A campanha vazia, sem compromisso, sem projetos, sem esperana. Dilma e Serra no sabem o que dizer, embora tudo esteja por fazer. Descobriram a baixaria, felizes.

J que no fazem no Poder, municipal, estadual, federal, poderiam aproveitar a proximidade da eleio e pelo menos prometer. No cumpririam, Dilma e Serra no tm a menor credibilidade, mas colocariam nos debates os extraordinrios problemas que afligem o pas. Daria a impresso de estarem com pleno conhecimento desses obstculos.

Mas no dizem nada. Os debates frente a frente, assustadores pela falta de profundidade, de conhecimento, de compromissos. Um ri mais que o outro, como se fosse engraadssima a tentativa de chegar presidncia da Repblica.

Serra tenta pela segunda vez com a certeza da derrota anunciada h 8 anos, desde 2002. Dona Dilma, pela primeira vez aos 65 anos, a mesma idade do padrinho-protetor. Nunca teve a vontade de se candidatar, se oferecer ao povo, como fez Lula, o Pedro lvares Cabral da sua vida eleitoral?

O que ningum pode negar ao Lula, candidato a presidente 5 vezes seguidas, perdeu trs, no desanimou, disputou mais duas e ganhou. Poderia dizer como do seu hbito, gosto e costume: Ningum conseguiu isso na Histria do Brasil. E seria rigorosamente verdadeiro.

Esto perdendo a oportunidade de debater com ampla repercusso, e com satisfao geral do povo, e garantir que no desconhecem nada do que o Brasil precisa de mais urgente. E o que seria mais urgente do que a preservao dos recursos ROUBADOS do cidado-contribuinte-eleitor?

Ningum trata do desenvolvimento e do investimento, com que recursos iro cumprir o eu vou fazer isso, ou ento farei aquilo? Por que no se debate com amplitude e sem censura, a razo do Brasil pagar um juro to ALTO? Por que no dizem: Assim que tomar posse vou providenciar o fim dessa SANGRIA inominvel, que nos leva 188 BILHES POR ANO?

Elementar, os dois candidatos esto igualmente impedidos de tratar desse roubo COLOSSAL das nossas riquezas. Serra NO PODE pois essa DVIDA espantosa vem em linha reta do governo FHC, o que mais incentivou (?) a sua carreira. Alm do mais, pessoalmente ligadssimo aos senhores que enriquecem com esses juros, tem que ficar em silncio, no pode arriscar uma palavra que seja.

(Dona Dilma tambm tem que ficar calada, Lula seguiu sem hesitao tudo o que FHC adotou. E ela, pelo menos na campanha, no pode contrariar o padrinho-protetor).

Em relao DVIDA EXTERNA, que Lula diz que pagou (e que este reprter mostrou com nmeros irrefutveis que est viva) Serra podia perguntar sem nenhuma hostilidade: O que aconteceu com a DVIDA EXTERNA? O presidente disse que pagou. Isso verdade? E poderia concluir (sem citar o nome do reprter): O presidente foi desmentido. Afinal, a DVIDA EXTERNA foi paga ou continuamos DEVENDO?

Serra no pode tratar do assunto. Como contrariar os empresrios (banqueiros, donos de supermercados, seguradoras, empreiteiros e mais e mais) que financiam sua campanha? E mais grave ainda: FINANCIARAM TODA A SUA VIDA.

Quanto a Dona Dilma, seria exigir o impossvel, que ela contestasse o prprio padrinho-protetor. E se existe um fato que ela conhece de cincia exata, que a DVIDA EXTERNA est maior do que antes. Nada foi pago.

Outro fato que no envolve DINHEIRO VIVO, mas d os maiores prejuzos ao pas: a REFORMA PARTIDRIA. O aumento execrvel da corrupo, tem base na falta de CREDIBILIDADE geral. Inclua-se: governadores, prefeitos, senadores, deputados federais e estaduais, e naturalmente essa, PRESIDENCIAL. Que ocorre escondida e obstruda pelos INTERESSES INCONFESSVEIS dos dois candidatos.

Mas como que Dilma e Serra podem exigir ampla, total e irrestrita REFORMA PARTIDRIA, se os dois so produtos da mesma inqualificvel AUSNCIA de vida partidria? Se Dona Dilma foi ESCOLHIDA, UNGIDA E SACRAMENTADA pelo presidente Lula, pessoalmente, sem ouvir o PT? Se ouvisse, Dona Dilma jamais seria candidata.

No PT, dizem horrores dela, (por trs, por trs), quem tem coragem de criticar uma candidata j vitoriosa? O mais comum de ouvir nos corredores do PT; Ela nunca pertenceu ao PT, na frente dela, existiam pelo menos uns 10 correligionrios.

E Serra, como pode LUTAR pela REFORMA PARTIDRIA? Sua carreira foi feita sem partidos, apenas dominando a cpula dessas siglas milagrosas. Que tambm no podiam puni-lo. Se existissem partidos, Serra j teria sido expulso DE TODOS. Vrias vezes.

O inacreditvel: na ltima eleio para prefeito de SP, o seu PSDB tinha um candidato: o inefvel Geraldo Alckmin. Serra, governador, TRAIU OSTENSIVAMENTE o nome do PSDB, apoiou PUBLICAMENTE o tambm inefvel Kassab, que era do DEM. Para Serra, tanto faz. Kassab liquidou o correligionrio de Serra, no precisou explicar coisa alguma, no existem partidos.

Outro fato que precisa ser eliminado: a REEELEIO SEM TER HAVIDO ELEIO. Poltica e eleitoralmente, uma excrescncia. Kassab era vice-prefeito de Serra. Este ficou apenas 15 meses, RENUNCIOU, Kassab assumiu, cumpriu o resto do mandato. Foi ento candidato a mais 4 anos, sem sair do cargo e sem antes ter disputado algum.

Mas como Serra pode protestar contra esses suplentes? Na Constituinte de 1988, lutou pelo fim desses cargos. Depois se aproveitou vasta e fartamente deles. Foi senador, financiado pelo pai do presidente da Fiesp (da poca), que ficou 7 anos e meio como SUPLENTE EM EXERCCIO. (Tinha todo o direito, era a remunerao pelo financiamento).

***

PS Agora, a campanha tem um assunto nico: a baixaria da Receita Federal. Os dois tratam dessa questo com evidente satisfao. Quem quer saber de SANEAMENTO, ESTRADAS, PORTOS, REFORMA AGRRIA, SADE, EDUCAO, AEROPORTOS, modificar o sistema de PAGAMENTO dessas DVIDAS?

PS2 um fato estranhssimo: essa baixaria da Receita Federal est no noticirio dirio de todos os rgos de comunicao. Durante esse tempo, no houve a publicao, por qualquer instituto de pesquisa, de levantamento do fato.

PS3 Sabem a razo? que at agora, no chegaram a uma concluso: a baixaria prejudica Serra ou Dona Dilma? Como dizem que a pesquisa representa o MOMENTO, por que deixam passar esse MOMENTO? Ha!Ha!Ha!

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.