A caneta continua com pouca tinta

Carlos Chagas                                                      

Depois de crises, demissões,  nomeações surpreendentes, marchas e contramarchas, volta tudo à estaca zero: caso a presidente Dilma se disponha a usar a caneta, navegará em mar  tranquilo mas para rumo incerto, com sua nova tripulação feminina.  No reverso da medalha, se continuar  resistindo em atender as exigências do PMDB e do PT, será tempestade na certa e na costa. 

Mais para pressioná-la  do que por dispor de informações precisas, os líderes desses dois  partidos  alimentaram a imprensa do fim de semana com notinhas  e declarações a respeito da iminência de, a partir de hoje, começarem a  ser atendidos em suas reivindicações  fisiológicas. 

Confirmação não há, apesar de serem esperadas promessas e boas intenções na solenidade de posse de Ideli Salvatti na Coordenação Política, prevista para as 17 horas, no palácio do Planalto. A presidente e a nova ministra deverão discursar, na presença de caciques e índios  do PMDB  e dos companheiros de todos os matizes, em pé-de-guerra.  Esperam-se aplausos e beijinhos  em profusão, mas poderão estar enganados  quantos   pensem haver quebrado a resistência de Dilma em lotear o segundo escalão de seu governo. Ganha força a impressão de que a caneta continuará com pouca tinta, dada a   pesquisa  divulgada pela Folha de S. Paulo, apontando ligeiro aumento na popularidade da presidente.

NO VATICANO, NÃO

A propósito da desenvoltura com que há  décadas  o senador José Sarney   movimenta-se na primeira linha dos acontecimentos políticos, corria no Congresso singular historinha.  Sentindo faltar-lhe apenas o título de cardeal, o ex-presidente enviou mensageiro ao Vaticano para sondar Bento XVI sobre a hipótese da nomeação. O Papa nem quis conversa, negou enfaticamente o pedido. E  teria comentado que quinze minutos depois de uma  suposta designação para cardeal,  Sarney estaria manobrado para ocupar o seu lugar…

INSANIDADES

Calígula, no auge da loucura, fez-se adorar como deus, em Roma. Certa vez anunciou que a deusa Lua desceria para dar-lhe um beijo. Reuniu a corte e comportou-se como se aquela entidade divina  estivesse chegando, recebendo-a como um igual. Depois do encontro invisível indagou dos cortesãos se haviam testemunhado a confraternização e foi  condenando  ao exílio quantos respondiam  não ter visto nada.   Na sua vez, Vitilo safou-se ao dizer que “só os deuses podem ver-se uns aos outros”…

Já Nero foi mais objetivo. Depois de seu  padrasto, o Imperador Claudio,  ter morrido ao comer cogumelos envenenados, pontificou: “Cogumelos devem ser o alimento dos deuses, já  que depois  de comê-los meu antecessor tornou-se  um deles”…

Essas duas historinhas bem que poderiam servir de alerta para os diversos grupos do PT em disputa pelo poder em Roma (perdão, em Brasília)…

ESTÁ FALTANDO UM

Em plena crise da substituição de ministros, passou  meio despercebido o almoço oferecido no Alvorada pela presidente Dilma aos senadores do PTB. Pela primeira vez Fernando Collor voltou ao palácio onde não residiu, mas a grande ausência foi mesmo do presidente do partido, que lá  deveria estar como aconteceu em reuniões de outras bancadas com os respectivos presidentes. Não deixa de ser singular o gelo que tanto o Lula quanto Dilma dão  no dirigente maior  do  PTB, cujo apoio tem sido fundamental para os dois governos. Quem? O ex-deputado Roberto Jefferson…

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *