A barulhenta orquestra da política é insuportável

Welinton Naveira e Silva

Ser presidente da República num sistema democrático capitalista, mal (bem) comparando, é tentar reger com eficiência (nem tanto), uma grande orquestra contando com muitos músicos (políticos) de pouca vocação e preparo, de pouca visão, impossibilitados de acompanhar a regência do maestro (presidente da Repúbica).

Quase todos os instrumentos costumam estarem desafinados e ruins (máquina do governo). O grande espaço ocupado pela orquestra (a gigante malha do poder sobre a grana do trabalhador), pouco ventilado e escuro, cheirando ruim, com estranhos ruídos, aberto ao livre tráfego de coisas indesejáveis e imorais.

Como se já não bastassem todos esses monumentais desarranjos, o maestro (presidente da República) da orquestra, na grande maioria das vezes, costuma não ter dotes algum para música, menos ainda, experiência.

O povo, sempre obrigado a assistir a infernal barulho, pagando caros bilhetes (baixos salários com altos impostos), com tempo acaba surdo. Quanto às elites dominantes, donas da orquestra, dos instrumentos e do grande espaço, nunca gostaram de música, gostam mesmo é da grande grana deixada na bilheteria pelo sofrido povo. Para ter paz diante de tanta barulheira, só mesmo, ficando surdo (despolitizado).

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *