A CPI começa devagar, quase parando

Carlos Chagas

Instalou-se quarta-feira a CPI do Cachoeira, presidida pelo senador Vital do Rego e com a presença do relator, deputado Odair Cunha. Plenário lotado, atenções nacionais voltadas para os 16 senadores e 16 deputados que integram o grupo, mais os suplentes. Num país sério, ontem, quinta-feira, como hoje, sexta, seriam dias para a CPI estabelecer seu plano de ação, definir o ritmo dos trabalhos e a relação de depoentes convocados em sua primeira fase.

Pois sabem onde se reuniram os parlamentares designados para a investigação do mais recente escândalo político dos últimos anos? No aeroporto de Brasília, porque às quintas-feiras ninguém segura deputados e senadores na capital federal, fora algumas exceções.

Dois dias perdidos, mas tem pior. Como o Primeiro de Maio, terça-feira, é feriado, nem pensar em trabalhos na segunda ou no próprio Dia do Trabalho, ironicamente quando ninguém trabalha. Suas Excelências chegarão na quarta, de manhã e de tarde, até de noite, mas para retornar na quinta a seus estados? Fica difícil esperar alguma ação concreta da CPI na próxima semana, ainda que milagres sempre possam acontecer.

Por isso escrevíamos, dias atrás, sobre o risco de a CPI começar devagar, quase parando. Não se trata de pérfida manobra dos adeptos da impunidade, nem de questiúnculas envolvendo PT, PMDB e governo. Funciona simplesmente a prática do Congresso, qualquer Congresso, em qualquer tempo. Deve prevenir-se quem manteve esperanças de ver rapidamente esclarecidas as lambanças em foco.

Por ironia, o mesmo ritmo desenvolve-se no julgamento dos 38 réus do mensalão, no Supremo Tribunal Federal, e na demora de a presidente Dilma designar os sete integrantes da Comissão da Verdade, no palácio do Planalto. Ninguém deseja ressuscitar os tempos da Inquisição, que em poucas horas condenava hereges à fogueira. Nem a justiça do período do Terror, da Revolução Francesa, cortando cabeças aos montes. Convenhamos, porém, estarem Legislativo, Judiciário e Executivo atuando como jabotis.

###
LEMBRANÇAS TENEBROSAS

Em outubro de 1966 o então presidente Castello Branco mandou tropa armada invadir o Congresso, mais precisamente a Câmara dos Deputados, pois o Senado encontrava-se de folga. A causa era a resistência do presidente da casa, Adaucto Lúcio Cardoso, diante da cassação de cinco deputados federais, com base no Ato Institucional 2. O corajoso parlamentar pela Guanabara sentiu-se traído, com base numa suposta promessa de Castello de não cassar mandatos enquanto se reunisse a “Assembléia Nacional Constituinte” já convocada. Os biógrafos do primeiro general-presidente negam que ele tivesse prometido não usar mais os instrumentos de exceção.

De qualquer forma, Adaucto não aceitou as cassações. Continuou dando a palavra e tomando os votos dos cinco deputados. Por cautela, mandou que se hospedassem nas instalações da Câmara, no caso, a Enfermaria.

A imprensa do pais inteiro confluiu para Brasília, pois passados dois ou três dias, todo mundo previa que o governo militar reagiria para não ser humilhado. Jornalistas, deputados e funcionários permaneciam em vigília, acomodando-se como podiam nas dependências parlamentares e, acima de tudo, vigiando. Grupos designados pelo presidente da Câmara revezavam-se no último andar do anexo, com visão para toda a Esplanada dos Ministérios. A informação era de que logo chegariam os tanques.

Na terceira madrugada de expectativa um deputado tentou fazer a barba, num dos banheiros, e verificou não haver água. Tinha sido cortada. Pouco depois apagaram-se as luzes. Velas foram providenciadas.

De plantão, lá em cima, com binóculos, alguém detectou movimentação excepcional na plataforma da estação rodoviária. Logo começaram a chegar caminhões do Exército, dos quais pulavam soldados com capacete, espingardas e metralhadoras. Singularmente, não andavam. Davam corridinhas, deitando-se em seguida no vasto gramado e até escondendo-se atrás de postes, de onde apontavam suas armas para o Poder Desarmado. Tanques apareceram na avenida que liga a estação rodoviária ao Congresso. Tudo em lenta progressão, diante da Catedral e dos prédios dos ministérios.

Notou-se também que de outras vias demandando a Praça dos Três Poderes chegavam contingentes fardados e embalados. Fuzileiros Navais e soldados da Polícia Militar do DF.

Fechava-se o círculo e, dentro do Legislativo, a apreensão transformava-se em caos. Funcionárias em ataque de nervos por não poder comunicar-se com suas casas, já que os telefones também haviam sido cortados. Deputados reconhecendo a necessidade de não resistir, por falta de meios, exceção de Amaral Netto, que a todos mostrava o seu revólver “22”. Jornalistas anotando minuto a minuto o que se passava fora e dentro do prédio.

O sol ia nascendo quando um jipão estaciona diante da rampa principal do Congresso, dele descendo um coronel em farda de campanha, capacete, cantil e pistola. Com um apito nos lábios, consulta o relógio e logo dá o sinal, entendido como de atacar. A soldadesca invade o prédio por suas oito diferentes entradas, com o grito de guerra de “civis, fora! civis, fora!” Com certa truculência, mas sem disparar um tiro, foram entrando. Empurravam quem encontrassem pela frente.

O coronel, recém-chegado do comando da tropa brasileira em São Domingos, era Meira Mattos, da estrita confiança do presidente Castello Branco. Sempre em acelerado, foi subindo a escada de tapetes verdes que leva ao andar do plenário da Câmara. De repente, o militar estanca no meio, ao ouvir lá de cima o vozeirão de Adaucto Lucio Cardoso, cercado por jornalistas e deputados: “Alto! Quem vem lá?”

Havia um pouco de encenação, pois os dois conheciam-se há muito, eram até amigos. Meira Mattos perfila-se e responde: “Eu sou o Poder Militar!” retomando a subida da escada como se fosse um campeão olímpico. Quando vai atropelar o presidente da Câmara, este recua dois passos para o coronel passar e, ao mesmo tempo, exclama: “Eu sou o Poder Civil e curvo-me à Sua Majestade, o Poder Militar!”

Logo a Câmara estaria fechada, obrigados deputados, jornalistas e funcionários a, em fila, identificar-se junto a um sargento postado na principal porta de saída. Apenas por curiosidade: a frase de Adaucto Lúcio Cardoso, de propósito, era a mesma pronunciada por Antônio Carlos Ribeiro de Andrada, presidente da então invadida e fechada Assembléia Nacional Constituinte de 1823.

Ele saía preso por ordem de D. Pedro I, tirou o chapéu e curvou-se diante de um canhão assestado contra o prédio onde os constituintes se reuniam, sugestivamente a Cadeia Velha. A propósito, Adaucto não foi preso…

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *