.

    ……………………………………………………………………………………………………………………………………………….

    Pesquisa Eleitoral – BR-01210/2014

    Dados da Pesquisa

    Número do protocolo: BR-01210/2014

    Data de registro: 20/10/2014

    Data de divulgação: 25/10/2014

    Empresa contratada: DATAFOLHA INSTITUTO DE PESQUISAS LTDA.

    Eleição: Eleições Gerais 2014

    Cargo(s): Presidente

    Abrangência: BRASIL

    Contratante: Empresa Folha da Manhã S.A. e Globo Comunicação e Participações S.A.

    Origem dos recursos: Empresa Folha da Manhã S.A. e Globo Comunicação e Participações S.A.

    Pagante do trabalho: Empresa Folha da Manhã S.A. e Globo Comunicação e Participações S.A.

    Valor (R$): 399.300,00

    Estatístico responsável: Renata Nunes César

    Registro do estatístico no CONRE: 72.49A

    Registro da empresa no CONRE: J3053

    Data de início: 24/10/14 Data de término: 25/10/14 Entrevistados: 19956

    Metodologia de pesquisa: Pesquisa do tipo quantitativo, por amostragem, com aplicação de questionário eletrônico estruturado e abordagem pessoal em pontos de abordagem populacional. O conjunto do eleitorado brasileiro com 16 anos ou mais foi tomado como universo da pesquisa.

    Plano amostral e ponderação quanto a sexo, idade, grau de instrução e nível econômico do entrevistado, margem de erro e nível de confiança: Universo: Eleitorado brasileiro, com 16 anos ou mais. Técnica de amostragem: A amostra é estratificada por região geográfica, Unidade da Federação, porte dos municípios e natureza (capital, outros municípios da região metropolitana ou interior) dos municípios. Em cada estrato, num primeiro estágio, são sorteados os municípios que farão parte do levantamento. Num segundo estágio, são sorteados os bairros e pontos de abordagem onde serão aplicadas as entrevistas. Por fim, os entrevistados são selecionados aleatoriamente para responder ao questionário, de acordo com cotas de sexo e faixa etária. Nessa amostra, os tamanhos dos estratos foram desproporcionalizados para permitir detalhamento das unidades da federação e suas capitais CE, RS, RJ, e o Distrito Federal. Os dados utilizados para definição e seleção da amostra são baseados no TSE (eleitorado julho 2014) e IBGE (Censo 2010 e Estimativas 2014). A amostra prevista é de 19.956 questionários. Os dados relativos a sexo e faixa etária são: Sexo masculino: 48%, feminino: 52%, 16 a 24 anos 16%, 25 a 34 anos 23%, 35 a 44 anos 20%, 45 a 59 anos 24% e 60 anos ou mais 17%. Ponderação dos resultados: No processamento dos dados é realizada ponderação referente à proporção de cada cidade na amostra para correta representação das regiões. Está prevista a eventual ponderação para correção nos tamanhos dos segmentos das variáveis sexo e faixa etária. Para as variáveis grau de instrução e nível econômico do entrevistado (renda familiar mensal), o fator previsto para ponderação é 1 (resultados obtidos em campo). Área física: Serão realizadas entrevistas em 400 municípios, localizados nas seguintes unidades da federação: São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Bahia, Alagoas, Sergipe, Ceará, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Maranhão, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Tocantins, Pará, Acre, Amapá, Amazonas e Rondônia e Roraima. Margem de Erro: A margem de erro máxima prevista é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, considerando um nível de confiança de 95%. Os intervalos de confiança serão calculados considerando os resultados obtidos para um nível de confiança de 95%.

    Sistema interno de controle e verificação, conferência e fiscalização da coleta de dados e do trabalho de campo: Os pesquisadores envolvidos na realização desta pesquisa são treinados pelo Instituto e recebem instruções específicas para cada projeto realizado. A maior parte da coleta será feita com a utilização de tablet e questionário eletrônico. São checados, no mínimo, 30% dos questionários de cada pesquisador, seja in loco por supervisores de campo ou, posteriormente, por telefone. Internamente, todo o material é verificado e codificado. Antes do processamento final e emissão dos resultados, realiza-se processo de consistência dos dados.

    Dados relativos aos municípios e bairros abrangidos pela pesquisa. Na ausência de delimitação do bairro, será identificada a área em que foi realizada a pesquisa (conforme §6º. do art. 1º. da Resolução-TSE nº. 23.400/2013, o pedido de registro será complementado pela entrega destes dados ao Tribunal Eleitoral em um prazo de até 24 horas, contado da divulgação do respectivo resultado): A relação completa dos municípios e bairros pesquisados será encaminhada a esse tribunal posteriormente, até o sétimo dia seguinte à data de registro da pesquisa, conforme a Resolução 23.400/2013 do TSE, no art.2º §5º .

    Questionário completo aplicado ou a ser aplicado (formato PDF): Questionário PO para registro PO813776 Véspera.pdf

    Arquivo com detalhamento de bairros/municípios (formato PDF): Não há arquivo para detalhamento de bairros/municípios.

    Fonte: TSE.

  9. Newton, só os débeis e incultos, não se aperceberam que estas eleições estão sendo escancaradamente fraudadas pelos institutos de pesquisas. Veja a situação de Marina: estava confortável em segundo lugar nas pesquisas quando, sem motivo aparente, cede o segundo lugar a Aécio nas últimas 48 horas do primeiro turno. Lógico, claro, insofismável que os institutos inflaram Aécio para excluir Marina. E assim foi com Dilma, inflaram Aécio para além de Dilma e, depois de terem induzido os eleitores, agora estão fazendo essa confuzão para justificar a vitória de Dilma ou Aécio no segundo turno.

  10. Deus, se Aécio vencer – e vencerá pelo Brasil, esta gente vai enlouquecer e tocar fogo na história.
    Teremos de pagar pesquisadores, analistas de sistemas, auditores e tudo mais para levantar o mar de lama e filtrar tudo.
    No meio tempo, já deverão estar sendo construidas as Papudas de 02 a 100.
    É isto ou solicitar dois ou três estádios da copa para presídios coletivos. Afinal, são todos amigos e colegas. Não brigarão pelo espaço e nem pelo poder.

  11. Hoje conversei casualmente com uma pesquisadora de institutos que fazem pesquisas estatísticas, não era pesquisa eleitoral, mas ela me confessou que já trabalha a mais de 20 anos com pesquisas e detesta fazer pesquisa eleitoral, são manipuladas. Pronto, o que sempre desconfiei. Acredita quem quiser. Idiota é quem se deixa levar por essas estatísticas de esparrela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *