Celso de Mello só aguarda o depoimento de Bolsonaro para concluir o inquérito

erá submetido a cirurgia e ficará afastado até 19 ...

Celso de Mello tem provas suficientes para incriminar Bolsonaro

Carlos Newton

Em seu canto do cisne, às vésperas da aposentadoria compulsória, o ministro Celso de Mello conduz o mais importante inquérito de sua vida, que pode mudar os rumos da política brasileira e motivar o impeachment do presidente Jair Bolsonaro.

A investigação foi aberta a pedido do próprio chefe do governo, que se sentiu ofendido pelo então ministro da Justiça, Sérgio Moro, que o acusara de tentar ingerência na Polícia Federal.

PETIÇÃO ÀS PRESSAS  – A pressão do presidente foi tamanha que o procurador-geral da República, Augusto Aras.  teve de agir às pressas e nem desenvolveu uma justificativa robusta. Na petição inicial, Aras limitou-se a anexar a transcrição das declarações de Sérgio Moro ao se demitir pela TV e depois acrescentou algumas linhas, afirmando que o ministro teria cometido denunciação caluniosa contra o presidente, além de outros possíveis seis crimes.

Ou seja, trata-se de uma petição jurídica de uma pobreza intelectual constrangedora. O procurador-geral não cita nenhuma jurisprudência, nenhum autor consagrado, nem doutrina ou princípios, nada, nada. Qualquer estudante de Direito que redigisse petição semelhante numa prova, certamente seria reprovado.

O resultado é que a investigação virou o inquérito de cabeça para baixo. O ex-ministro Sérgio Moro, que era o candidato a réu, agora sequer é mencionado no frontispício do inquérito, enquanto o presidente Bolsonaro aparece como investigado.

INTERFERÊNCIA NA PF – Na reta final, passou a ser investigado se o chefe do governo cometeu crimes ao ameaçar demitir o então ministro da Justiça, caso ele não permitisse interferências na Polícia Federal, para passagem de informações de inquéritos sigilosos diretamente ao presidente da República.

A função de Celso de Mello é colher provas e encaminhá-las ao procurador-geral da República, para que decida se deve mandar abrir processo contra o presidente ou se determina o arquivamento do inquérito, só existem essas duas hipóteses, pois o ex-ministro Moro nem é mais investigado.

PREVARICAÇÃO – O presidente Jair Bolsonaro está sendo investigado por diversos crimes, especialmente prevaricação (artigo 319 do Codigo Penal), que consiste no fato de “retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal”.

Ao demitir Maurício Valeixo do cargo de diretor-geral da PF, o presidente praticou um ato ilegal, sem motivação válida e para atender o sentimento pessoal de proteger a família e amigos, conforme sua fala na reunião ministerial, que praticamente o transforma em réu confesso.

Outros crimes comprovados são de ameaça (art. 147),  por ter ameaçado demitir o ministro Sérgio Moro na reunião, assim como crime de difamação, por ter afirmado que Moro lhe propôs um acordo para ser nomeado ao Supremo. Além do crime de apresentar à Justiça falsa denunciação caluniosa.

UM SERVIÇO FÁCIL – Não há dificuldades para Celso de Mello apresentar um arrazoado que faça o procurador-geral Augusto Aras abrir processo contra o presidente.

Só falta o depoimento de Sua Excelência. Porém, como o investigado está com Covid-19, a delegada federal não pode se aproximar dele. Por enquanto.

A situação é essa – Moro está previamente inocentado, antes mesmo de o inquérito terminar, e Bolsonaro virou a boa da vez, em sinuca de bico, como se diz nos salões de bilhar.

###
P.S. –
Não pretendíamos voltar ao assunto, mas é irresistível. Dois robôs humanos do “Gabinete do Ódio”, já identificados como “infiltrados” entre os comentaristas da TI, lançaram nesta segunda duas Piadas do Ano. A primeira foi de que nosso blog não teria saído do ar, e a segunda piada dizia que nós mesmos tiramos o blog de circulação. Esquecem que nosso servidor é o UOL, onde todas informações estão arquivadas, inclusive os nomes dos técnicos que nos socorreram e os horários. (C.N.)

19 thoughts on “Celso de Mello só aguarda o depoimento de Bolsonaro para concluir o inquérito

  1. Esse propagado gabinete do ódio, pretensamente identificado pelo editor deste espaço, tá muito fraco, incipiente. Por outro lado, considerando a grande quantidade de comentários dos saudosos da cleptocracia de outrora, é inconteste que o grupo mais atuante por aqui é o dos mortadela com caviar, do gabinete pixuleco mandarim do ódio namastê.

  2. Tudo bem, a TI era bem vista pelos Bolsonaristas qdo a TI apoiava o Golpe de 2016. Agora a TI mudou de lado e defende novo Golpe contra JB. Conclusão, a direita só é democrática qdo NÃO está no Poder. Alegam necessidade de “alternãncia” do poder, etc. Mas qdo está no poder, usa qq método para se manter.

  3. Carlos Newton, está escrito que …. “A função de Celso de Mello é colher provas e encaminhá-las ao procurador-geral da República, para que decida se deve mandar abrir processo contra o presidente ou se determina o arquivamento do inquérito,”

    Na Bolsa de Brasília, o poder de determinar o arquivamento do inquérito possui cotação elevadíssima para a nomeação de ministro do STF.

    Mais elevada que a tirar o Queiros e a mulher da cadeia.

    Não há cafuné grátis em Brasília …

  4. Bom dia, Alfinete!
    Na boa, esse discurso seu sobre as questões do RJ não serem trazidas aqui já deu… Você NÃO é capaz de ver por todas as notícias publicadas na TI que a página não é direcionada às questões locais salvo pontualmente no calor da repercussão nacional?
    É uma questão de percepção.
    Senão, a TI teria que trazer de todos os outros estados…
    Quer discutir questões do RJ, procure um blog local: blog do Berta, Diário do Rio..

      • Simples, você est´senso cerceado e deletado, porque não obedece regras. Há uma regra máxima nesse blog, além de não falar palavrões, palavras chulas, nem ofender articulistas e comentaristas. Esta regra é baseada apenas em conceitos básicos de educação familiar e vale em todos os países e situações. Jamais se deve falar mal do dono da casa que nos abriga. No caso, nem há dono da casa, mas apenas o editor-chefe deste blog que abriga, democraticamente, todo tipo de participante, inclusive robôs humanos que defendem interesses do Bolsonaro, Lula, Doria, Ciro e outros menos votados. Se o sr. Alfinete pensa que vai continua esculhambando o editor-chefe da TI, está completamente enganado. Eu acabo de deletar 400 comentários dele, para mostrar que não estou brincando.

        Atenciosamente,

        CN

        • Onde estou falando mal do senhor, que nem se retratou dos mal feitos anteriores ? Chama-me de robot, acusa-me de pertencer ao gabinete de Carlos Bolsonaro e se faz passar por vítima ? Onde estou lhe esculhambando ? Ou a verdade nem sempre é para ser dita ? De que lhe acusei ? Onde há palavrões ou palavras chulas em mieus últimos posts ? Qsf, para mim, é “que se ferrem” para o senhor é expressão chula. Nem responder ao e-mail meu ,respondeu. Não precisaríamos ficar aqui tergiversando. Mas eu não menti.

      • Caro Abrahão,

        Já ficou evidente seu bom nível de conhecimentos e capacidade de se expressar, fundamentando suas opiniões.
        Faltou dizer que até mesmo o Wi-Fi de locais diferentes gera IPs diferentes, e não usuários ou pessoas diferentes.
        Não parece ser muito saudável ficar gastando tempo com simples comentários, diante de uma situação em que, pelas acusações graves que lhe fez Carlos Newton, sejam necessárias medidas mais efetivas, inclusive contra a divulgação de seu e-mail particular, violando a mensagem que consta no blog de que não será divulgado o e-mail do comentarista.
        É caso para você processá-lo tanto na esfera criminal, quando na esfera cível.
        Você já tem o nome completo, cpf, e o endereço (divulgado pelo próprio) onde ele poderá ser intimado, além das provas, que são as acusações que ele lhe imputou.
        Somente a impunidade é que permite que ele faça o que fez contra você.
        Vamos ver se ele pode “provar” o que diz contra você.
        Não recomendo esse juizados especiais, que são péssimos. Use a Justiça comum do Rio de Janeiro.

        • Prezado Marcos Franco:

          “Democraticamente” e “sob o signo da liberdade”, ele diz que deletou quatrocentas postagens minhas. Meus pecados:
          1) Mostrar que, por diversas vezes, foram publicadas matérias contrárias ao prefeito Crivella, ao contrário do que apregoa: só são publicadas matérias “federais”;

          2) Dizer que publicar matérias sobre esposa, mães, avós, para satisfazer aos anseios populares é mexerico da Candinha;

          3) Afirmar que se um hacker pode derrubar um site a qualquer momento, por quê fazê-lo à noite, após a delação feita ?

          4) Mostrar seu histórico de processado por danos morais;

          Ele mentiu sobre mim, mas tudo que falei é verdade, queira ele ou não. Seu telhado de vidro ficou exposto, mas eu não teria escrito uma palavra se não houvesse a imputação criminosa e a exibição pública de meu e-mail.

          Dado o valor da causa, tenho que ir aos JEs, sim. No JECrim, calúnia. No JECível, danos morais.

          Muito obrigado e boa tarde.

  5. Ao publicar meu e-mail, o senhor me expôs, apesar da garantia exibida. Meu nome é este mesmo e provarei. Não é a primeira vez. “Judeuzinho de merda”, “Assassino de Jesus”, já ganhei muitas ações. Será apenas mais uma.

    E “Leão da Montanha” não é nome de ninguém, é apenas pose. Além de negar meu nome, também coloca um apelido para contestar. Faz sentido ? Isso foi fotografado e transformado em um arquivo jpg.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *