Sob suspeita, diretor Cosenza comanda auditorias na estatal

José Carlos Cosenza já depôs na CPI e disse que não sabia de nada…

Deu no Estado de Minas

Apontado por Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa como um dos beneficiários das “comissões” pagas por empreiteiras com contratos com a Petrobras, o atual diretor de Abastecimento da companhia, José Carlos Cosenza, é o responsável por validar o resultado de duas auditorias internas da estatal. Caberá a ele julgar e punir eventuais envolvidos em desvios na Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco, e no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Rnest), as duas principais obras sob investigação da Operação Lava Jato. Pelo regimento da estatal, o diretor das áreas investigadas é responsável por analisar em conjunto com o setor jurídico da empresa as punições cabíveis a eventuais funcionários envolvidos em irregularidades e casos de corrupção.Cosenza é o primeiro integrante da atual diretoria a ser citado nas denúncias investigadas pela Polícia Federal. Ele era subordinado a Paulo Roberto Costa até 2012, atuando na gerência de Refino da diretoria de Abastecimento. Com a saída do ex-diretor, Graça Foster o nomeou para o cargo, atribuindo a ele “virtudes intangíveis” e classificando seu trabalho como “espetacular”. Na segunda-feira, a presidente da Petrobrás, Graça Foster, informou que os relatórios finais das auditorias já estão com os diretores responsáveis, mas não há prazo para punições.

FACILITADORES DE DESVIOS

As investigações internas apontaram pelo menos oito funcionários ainda na ativa como beneficiários e facilitadores de desvios na estatal. Entre eles há pessoas em cargos executivos e gerentes de subsidiárias, segundo uma fonte que teve acesso aos relatórios. As auditorias foram apresentadas na última sexta-feira ao Conselho de Administração.

Questionada se o suposto envolvimento do diretor poderia prejudicar o andamento das apurações internas e a aplicação de penalidades, a Petrobrás não se manifestou. Tanto o doleiro quanto o ex-diretor Paulo Roberto Costa afirmaram em depoimento que Cosenza teria se beneficiado de “comissões” distribuída por empreiteiras para garantir contratos na estatal. O atual diretor negou “veementemente” envolvimento em casos de corrupção. Em nota, ele disse ainda desconhecer Alberto Youssef.

4 thoughts on “Sob suspeita, diretor Cosenza comanda auditorias na estatal

  1. Saudades do presidente Itamar Franco, o único que afastava qualquer ministro suspeito de irregularidade, até que provasse ser inocente. Palocci tinha que ser demitido, sem maiores explicações.
    Carlos Newton, jornalista
    Fonte: Tribuna da Imprensa
    21/05/2011

  2. Em resposta à Justiça Federal do Paraná, a Polícia Federal afirmou que “não há, até o momento, nos autos, qualquer elemento que evidencie a participação do atual diretor [de Refino e Abastecimento] no esquema de distribuição de vantagens ilícitas no âmbito da Petrobras”; nome de José Carlos Cosenza foi citado nos depoimentos dos delatores do esquema por “erro”, acrescenta a PF.

    E agora como fica a honra de uma pessoa atingida moralmente pela PF e consequentemente explorada por uma mídia ávida por sensacionalismo?

    • Você tem toda razão, Gilson. Amanhã, a Tribuna da Internet faz a parte dela. Publica artigo em que pede desculpas ao diretor da Petrobras. Mas nosso erro foi causado pela própria Polícia Federal, que divulgou informações que nunca existiram.

      Abs.

      CN

  3. Pisou na bola, PF… valeu que o juiz botou ordem na casa… mas, atentem: a pressa, às vezes é má conselheira…
    Esse é o tipo de situação que não pode ocorrer por parte da autoridade da policia.

    Há de se ter atenção, extremo cuidado na verificação dos autos produzidos para os respectivos mandados de prisão.

    Na hora, no minuto, no segundo,em que se produzam dúvidas da ação policial nos limites da lei, a AUTORIDADE POLICIAL corre o risco de perder a CREDIBILIDADE, item vital, de apoio, em face de prováveis recursos apelando para o abuso da autoridade.

    Errar é humano.
    Mas em se tratando de deletar a liberdade de uma pessoa por circunstâncias que não fiquem muito bem explicadas, já é o caso de um rigoroso puxão de orelha na autoridade coatora, e punição, inclusive.

    Afinal, uma noite na cadeia, sendo inocente, deve ser uma experiência aterradora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *