A dúvida, agora, é até quando Michel Temer se manterá na presidência

Resultado de imagem para temer no planalto

Se é inocente, por que suspender a investigação?

Pedro do Coutto 

Apesar do pronunciamento que fez na tarde deste sábado, transmitido entre outras emissoras pela Globonews, o presidente Michel Temer não conseguiu alterar a força das pressões contra sua permanência no Palácio do Planalto à frente do governo. Inclusive anunciou que está recorrendo ao Supremo Tribunal Federal contra o inquérito aberto em torno de seu relacionamento com o empresário Wesley Batista.

Michel Temer está recorrendo ao Supremo contra o despacho de um de seus ministros, Edson Fachin, que determinou a abertura do inquérito com base em ação proposta pelo Procurador Geral da República, Rodrigo Janot. Temer é possível que paralelamente esteja abrindo um processo contra Joesley Batista, da JBS, mas não se referiu a tal hipótese.

Assim o presidente da República está recorrendo à Corte Suprema contra despacho de um de seus integrantes.

UMA PERGUNTA -Como Temer acentua, se a gravação de Wesley foi editada por ele, não correspondendo a verdade integral do diálogo de 40 minutos, por que motivo a investigação deve ser suspensa? A pergunta se impõe porque não será pelo arquivamento da versão da Rede Globo que os fatos deixam de existir.

A realidade tem um caminho próprio para ser estabelecida: está exatamente na investigação contra a qual Michel Temer anunciou que está recorrendo. Não explicou o que o levou a ouvir durante 40 minutos a narrativa de um acusado de participar do esquema de corrupção, postulante de ser incluído no rol das delações premiadas. O comportamento do presidente da República teria que ser muito diverso.

Temer deveria ter cortado a conversa logo que Joesley Batista se referia a comportamentos ilegais. Como as frases buscavam a liberação de tais ações pelo menos com base no silêncio presidencial, Michel Temer deveria ter repelido as propostas nitidamente insinuadas.

NAS MANCHETES – Os jornais deste sábado, como O Globo, A Folha de São Paulo e O Estado de São Paulo, os três principais órgãos da imprensa brasileira, destacaram em suas manchetes a exposição de Joesley Batista envolvendo o próprio Temer, além de os senadores Aécio Neves e José Serra. O Globo foi o que mais amplamente focalizou o episódio, destacando todas as contradições nele existentes e seus reflexos.

Entre os reflexos, a repórter Letícia Fernandes focalizou a preocupação de Temer em estabelecer sua linha de defesa contra as investidas pelo seu impeachment, ao lado de reportagem de Júnia Gama focando no posicionamento do PSDB, cujas fontes mais credenciadas sustentam que o governo acabou.

A saída para a crise detonada torna-se cada vez mais difícil sob todos os aspectos valendo destacar, também no O Globo, matéria assinada por Renata Mariz e André de Souza, com base em Ricardo Saud, ex-executivo da JBS, relembra que doações recebidas por Temer datam desde a época em que era vice-presidente da República, antes, portanto, do impeachment de Dilma Rousseff.

GRAVE RISCO – O recurso à Corte Suprema contra o despacho de Edson Fachin representa não uma solução, porém grave risco para Michel Temer. Caso o plenário do STF mantenha a decisão de Fachin, dando curso à denúncia do Procurador Geral da República, Michel Temer terá sofrido uma derrota definitiva de grandes proporções.

Afinal de contas, por que Temer tentar impedir uma investigação?

O mais lógico seria desejar que a investigação pudesse esclarecer e conduzir à absolvição. Nada disso aconteceu.

8 thoughts on “A dúvida, agora, é até quando Michel Temer se manterá na presidência

  1. A lava jato e suas relações questionáveis…

    Ex-braço-direito de Janot atua em escritório que negociou leniência da JBS

    O ex-procurador da República Marcelo Miller, um dos principais braços-direitos de Rodrigo Janot no Grupo de Trabalho da Lava Jato até março deste ano, passou a atuar neste ano no escritório que negocia com a Procuradoria Geral da República os termos da leniência do grupo JBS.

    Miller esteve à frente de delações como a do ex-diretor da Transpetro Sergio Machado e do ex-senador Delcidio do Amaral.

    Vera Magalhães

    Tudo muito “republicano’

    https://goo.gl/Zn303T

  2. “até quando Michel Temer se manterá na presidência” ??

    Tudo depende da Marcela!
    Temer prometeu a ela o inicio do papel de primeira dama no Carnaval de 2017, quando ele esboçou o primeiro “sorriso” de seu governo para a população brasileira, e ‘BAM!’, deu tudo errado!
    Marcela não o perdoou.

    – “E Michelsinho, anda muito ofendido… “Não é a hora de rrrenunciar.
    Portanto não o farei-lo-ei-lo- êi-lo-êi-lo… e estamos conversados…. sem perguntas.

  3. Discordo veementemente do Sr. Pedro Couto. Lula/Dilma estão incólumes (durante 13/14 anos de exploração/BNDES) por esta “outra quadrilha”…Ah! é tudo caixa 2 (150.000.000,00 ou bem mais…) E os delatores? Que privilégio seria esse? Estão curtindo Nova York “com tudo que tem direito”…Essa sacanagem deu um prejuízo danado aos cofres da nação! Temer é, e sempre será, isto que está aí! Foi “eleito” junto com a Dilma! Farinhas do mesmo saco! Um erro justifica um outro? E esse tal Janot? E esse tal Fachin? Eu nunca acreditei no Temer, mas não sou nenhum idiota!!!!!!!!!

  4. https://br.yahoo.com/noticias/michel-temer-questiona-audio-e-tenta-suspender-inquerito-181007656.html … “Em pronunciamento na tarde deste sábado (20), o presidente da República, Michel Temer, disse que vai pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que o inquérito aberto contra ele seja suspenso até que seja verificada a autenticidade da gravação feita pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS, de uma conversa com o presidente.”

  5. Algumas dúvidas:
    O Batista, que não é o João o Batista, gravou o Temer em março e só depois, em abril, procurou a PGR e teve o aval e o apoio da PF para as operações seguintes?
    Esta “liberação” dos empresários não teria sido dada muito apressadamente?
    Só quero entender…

  6. Pingback: Até quando Temer se manterá na presidência? – Debates Culturais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *