A disputa de Bolsonaro e Haddad, na força da gravidade no segundo turno

Os candidatos à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT)

Com a propaganda  de volta à TV, aumenta o embate

Bruno Boghossian
Folha

A movimentação dos atores políticos neste início de segundo turno permite medir a intensidade dos campos gravitacionais dos dois nomes da disputa. As adesões às chapas de Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) já dão uma pista das alianças que podem moldar seus governos.

Quanto mais forte está um candidato, menor a necessidade de fazer concessões, ajustar discursos e moderar plataformas. Ao abrir vantagem sobre seu principal adversário, Bolsonaro imediatamente atraiu o apoio de políticos interessados em se beneficiar de sua imagem ou derrotar o PT.

DORIA FOI RÁPIDO – João Doria, candidato do PSDB ao governo de São Paulo, apostou nos dois prêmios. No próprio domingo do primeiro turno, declarou voto no presidenciável. O tucano até afirmou que não concorda com todas as posições de Bolsonaro, mas depois se orgulhou em dizer que deu seu apoio sem pedir “contrapartida”.

A onda que empurra o candidato do PSL nesta eleição colocou sua campanha em posição confortável. Políticos de diversos partidos decidiram se colar a sua candidatura sem a exigência de qualquer mudança em seu programa, por exemplo.

Haddad está em situação menos favorável. A adesão de Ciro Gomes (PDT) ao petista era tratada como um movimento óbvio, mas o ex-governador cearense fez jogo duro. Declarou apoio crítico ao PT e pegou um avião para a Europa.

NOVOS RUMOS – A três semanas do segundo turno, os petistas decidiram apagar trechos do programa de governo e mudar alguns hábitos. Haddad interrompeu suas visitas a Lula na carceragem da Polícia Federal e desautorizou José Dirceu no horário nobre da TV.

A moderação era um aceno a políticos de centro e de direita para derrotar Bolsonaro. Ainda não funcionou.

E o maior sinal de que as urnas eletrônicas são confiáveis é a derrota de Romero Jucá. O homem mais poderoso de Roraima, símbolo do establishment político, perdeu sua cadeira no Senado por apenas 426 votos.

17 thoughts on “A disputa de Bolsonaro e Haddad, na força da gravidade no segundo turno

  1. Esta eleição já está definida. Podemos começar a discutir a de 2022. Se Bolsonaro fizer um bom governo é candidato natural a reeleição caso contrário, o PT será, naturalmente, o favorito. Então, Ciro Gomes, Alckmin, Marina e o João Amoedo podem se preparar para 2026.

  2. Editorial do Wall Street Journal de ontem. EDITORIAL, opinião do jornal, e não de algum colunista.

    “Os progressistas globais estão tendo um ataque de ansiedade após o quase-triunfo de domingo do candidato presidencial conservador do Brasil, Jair Bolsonaro. Depois de anos de corrupção e recessão, aparentemente milhões de brasileiros acham que um outsider é exatamente o que o país precisa. Talvez eles saibam mais do que os críticos ao redor do mundo.

    Bolsonaro obteve surpreendentes 46%, pouco menos que os 50% necessários para vencer no primeiro turno. Ele agora é favorito contra Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo que teve 29%. O segundo turno é em 28 de outubro.

    Bolsonaro, que passou 27 anos no Congresso, é descrito como um populista conservador que promete tornar o Brasil grande pela primeira vez. O candidato de 63 anos está seguindo os valores tradicionais e freqüentemente diz coisas politicamente incorretas sobre políticas identitárias que inflamam seus oponentes. No entanto, ele atraiu o apoio da classe média ao se comprometer a reduzir a corrupção, reprimir o crime desenfreado no Brasil e libertar os empresários do controle do governo.

    Ele não chegou a prometer privatizar totalmente a estatal Petrobras, mas seu assessor econômico disse que venderia suas subsidiárias, desregulamentaria grande parte da economia e restringiria os gastos do governo. Quanto à criminalidade, prometeu restaurar a presença policial em áreas urbanas e rurais que se tornaram sem lei.

    Os oponentes alegam que Bolsonaro elogiou as forças armadas e, algumas vezes, o regime militar de 1964-1985, sugerindo que ele é uma ameaça à democracia. Mas ele não está propondo mudar a constituição, que limita o poder dos militares no país.

    Por outro lado, Haddad quer reescrever a constituição para incluir uma assembléia constituinte ao longo das linhas do modelo venezuelano. Ele também quer mudar a forma como as promoções militares são feitas, dando o poder ao presidente. Isto é algo tirado diretamente do manual de Hugo Chávez.

    Haddad é o candidato escolhido a dedo pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está cumprindo uma sentença de 12 anos por suborno, mas, continua a ser um herói da esquerda. Lula aproveitou o boom das commodities para ganhar popularidade nos anos 2000, mas ele e sua sucessora geriram mal a economia e um escândalo de corrupção envolvendo a Petrobras manchou grande parte da classe política.

    O pequeno Partido Social Liberal, de Bolsonaro, carece de dinheiro e da máquina de que dispõe o Partido dos Trabalhadores (PT) de Haddad, mas Bolsonaro é quem está em alta no momento. O PT continua com o maior bloco da Câmara dos Deputados, com 56 representantes, mas o partido de Bolsonaro elegeu 52 e conquistou quatro cadeiras no Senado. O PT se saiu bem em sua fortaleza tradicional do Nordeste, mas não conseguiu eleger um governador no resto do país.

    Depois de tanto tumulto político e corrupção, não é de surpreender que os brasileiros estejam respondendo a um candidato que promete algo melhor.”

    https://www.wsj.com/articles/brazilian-swamp-drainer-1539039700

  3. Sra. Carioca da Gema,

    Segura essa!

    *O meu Ele Não.*

    O meu *Ele Não* é para José Dirceu, terrorista comunista treinado em Cuba pela KGB russa, que conviveu por anos com sua esposa sem revelar sua identidade secreta, que foi condenado no mensalão, petrolão e é o cérebro por trás de todas as más intenções e os maus atos do PT no Brasil. E já anunciou a tomada de poder que quer implementar no país. O arquiteto do mal.

    O meu *Ele Não* é para Gilberto Carvalho, bolchevique petista, que age nas sombras, personagem nefasto que a Deputada Mara Gabrilli já afirmou varias vezes ser o artífice do assassinato de Celso Daniel e que sempre foi o secretário geral de Lula. O capataz truculento para todas as horas.

    O meu *Ele Não* é para José Stédile, comunista e chefe dos terroristas do MST, que já interrompeu as nossas vidas várias vezes, já invadiu propriedades produtivas e destruiu anos de pesquisas, comandando sua milícia. Já ameaçou várias vezes a nação e sempre conta com a anuência de todos da esquerda. Um terrorista para Lula chamar de seu.

    O meu *Ele Não* é para Ricardo Lewandowski, ex-advogado do PT em São Bernardo do Campo, hoje militante judicial supremo, que faz na mais alta corte brasileira o ativismo judicial mais descarado que se tem notícia, passando por cima até da constituição brasileira, rasgando leis, para manter-se fiel ao seu senhor. Um advogado supremo.

    O meu *Ele Não* vai para os membros da imprensa boquonha e chapa branca, que irrigada e aparelhada por todos esses anos pelo nosso dinheiro através do estado, produz notícias difamatóriss e desinformantes diárias , rasgando todos o manuais de ética jornalística em nome da sua militância. Um exército para desinformação.

    O meu *Ele Não* é para os Artistas Vampiros da Lei Rouanet, que usurpam o dinheiro público para propagar a sua arte de degeneração e depois, querendo manter a mamata, nos agridem querendo doutrinar nossos pensamentos e ações. Achando que somos os bobos da corte.

    O meu *Ele Não* vai para Fernando Haddad, o boneco ventríloquo petista da ocasião. Um comunista forjado na máquina de lavagem cerebral de esquerda das universidades, a USP, e que, no alto de seu currículo de ex-Ministro da Educação, nos legou posições africanas no PISA e uma gestão desastrosa e corrupta na prefeitura de São Paulo. Posa de bonzinho e honesto, mas não deixa de receber subordinadamente instruções do seu chefe criminoso, condenado e preso. Seu plano de governo deixa claro que teremos uma Venezuela aqui, caso se eleja. Nao um poste, mas um verdadeiro *pau mandado* na acepção da palavra.

    O meu *Ele Não* final é contra Lula e o PT. A organização criminosa que saqueou o país, nos afundou na maior crise econômica da história e roubou o nosso sentimento de nação., Nos dividiu, nos agrediu, usurpou a família, financiou e apoiou ditadores com nosso dinheiro, vilipendiou a bandeira, zombou da justiça, nos jogou no caos dos 63.000 assassinatos e agora quer dar o golpe final no coração da nação brasileira.

    O meu *Ele Sim* é pela nossa soberania, pela nossa bandeira, pelas nossas crianças, pela honestidade, contra os corruptos, pela vida e pela pátria.

    Brasil acima de tudo! DEUS acima de todos!
    Que a sua consciencia, bom senso, racionalidade e sabedoria oriente seu voto no dia 28/10

    *#ForaPT*

    Autor desconhecido.

  4. Deixarei para meus colegas comentaristas um pequeno ensaio sobre a disputa entre Bolsonaro e Haddad pelo Planalto.

    A disputa pelo Planalto entre Bolsonaro e Haddad não está apenas circunscrita à esquerda e à direita, o PT contra o PSL, liberdade e a democracia, como tenta alertar o estafeta, o mandalate, a marionete de Lula, mas muito mais do que percebemos!

    O maior poder que houve, e que durou mais de mil e quinhentos anos, e que ainda possui resquícios significativos da sua importância incomparável no passado foi a Igreja Católica!

    Sem a autorização papal, reis não eram coroados, imperadores não eram reconhecidos, príncipes não podiam sentar-se ao trono.

    A Igreja autorizava ou não a separação do casal, possuía riquezas inimagináveis, igrejas portentosas, catedrais, basílicas monumentais, santuários, colégios, universidades …

    Tanto detinha o poder espiritual quanto o político, sendo praticamente dona do mundo Ocidental.

    Mesmo com o surgimento do Protestantismo e Calvinismo, o poder permanecia com a religião, com os novos cristãos que, se não mais viam no Papa a autoridade e a infalibilidade de antes, Cristo continuaria sendo a figura central e mais poderosa ainda.

    No entanto, os conventos, monastérios, algumas igrejas onde a composição era de padres, monges e freiras, que transcreviam os pergaminhos e escritos do passado, detinham consigo também o CONHECIMENTO!

    Alguns desses sacerdotes simplesmente foram notáveis sábios e filósofos, como Tomás de Aquino e Agostinho.

    Tais pensadores entenderam que precisavam enfatizar a CONFISSÃO, onde a fragilidade do ser humano por ser um pecador e em busca do perdão, colocaria por terra qualquer poder existente, do rei ao vassalo.

    A trilha percorrida pelos seres humanos desde o surgimento de Cristo até a presente data, tem sido de sacrifícios, mortes, doenças, misérias, injustiças, perseguições, preconceitos … mas, o poder da Igreja (Catolicismo) ainda é relevante.

    Com a ascensão ao poder do PT, que seria o partido dos pobres, dos trabalhadores explorados pelos patrões, pelo vil metal, os nomes que ergueram o partido – e muitos eram inteligentíssimos – concluíram que estar ao lado da Igreja seria fundamental, ainda mais que espalhava-se a decisão de a Igreja pender para os carentes e necessitados, através da CNBB.

    Ora, Leonardo Boff pertence ao movimento Teologia da Libertação, logo, o pobre sendo a maior população existente no Brasil e contando com o perdão deste movimento católico, e tendo em seu favor um partido cuja política que desenvolveria seria em sua defesa, o PT foi eleito a nova esperança, a chance de progresso para o pobre, de estar perto do poder.

    Boff difundia aberta e claramente, que os crimes praticados pelos necessitados estavam perdoados por Jesus!
    Que o Filho de Deus escolhera o pobre, e que amaldiçoara o rico, causador de seus infortúnios e infelicidades.

    Na razão direta que o pobre brasileiro na sua maioria é católico, o PT tratou de roubar o que podia e não devia para permanecer no poder indefinidamente.

    DITO ISSO, quando citei no início que essas eleições trazem algo mais do a simples disputa pelo Planalto, eu me referia ao seguinte:
    A esquerda, o PT, até mesmo os partidos socialistas e comunistas estão com os católicos; Bolsonaro, obteve o apoio dos evangélicos!

    Uma outra disputa está sendo travada pelo poder político:
    Vencerá o evangélico ou o católico??!!

    Edir Macedo percebeu antes dos outros donos de neopentecostais, que somar o poder espiritual com o político seria o futuro, o aprofundamento das raízes da sua igreja.
    E iniciou com a bancada dos evangélicos, que cresceu, que se tornou importante, que se fez fundamental à aprovação de certos projetos!

    Edir Macedo elegeu o prefeito do Rio de Janeiro!!!

    Os demais neopentecostais, RR Soares, Waldemiro, Agenor, Malafaia, trataram de fazer o mesmo, dando apoio para os políticos que, lá pelas tantas, poderiam ajudá-los!!!

    A desordem, a violência, a libertinagem nas passeatas gays, o uso desrespeitoso do crucifixo, pessoas evacuando e urinando na imagem do Papa, o queermuseu, o enaltecimento do LGBT, os protestos contra os policiais que matam bandidos até mesmo em defesa de suas vidas, o sexo desbragado e irresponsável, filhos abandonados, lares desfeitos, a bebida, as drogas, a falta de educação adequada e de saúde pública necessária para atender a demanda – esses fatos na sua totalidade têm uma razão de ser, de terem sido criados como estratégia política!

    O povo, acostumado à uma pretensa liberdade, de fazer o que quiser, pois sabe que não será acossado – o comportamento dos filhos dessas pessoas em sala de aula agredindo os professores já é um dos sintomas dessa baderna instituída -, automaticamente reagirá contra uma proposta de governo que se baseie na volta da ordem, da obediência às leis, do fim da impunidade, haja vista o PT vir com o discurso que Bolsonaro será ditador e a democracia deixará de ser exercida.

    A bem da verdade, o que Haddad planeja – perdão, o que Lula lhe orientou – é simples:
    O pobre continuará pobre, o desemprego permanecerá, os juros extorsivos continuarão, os roubos retornarão com mais força, a violência incontrolável, a saúde deteriorada, MAS, EM COMPENSAÇÃO, existe a “liberdade e a democracia”!!!

    A desordem, a baderna, os delitos sem punição, o tráfico de drogas e armas, para o idiota e imbecil é liberdade e democracia, logo, Bolsonaro é nazista, fascista, machista, homofóbico, misógino, autoritário … de modo a incutir no povão o medo por Bolsonaro, enquanto o PT trará de volta a felicidade!

    A propaganda petista e de Haddad, acusando Bolsonaro de nazista, trata-se exatamente de conclamar esse povo carente e pobre que a sua liberdade terminará; que haverá repressão; que a ditadura voltará; que o povo será morto e torturado!

    Haddad quer o apoio de uma população sem rumo, que basta se confessar para obter perdão pelos seus crimes, então alia-se à CNBB.

    Bolsonaro, que menciona a Bíblia esporadicamente, quer o contrário: um povo ordeiro, com objetivo na vida, e chances de progredir.
    Mais:
    Com o apoio dos evangélicos, a bancada religiosa poderá contar com a colaboração do presidente para suas intenções, pois o poder espiritual não basta, não mais nesse mundo material e cujo Deus é o cifrão.

    Haddad vencedor, e salve-se quem puder;
    Bolsonaro vencedor, salvaremos o país e o povo.

      • Bordignon, meu caro amigo,

        Obrigado pelo comentário.

        Na verdade, o PT adotou as práticas mais aterradoras para enganar o povo, tanto no terreno espiritual, com o apoio da CNBB e Teologia da Libertação, como a semelhança brutal da propaganda nazista e sua imposição junto à população.

        Fez mais, e mais grave ainda:
        As forças de segurança do partido nazista, Gestapo, SS (Schutzstaffel) e SA (tropa paramilitar criada pelo próprio Hitler), o PT e Lula fizeram IGUAL:
        Existe o MST, O Movimento dos Sem Teto, de Boulos, e o exército de Stédile!!!

        A maciça propaganda petista reside nos mesmos moldes da empregada pela propaganda nazista, a cargo de Goebbels, inclusive que é somente o PT que trará felicidade à população brasileira!

        Agora, mesmo depois dos crimes que essa legenda cometeu contra o país e, mesmo assim, o PT não perdeu o direito de participar da política nacional, indiscutivelmente o TSE e STF têm participação direta nessa proteção à organização criminosa!

        Forte abraço.
        Excelente fim de semana, meu caro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *