A ciência que salvou a vida de Bolsonaro é a mesma que ele desdenhou e negou depois

6 de setembro de 2018: um dia para entrar na história | VEJA

Vida de Bolsonaro foi salva pela Ciência que ele tanto despreza

Jorge Béja

Medicina é ciência. Vacina é medicina. Logo, vacina é ciência.  E ciência do mais alto grau de perfeição e conhecimento.  Aqui no nosso Brasil, queiram ou não queiram os pais, a criança quando nasce recebe vinte e cinco tipos de vacinas até completar um ano de vida.

Mas a teimosia danosa de Jair Bolsonaro contra a vacinação no combate à Covid, seus maus exemplos e seus “alertas” toscos, incivilizados e medíocres, sobre os “efeitos” da vacina, mostram um Bolsonaro ingrato. Ingrato com a Ciência. Ingrato com a Medicina. Ingrato porque foi a Medicina que salvou sua vida.

FOI PARA MATAR – Aquela facada de 6 de Setembro de 2018, desferida por um monstro, um demônio, um covardão que convivia solto entre nós, era para matar o candidato Jair Bolsonaro. Acabar de vez com sua vida e tirá-lo do pleito presidencial. 

A lâmina do facão tinha 20 centímetros de comprimento. Jair sofreu três gravíssimas lesões no intestino delgado, e outra lesão em uma veia do abdômen. A hemorragia foi abundante. Perdeu 40 a 50 por cento do sangue do corpo humano. Foram 4 cirurgias.

Socorrido, às pressas, no Hospital da Santa Casa da Misericórdia de Juiz de Fora, cidade mineira onde o então candidato fazia comício quando foi covardemente atacado, Jair foi transferido depois para o Hospital Albert Einstein. E logo na chegada, o doutor Antonio Macedo, médico do Einstein que assumiu o comando da equipe para cuidar de Jair, declarou textualmente, de viva voz: “Salvaram a vida dele lá em Juiz de Fora”.

VIVA A CIÊNCIA! – Palmas para os médicos da Santa Casa de Juiz de Fora. Palmas para a Medicina. Mas ninguém pode aplaudir um Bolsonaro negacionista da Ciência, da Medicina. Da ciência-médica que em 2018 salvou sua vida e que Jair, depois de eleito e empossado, negou até não poder mais. Negou proporcioná-la ao povo brasileiro.

Isto porque, como é público e notório, além de investigado e concluído pela CPI da Pandemia, que acusa Bolsonaro da prática de vários crimes contra a vida, a vacina da Pfizer foi oferecida ao governo brasileiro em agosto e setembro de 2020 e só foi comprada em janeiro de 2021. E mesmo assim, após pressão de todos os cantos e de todos os lados.

Cientistas confirmam que se a vacinação dos brasileiros tivesse iniciado imediatamente após ter a Pfizer oferecido a vacina ao Brasil, seguramente metade dos quase 620 mil mortos estariam vivos.

UM ERRO FATAL – Ah!, se Jair, desde o início da pandemia tivesse arregaçado as mangas e saído em campo na defesa da saúde e da vida dos brasileiros! Seja com gestos, pronunciamentos e ações eficazes imediatas.

Ele e os governantes de todos os países que assim agissem – ou agiram – se tornariam líderes-amados. Já os que nada ou muito pouco fizeram se tornaram malquistos. Governantes sem alma, sem sentimento. Governantes malditos.

E Jair assim passa para a História: um presidente desalmado. Que negou a mesma Ciência que salvou sua vida. Que “cuspiu no prato em que comeu”, como diz o antigo conceito popular.

12 thoughts on “A ciência que salvou a vida de Bolsonaro é a mesma que ele desdenhou e negou depois

  1. Brilhante Béja em sua analogia sobre o comportamento do JMB, este que já ultrapassou a fronteira do bom senso há muito tempo, quase dois anos quando do início da pandemia, agora é apenas digno de dó.

    Como diria – agora na virada – meu querido conterrâneo, colorado, Chico Bendl: saúde e paz. E longa vida a Béja e a TI.

  2. Nos Estados Unidos, a contaminação pela Covid ainda está alta, porque eleitores Republicanos, que seguem o Negacionista Donald Trump resistem a tomar a Vacina. Olhem a cara de pau desse troglodita americano: Ele tomou a VACINA, porque tem medo de morrer.
    Para efeitos externos, dizem que são machos e que não tomarão a vacina. Mas, desconfiados vão lá e tomam. Enquanto perdurar o Negacionismo e a resistência a Vacina, o vírus se fortalece e vai criando novas variantes, como essa tal de Omicron.
    Essa relação de causa e efeito, que Bolsonaro e o Ministro sabotador das vacinas para as crianças não percebem, que além de levar as crianças para os Hospitais já sobrecarregado pela nova onda, ainda tira votos do presidente, que vem caindo nas pesquisas. Parece, que ele ajuda os outros candidatos abrindo mão do segundo turno antecipadamente.

  3. Eu não vou bater palmas para maluco dançar. Quando amigos do trabalho diziam que a Cloroquina e o remédio para verme impediam a entrada do vírus no corpo, ria da ingenuidade deles.
    Quando descobriram a fraude, ficaram constrangidos e nunca mais tocaram no assunto.
    Até me chamaram para ir ao Posto de Vacinação, no quartel dos Bombeiros da Barra, na Rua Jorge Cury.
    Um general, que faz parte do governo, tomou a vacina e disse: “quero viver, por isso tomei”. Lógico de bobo ele não tem nada.
    Bolsonaro ficou uma fera.
    Não era para deixar se fotografar.

    • Mesmo conhecendo a história política dele, tendo conversado com ele por telefone e pessoalmente, me vi obrigado a votar nele: tínhamos de tirar os petralhas do poder.

      Felizmente, mais uns meses, e estaremos livres dele, mesmo que correndo o risco de ver Lula voltando por culpa de Bolsonaro!

      Já li milhares de comentários de “mintorianos” defendendo tudo de errado que Bolsonaro tem feito. A cada erro eles produzem uma historinha. Vivem em bolhas escuras, sem luz!

      O caso das vacinas é inimaginável. Ele teve de comprar pelas cobranças e ameaças que recebeu e não por convicções. por ele, até hoje estaríamos buscando a “contaminação de rebanho!”

      Em 2022, Bolsonaro receberá o que merece!

      Não pode ficar impune a traição que cometeu contra milhões de brasileiros!

  4. Politizaram a pandemia no sentido de inviabilizar o governo Bolsonaro.
    A cegueira ideológica do Gabinete do Amor coloca o presidente faltando pouco para ser o anticristo. Essa cegueira não pode ser confundida com viés ideológico, as meias verdades e as meias mentiras sempre serviram para endossar sofismas e piruetas vernaculares.
    Não sou um negacionista peitando acusacionista, eu estou vivo graças a ciência, tomo remédio pra pressão, mas não me esqueço da mesma ciência e da talidomida.
    Ao que me consta a compra das vacinas só aconteceram depois da liberação pela Anvisa.

  5. Então porque ele encomendou a da Astrazeneca antes da liberação da Anvisa? Se tivesse feito isso com as outras teria assegurado um volume muito maior de vacinas e teríamos feito uma vacinação muito mais rápida e eficiente.

  6. Quantas das 25 vacinas aplicadas em crianças são experimentais ou baseada em tecnologia inédita?

    Bolsonaro não esta proibindo a vacinação. Ele é contra a obrigação e a favor da liberdade e arbitrio dos pais de decidirem o que é melhor para seus filhos menores de idade. 90% de cristãos e conservadores, maioria da população brasileira, concordam com isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *