A criptografia e o autoritarismo dos Estados Unidos

Mauro Santayana
Hoje em Dia

Apresentando-se, sempre, ao mundo, como um paladino da defesa da liberdade e da democracia, os EUA acabam de pedir à comunidade científica o fim da criptografia, processo que permite aos usuários de computador defender seus dados de hackers e mantê-los a salvo de estados abusivos e autoritários, que espionam seus cidadãos e os alheios, como o é o caso dos próprios Estados Unidos.

Na última conferência RSA, voltada para sistemas de segurança cibernética, encerrada há poucos dias, o Secretário para a Segurança Interna dos EUA, Jen Johnson, fez um apelo aos técnicos e cientistas participantes, no sentido de desenvolver uma forma definitiva de “contornar e desabilitar a criptografia” como forma de aumentar o poder dos órgãos de segurança.

O caminho mais fácil para que isso venha a ocorrer já está delineado. O rápido avanço da computação quântica, possibilitará o surgimento de um novo tipo de computador, contra o qual a maioria dos softwares criptográficos não teriam a menor defesa.

BIG BROTHER PLANETÁRIO

Há, no entanto, países e organizações que, antevendo a ameaça que esse tipo de máquina poderia acarretar contra a liberdade individual, se organizam para incentivar o desenvolvimento de novos tipos de criptografia capazes de proteger dados no futuro universo da computação quântica, antes mesmo que os computadores quânticos estejam desenvolvidos.

Ressabiada pela espionagem executada contra alguns de seus dirigentes, como a Chanceler Ângela Merkel, a União Europeia não parece estar disposta a aceitar de braços cruzados a consolidação de um imenso Big Brother planetário, por parte do governo norte-americano, não nos moldes do reality show imbecil homônimo, mas da ditadura descrita no profético romance 1984, de George Orwell, que lhe emprestou o nome.

A Comissão Europeia acaba de liberar milhões de euros para que cientistas desenvolvam sistemas criptográficos imunes a computadores quânticos, no que já está sendo chamado de criptografia “pós-quântica”. Qualquer dado que tenha de ser protegido em um horizonte de mais de dez anos, já teria de ser guardado por esse sistema, já que esse é o tempo previsto para entrada em funcionamento, nas mãos dos governos mais avançados, da computação quântica.

EM NOME DA LIBERDADE

O Brasil, cujo governo também foi vítima da espionagem norte-americana, deveria se juntar a esse esforço, em colaboração com a UE, ou financiando pesquisas semelhantes dentro de universidades como a USP.

Os EUA alegam ser necessário eliminar a criptografia para se defender de “terroristas” e criminosos. A questão é saber quem, no futuro, irá determinar quem é “terrorista” e quem é um combatente lutando, eventualmente, contra estados fascistas com tecnologia de localização pessoal, reconhecimento facial, dados biométricos, espionagem de massa de telecomunicações e de internet.

Em nome da Liberdade, essa prerrogativa não deve ser do Sistema, mas, primordialmente, do indivíduo.

43 thoughts on “A criptografia e o autoritarismo dos Estados Unidos

    • Vossa Babância deve saber bem que os EUA fazem de tudo por seus cidadãos, mas os dos outros países, que se danem ! Frustrado porque quando nasceu a mamãe não estava nos EUA ? Não brigue com ela, domingo is her day.

      • Errou.
        Quem faz tudo pelo bem do próprio cidadão americano é o próprio, que teve a sorte do estado americano estar proibido pela constituição de interferir na vida pessoal dele.
        Por isso os EUA, apesar de crises de tempos em tempos, sempre volta a crescer. Ao contrário de países da Europa que, com seu socialismo, inibe a iniciativa privada com regras e impostos demais.

        • Suponha Vossa Babância que a moeda de transações comerciais fosse o euro (como Saddan tentou fazer e foi morto por isso). Quem sobreviveria ?
          Insisto: não tenha raiva de sua mãe por não estar nos EUA quando nasceu.

          • Essa história de dólar ser a moeda internacional não serve de argumento, pois transações entre países podem ser feitas usando outra moeda como o Euro ou qualquer outra. Às vezes nem usar moeda. Fazer escambo.
            Pode perder a esperança, vc que é torcedor anti-americano, pois a China tem bilhões ou trilhões de dólares em compras de papéis americanos.

          • “A China tem bilhões ou trilhões de dólares em compras de papéis americanos”. É daí que virá a guerra, Peitar o Iraque é mole, a China é outra coisa. Responda: Vossa Babância também acredita que quem inventou o avião foram os irmãos Wright ?

      • Você está enganado. Saddan e o Khadafi queriam introduzir o OURO. Aí é que o bicho pegou. O euro é divisa reconhecida pelos EUA e acionistas majoritários do FED privatizado em 1913.

  1. O interessante é que Santayana fazia parte da máquina soviética (trabalhou num dos países satélites) sob o comando do império do terror que foi a URSS , em que, no seu tempo, a KGB era a maior máquina de repressão e espionagem do mundo .
    Ou seja, ele é entendido na matéria.

  2. Pra algum desavisado inocente que não leu o 1984, de George Orwell, pode parecer que o livro é uma crítica ao poderio norte-americano, o que é totalmente o contrário. É isso que me irrita nessa gentalha (como diz o Kiko do Chaves) de esquerda. Eles fazem de tudo pra distorcer a verdade.
    Ontem comentei a respeito do Tiradentes, mesmo autor deste, Santayna. Defendi que Tiradentes seja visto não só pelo ideal político, mas principalmente pelo motivo de sua luta, os tributos onerosos. Naquela época era um quinto; hoje evoluiu e já somos praticamente meeiros do governo. E o dia de tiradentes poderia ser um dia marcante para a luta do trabalhador de verdade contra a exploração. Trabalhador de verdade é aquele que trabalha de sol a sol: o operário, o policial, o agricultor, o roceiro, o lavrador, o vaqueiro, o cozinheiro, o garçom (do pô ao nascer do sol, logo sol a sol), o investidor etc. E os pseudotrabalhadores são os sindicalistas, os ativistas, os militantes, os sem futuro do mst, enfim, toda a gentalha.
    Quanto aos EUA maperarem a vida alheia pela internet, isso digamos não é legal, mas quem não deve nada a ninguém não tem o que temer. Os EUA são sim o símbolo da liberdade e da democracia. Lá o Estado realmente respeita o indivíduo, pois o Estado funciona na sua função básica que é assegurar a liberdade de cada um, promovendo para isso segurança física e jurídica para que cada cidadão desenvolva sua capacidade o máximo possível. Isso sim que é liberdade; liberdade da mente, liberdade de pensamento… Aqui por outro lado somos escravos, acorrentados em nossas próprias casas. Presos pela violência. Vivemos do trabalho pra casa e de casa pro trabalho. As portas das casas mais parecem prisões com seus muros, seus portões, suas cercas elétricas e câmeras de segurança. Somos presos… Já vivemos o bbb do 1984, só que de uma maneira discreta. O governo nada faz para mudar essa realidade, deixando-nos reféns do mundo, reféns do ladrão que bate à porta a qualquer hora disfarçado de carteiro dos correios… Vivemos reféns de caminhar nas praças das cidades, pois qualquer vacilo é risco ser surpreendido. Isso é que é um bbb.

  3. O autor tem comportamento doentio com relação aos EUA. Não precisava ir tão longe, bastava escrever sobre a quebra do SIGILO do caseiro Francenildo dos Santos Costa, por Antonio Palocci, na CEF.

  4. Assim como os EUA usaram codificar suas Mensagens Militares na II Guerra Mundial com sucesso 100%, Código nunca quebrado nem de perto pelo inimigo, usando na emissão e recepção, Índios NAVAJOS, nós temos opção de mais de 400 Línguas de Tribos Indígenas Amazônicas. Esse problema para nós Brasileiros é facinho de resolver. Difícil mesmo é aprendermos a nos ORGANIZAR EFICIENTEMENTE em termos Políticos-Econômicos.

    • O problema, Flávio, é que hoje as 400 línguas indígenas da Amazônia são muito mais estudadas pelas ONGs e missionários americanos do que por nós brasileiros…

  5. Na CPI do Collor, o reeducando José Dirceu, quebrou de forma ilegal o sigilo do P.C. Farias, vulgo Paulinho Gasolina, para isso o Zé usou a Veja, que na época foi ótima….

  6. Virgilio Tambelini e Dorothy, tomara que ele não nos leia hoje. Ele estraga a manhã, a tarde, a noite de qualquer um. O rei da grosseria. Cruzes.

  7. Interessante seria se deixássemos as questões políticas de lado e o comunismo de Santayana, e abordássemos realisticamente a vigilância que o Estado mantém sobre o cidadão.
    Por favor, sejamos sinceros:
    A Internet não é o problema!
    As ruas possuem câmeras, que registram o entra e sai das pessoas, suas caminhadas, o trânsito de veículos, que as aceitamos por segurança;
    As casas, igualmente, têm sistemas sofisticados de proteção, para aqueles que moram bem;
    Os condomínios, idem;
    Bancos, financeiras, são tão meticulosos com o nosso cadastro, que só faltam os horários que fomos ao banheiro;
    Lojas, onde somos clientes, sabem quase tudo sobre nossas vidas;
    Receita Federal, Polícia Civil, Rodoviária, DETRAN, definitivamente não somos mais donos de nossas vidas há muito tempo!
    Assim, essa questão da criptografia, respeitosamente, a meu ver é ridícula, e mais tem como consequência a falta de tecnologia que o Brasil deixou de desenvolver por culpa de governos traidores da Pátria e do povo, que os americanos desejarem saber sobre os cidadãos de outros países.
    Por que não criamos nossos próprios códigos, como mais uma vez abordou o Mestre Bortolotto?
    Quanto à presidente Dilma ter sido investigada, certamente foi superficial, caso contrário saberíamos muito mais a respeito dos escândalos em seu governo!

  8. Pelo fato de ser contra o EUA , não quer dizer que é a favor de outro
    país. Em 1964 era assim quem não era a favor do EUA , era comunista. Sou contra qualquer um que defenda a quadrilha que está no
    poder no Brasil, seja o Santayana, o Leonardo Boff ou outro qualquer.
    Respeito quem tem admiração pelo USA, eu não tenho, considero os maiores
    terroristas do mundo, onde há gerra ou golpe para tirar Presidente eleitos,
    está lá a CIA. O país mais rico do mundo têm 46,2 milhões de pessoas que vivem
    abaixo da linha da pobreza, não pode ser exemplo para nenhum outro país.

    • Compreendo seu ponto de vista, Nélio. De fato, os Estados Unidos têm cometido muitas atrocidades… Também sou desfavorável a qualquer atitude contrária à vida e independência das pessoas.
      Mas vejo nos EUA, antes de tudo, um Estado que dar ao indivíduo a possiblidade moral e jurídica e até a proteção física para que cada ser humano desenvolva suas capacidades o máximo possível. Isso é fantástico.
      Sem falar que o princípio da riqueza americana foi a produção e industrialização local, comércio forte local… Enquanto a Europa ainda vivia de colônias os EUA tinham sua economia baseada em valores e consumidores locais, com produtos desenvolvidos e produzidos no próprio país.
      Para os EUA migraram sempre as melhores mentes, pois lá sempre houve liberdade de expressão do conhecimento, apoio maciço ao cérebro humano. Observe que os maiores conglomerados do mundo são americanos. E qualquer rico do mundo quer ter negócios nos EUA, pois lá a Lei existe pra ser respeitada. Lá a Lei protege o homem do Estado, não o contrário que vemos mundo afora. Isso é uma coisa fantástica.

  9. Isso acontece há décadas. Ao final da 2.ª Guerra a OSS se transformou em CIA. A única alternativa é investir em segurança cibernética, porém a Dilma tem investido apenas 20% do orçado.

  10. Só que o autor se ‘esqueceu’ que o ganso do Tuma, quis que a PF comprasse um drone para espionar os adversários políticos, com a desculpa que era para combater o tráfico de drogas. Está no livro do Tuma Jr, que assim como a Veja, nunca foi processado.

  11. Caro Nélio, há só um detalhe na informação que passaste, que faz toda a diferença. Destes 46 milhões abaixo da linha de pobreza:
    – 80% têm ar-condicionado em casa;

    – 92% têm forno de micro-ondas;

    – quase 75% têm pelo menos um carro;

    – mais de 60% têm TV a cabo;

    – mais da metade tem computador, e 43% têm acesso à internet;

    – 83% das famílias afirmam ter alimentos suficientes;

    – 42% delas são proprietárias das residências onde moram.

    Ou seja, estão bem melhor que nossa classe média…

  12. Caro Francisco Menezes, você tem razão num ponto de vista: o EUA privilegiou o consumo que é a base do desenvolvimento e progresso, com seu próprio esforço e trabalho se desenvolveram, diferentemente de nós e outros países que querem enriquecer com dinheiro alheio. Nunca vi alguém ficar rico com dinheiro emprestado, senão com seu próprio esforço e trabalho.

  13. Caro Caio Efrom, não é bem assim, faça uma pesquisa que você
    vai ver os números dos sem tetos e os que vivem em barracas acampados,
    esses com certeza não tem televisão, ar condicionado etc.
    A propaganda americana só mostra ao mundo o lado bom do seu país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *