A bola da vez é o cerrado

Carlos Chagas

A cobiça e a desfaçatez internacionais não tem limites. Depois de séculos de tentativas para apoderar-se ou para estagnar o desenvolvimento da Amazônia, nossos irmãos lá de cima voltaram-se para o Pantanal. Chegaram a interromper a abertura de uma hidrovia que ligaria Cáceres à Bacia do Prata, favorecendo o escoamento da produção em toda a região, em nome da preservação de meia-dúzia de peixinhos vermelhos encontrados nas barrancas do rio Paraná.

Pois não é que foram mais além? A bola da vez, agora, é o Cerrado. O Washington Post e o New York Times, coincidentemente no mesmo dia,  como porta-vozes do imperialismo, abriram suas páginas para denunciar que nos últimos quarenta anos metade da região foi “desflorestada”.

Por coincidência, desde a fundação de Brasília. A “denúncia” corre por conta da Conservation Internacional, uma dessas fajutas e poderosas ONGs que servem aos interesses de multinacionais de diferentes espécies.

Além de malandragem, exprimem ignorância, porque parte da “floresta” do Cerrado foi substituída por campos de plantio de soja, milho, feijão, algodão, cana e pastagens a perder de vista, para abrigo da pecuária que hoje alimenta o mundo. Tratou-se de um dos múltiplos efeitos positivos da criação da Nova Capital, que trouxe o progresso ao Centro-Oeste, transformando-se num dos principais celeiros do país, do continente e do planeta. Sem aquilo que metade do Cerrado produz hoje, estaríamos a braços com a fome e a miséria integrais, em proporção muito superior à que ainda nos assola.

Esses bandidos temem dois efeitos principais: um, a produção em massa do etanol, que substituirá o petróleo e o carvão por energia renovável e não poluente, capaz de virar de cabeça para baixo a tragédia promovida pela exploração dos combustíveis fósseis, aliás, em extinção.

O outro efeito é mais direto. Com a multiplicação do plantio da cana, para fazer etanol, deixará de crescer o plantio da soja, da qual somos o maior produtor mundial. Com isso, vão subir seus deteriorados preços, controlados pela Bolsa de Chicago. O resultado é que o Brasil ganhará mais na exportação, ou melhor, será menos explorado nesse produto. E eles deixarão de ganhar o que ganham…

O argumento pueril que levantam serve para sensibilizar alguns ecologistas tolos e outro tanto de bandidos, a respeito de “o etanol estar comendo a paisagem do Cerrado”. Pois que coma, se a consequência será o aproveitamento racional desse vasto território onde existem 160 mil espécies de animais. Não se preocupem. Preservaremos o Cerrado onde pode e deve ser preservado, mas sem nos preocuparmos em mantê-lo como um desértico e imutável jardim zoológico.

(Republicado a pedidos)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *