A contabilidade criativa pode ser uma maneira de viver

Guy Franco
Yahoo

Para não ser punida pela Lei de Responsabilidade Fiscal, devido ao descumprimento da meta de superávit primário, a presidente Dilma quer baixar uma medida para que este e outros objetivos evaporem. A ideia é que se não tem como cumprir a meta, ora, que se mude as regras do jogo. Um truque contábil em que o endividamento, magicamente, se transforma em receita. E pronto, problema resolvido; podemos voltar à vida cotidiana e falar da aplicação de hidrogel nas pernas de Andressa Urach.

É como dizem: “Quebrar o termômetro para não mostrar a febre”, ou algo assim. Ou como eu digo: “Rebaixar Plutão à categoria de planeta-anão não o fez desaparecer do Sistema Solar”.

Eis a doutrina econômica desse governo: maquiar os dados para ver se cola que os problemas sumiram. Fica a ideia para os cursos de graduação em economia: incluir a matéria de Contabilidade Criativa I e II na grade curricular.

Ou mesmo como um programa de vida, já que os truques contábeis poderiam ter uma aplicação mais ampla: se o número de miseráveis de um país aumenta, por exemplo, pode-se mudar o conceito de miseráveis. Se o país está em recessão, por que não incluir o tráfico de drogas no PIB, como fez a Itália? Se a taxa de mortalidade infantil aumenta, considere estender a infância até os 15 anos de idade. Se você for careca, inclua os pelos dos membros inferiores no perfil do Tinder.

Agora, imagina se vira moda. Imagina se os alunos dos colégios públicos começam a reivindicar o direito de usar contabilidade criativa nas notas das provas também. Afinal, se tem a aprovação da presidente e dos parlamentares, por que não aplicar o método no ensino público? E, subitamente, as notas abaixo de 5, com o novo cálculo, deixariam de ser notas vermelhas. Ou então as notas vermelhas ganhariam uma nova perspectiva. E se, até hoje, tudo não passou de uma demonstração avulsa de preconceito contábil contra as notas abaixo de 5?

É justamente esse o ponto forte do malabarismo contábil: ele é condescendente, ele é inclusivo. Por que é que 9×9 precisa sempre dar 81? Que tédio, que falta de criatividade!

A PLN 36, que altera o cálculo do resultado primário, deixa o país a um passo de perder o grau de investimento conquistado nesses anos todos? Sim, é claro que deixa. Perdemos credibilidade no mercado internacional? Sem dúvida que perdemos. Mas, ei!, quem não tem a capacidade de gerenciamento e responsabilidade de uma Dinamarca, que se agarre a uma de Cristina Kirchner.

One thought on “A contabilidade criativa pode ser uma maneira de viver

  1. Com a falta de qualidade do ensino da rede pública no país, pelo menos na maioria, bem que a presidente poderia dar “aulas de matemática” em vídeo-aulas!
    Seria uma barbada: ella enrolando e o pessoal aprendendo como passar a perna nos outros, como enganar as contas e como resolver todos os problemas financeiros.
    Estou sugerindo que façamos o mesmo com as dívidas de empréstimos e cartões de crédito.
    afinal, o exemplo não vem de cima? O STF criará jurisprudência para garantir-nos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *