A escolha desastrada de um chanceler que idolatra o “Deus” Trump

Resultado de imagem para ERNESTO ARAUJO

Bolsonaro coloca um diplomata radical no Itamaraty

Merval Pereira
O Globo

A decisão de escolher um diplomata de carreira para comandar o Itamaraty parecia ser uma sensatez do novo governo Bolsonaro, indicativo de que entendia, afinal, que as relações internacionais do Brasil têm mais importância do que revelavam seus comentários apressados sobre questões delicadas, como a transferência da embaixada brasileira em Israel para Jerusalém ou as críticas à China, que estaria “comprando o Brasil”.

Mas a escolha do ministro das Relações Exteriores do futuro governo Bolsonaro não poderia ter sido mais desastrada, a começar de como ele chegou ao posto máximo da carreira depois de nomeado embaixador há pouquíssimo tempo, sem nunca ter chefiado uma embaixada.

EXTRAVAGÂNCIAS – O concorrente mais visível, Luis Fernando de Andrade Serpa, já era considerado uma extravagância perigosa. Pela carreira sem grandes vôos, e pelo fato de que era talvez o único embaixador que Bolsonaro conhecia, por ter viajado recentemente para a Coréia do Sul.

Mas Ernesto Araujo, diretor do Departamento de Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos, é uma surpresa desagradável, que indica, pela primeira vez na montagem do ministério, uma decisão de fazer na política externa exatamente o que criticava nos governos petistas, com sinal trocado. 

O secretário-geral do Itamaraty no começo da gestão de Celso Amorim, considerado o ideólogo da política petista de relações internacionais, Sebastião Pinheiro Guimarães, considerava que o futuro da diplomacia brasileira estava na África, e taxava os Estados Unidos de desimportante como posto de carreira. TRUMPISTA – Ernesto Araujo coloca Trump acima de tudo e Deus acima de todos. É preocupante sua visão mística e religiosa do papel do Ocidente no mundo, em artigo que publicou recentemente na revista Cadernos de Política Exterior da Fundação Alexandre de Gusmão, do Itamaraty.

No seu blog, ele, discípulo de Olavo de Carvalho, assumiu um apoio aberto a Jair Bolsonaro, e foi através de André Marinho, filho de Paulo Marinho, suplente do senador Flávio Bolsonaro, que ele chegou ao núcleo duro do bolsonarismo. Sabatinado pelos filhos de Bolsonaro, não passou no teste, prevalecendo a opinião do filho de Paulo Marinho.

André, que tem o dom da imitação e diverte quem o vê mimetizando Trump e Bolsonaro, foi quem fez a tradução do telefonema que Bolsonaro recebeu de Trump depois da vitória. Ernesto Araujo se equipara ao Bolsonaro dos velhos tempos quando fala do PT, que chama de “Partido Terrorista”.

“IMPÉRIO DO CRIME” – Mistura alhos com bugalhos quando diz que um novo governo petista seria “novo regime, um império do crime, apoiado no conluio entre as oligarquias nacionais e num novo eixo socialista latino-americano, sob os auspícios da China maoísta que dominará o mundo”. O eixo socialista apoiado por uma China maoísta que vai dominar o mundo é pura teoria da conspiração, mas mostra de onde Bolsonaro tirou a idéia de que a China está comprando o Brasil.

Que o eixo socialista ganharia força com, a vitória do PT, não há duvida. Que a China será a maior potência econômica do mundo dentro em pouco, não se discute. Mas que a China ainda seja maoísta, acho que nem o presidente Xi Jinping tem muita certeza disso, embora tenha ressuscitado há dias o objetivo da auto-suficiência, desta vez para a tecnologia e inovação. Esse conceito maoísta surpreendeu os próprios chineses, e foi retirado da versão oficial de seu discurso.

DEUS TRUMP – Mas nosso futuro chanceler vê Trump como nada menos que um Deus, que vai salvar o Ocidente.   Segundo ele, a visão do Ocidente proposta por Trump não é baseada no capitalismo e na democracia liberal, mas na recuperação do passado simbólico, da história e da cultura das nações ocidentais. Em seu centro, está não uma doutrina econômica e política, mas o anseio por Deus, o Deus que age na história.

Segundo nosso futuro chanceler, o Brasil necessita refletir e definir se faz parte desse Ocidente, como resume a apresentação de seu artigo, que diz que é necessário recuperar aspectos históricos da simbologia nacionalista e da identidade ocidental. Nesse contexto, a exemplo de Trump, o futuro chanceler acha que o espírito ocidental estaria sendo mitigado por uma política globalista, e é preciso reforçar a herança histórica, cristã, cultural, bem como o papel da família e do estado de direito a partir da tradição do liberalismo dos EUA e de seu destino manifesto.

ACORDOS ESPÚRIOS – No seu blog ele defende que deixemos “de louvar ditaduras assassinas e desprezar ou mesmo atacar democracias importantes como EUA, Israel e Itália. Não mais faremos acordos comerciais espúrios ou entregaremos o patrimônio do povo brasileiro para ditadores internacionais.”.

Ele crê que “as forças antiocidentais”, externas ou internas, “minarão nossa coragem, solaparão nosso espírito e enfraquecerão nossa vontade de defender a nós mesmos e nossas sociedades”. Para ele, o problema não está no terrorismo, nem muito menos na diminuição da competitividade, mas no desaparecimento da vontade de ser quem se é, como coletividades identificadas com um destino histórico e uma cultura viva.

24 thoughts on “A escolha desastrada de um chanceler que idolatra o “Deus” Trump

  1. “…seus comentários apressados sobre questões delicadas, como a transferência da embaixada brasileira em Israel para Jerusalém ou as críticas à China, que estaria “comprando o Brasil”.”

    -Esse assunto já foi tratado com o embaixador da China depois das frases citadas.

    “…não poderia ter sido mais desastrada, a começar como ele chegou ao posto máximo da carreira depois de nomeado embaixador há pouquíssimo tempo, sem nunca ter chefiado uma embaixada.”

    -E o Tóffoli, doutor? Qual é a brilhante carreira que ele teve na magistratura antes de virar ministro do Supremo? Quantos artigos você escreveu condenando a ascensão do advogado petista?

    “Mas Ernesto Araujo, diretor do Departamento de Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos, é uma surpresa desagradável, que indica, pela primeira vez na montagem do ministério, uma decisão de fazer na política externa exatamente o que criticava nos governos petistas, com sinal trocado.”

    -Que ótimo! O PT sempre usou o sinal de SUBTRAÇÃO e deixou o país na m…, então isso quer dizer que o Bolsonaro usará o de sinal de ADIÇÃO e se juntará a quem manda no mundo para somar alguma coisa ao Brasil.

    “Ernesto Araujo coloca Trump acima de tudo e Deus acima de todos. É preocupante sua visão mística e religiosa do papel do Ocidente no mundo.”

    -E o que o senhor diz dos FANÁTICOS DO PT, cegos pela ideologia, que têm o Lula como um deus e um messias INSUBSTITUÍVEL?

    “Mistura alhos com bugalhos quando diz que um novo governo petista seria “novo regime, um império do crime,…”

    -Enumere alguma coisa que o PT fez sem que tenha havida malversação de recursos públicos, por favor! Ladrão só sabe roubar; portanto seria impossível no próximo governo o PT não roubar, já que os ladrões ainda estão fora da cadeia. E no PT!

    “Que o eixo socialista ganharia força com, a vitória do PT, não há duvida. Que a China será a maior potência econômica do mundo dentro em pouco, não se discute.”

    -Eu quero saber é do Brasil, meu caro. Não moro na China. Portanto, o Brasil, com um novo governo do PT, estaria no rumo de se tornar uma potência mundial? Ou estaria mais para a divisão territorial?

    “Esse conceito maoísta surpreendeu os próprios chineses, e foi retirado da versão oficial de seu discurso.”

    -Onde está o discurso em que o Bolsonaro disse que a China era maoista? E se for e se não for, fará diferença, ou melhor, fará mais diferença assim para a vida dos brasileiros do que o mal que a quadrilha petista faria se tivesse permanecido no Planalto?

    “Mas nosso futuro chanceler vê Trump como nada menos que um Deus, que vai salvar o Ocidente.”

    -São palavras ditas pela sua mente doentia, atrofiada pela ideologia da quadrilha petista! DEUS É O LULA!

    “Nesse contexto, a exemplo de Trump, o futuro chanceler acha que o espírito ocidental estaria sendo mitigado por uma política globalista, e é preciso reforçar a herança histórica, cristã, cultural, bem como o papel da família e do estado de direito a partir da tradição do liberalismo dos EUA e de seu destino manifesto.”

    -Ele estria errado? A nossa cultura é oriental? Os nossos deuses são chineses?

    “Não mais faremos acordos comerciais espúrios ou entregaremos o patrimônio do povo brasileiro para ditadores internacionais.” ”

    -Conversa fiada! Previsão de adivinho e de cartomante!
    E o resto é a comprovação de que “os olhos e o cérebro são inúteis para quem esteja cego por alguma ideologia”.

    Abraços.

    (PS: Revoltado assim, ele só pode está mamando em alguma gorda teta. É só pesquisar na internet!)

  2. Desta vez , a nosso juízo, o Jornalista e Membro da Academia Brasileira de Letras Sr. MERVAL PEREIRA, no Artigo acima exagera de muito ao taxar de desastrada a escolha do Embaixador Sr. ERNESTO ARAÚJO para nosso Ministro das Relações Exteriores.

    O Embaixador ERNESTO ARAÛJO admira a Política anti-Globalista e de re-Industrializacao do Presidente TRUMP, Política que foi contra tudo e contra todos, contra quase toda a grande Imprensa dos EUA, plenamente APROVADA em Eleições na mais antiga e maior Democracia Representativa do Mundo, os EUA.

    A Globalização representa um “nivelamento por baixo nos Salários” especialmente sentido nos Países Industrializados e que se des-Industrializam tornando-se Rust-Belts.

    Ora, que o Presidente BOLSONARO, muito auxiliado pelo Chanceler ERNESTO ARAÚJO façam de tudo para , seguindo o exemplo do Presidente TRUMP, RE-INDUSTRIALIZAR o Brasil.

  3. “decisão de fazer na politica externa exatamente o que criticavam no governo petista, com sinal trocado”

    Para ele, é a mesma coisa apoiar regimes ditatoriais e sanguinários , sul americanos e africanos, e agora apoiar os EE UU e Europa. Só este sinal trocado já valeu o voto….;

  4. Estamos sem dinheiro, devendo e quebrados.
    Tem que fazer uma pintura nova Sr. comuna, ops! Sr. Merval Pereira.

    Agora é lavar o pincel e usar uma nova aquarela, não adianta seguir borrando na tela.

    Portanto, o caminho é focar no quadro que se está pintando, nos reencontar com Deus principalmente porque o esquecemos pelo caminho, tomar fôlego e buscar inspiração Nele para que nos apresente, através do Jair Bolsonaro, uma outra crítica á esse quadro, com peso visual equilibrado, nuances e uma nova composição pictórica.

  5. O chanceler escolhido comunga com as ideias do presidente Jair Bolsonaro que foi eleito por larga maioria dos votos.

    Seria preocupante se assim não o fosse.

    Acabou a diplomacia de neutralidade dos covardes.

    Avante Brasi verde e amarelo.

  6. “Bolsonaro não vai recuar sobre transferência de embaixada para Jerusalém”

    “Jair Bolsonaro e seu futuro chanceler, Ernesto Araújo, conversaram longamente sobre a mudança da embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém.

    Não haverá recuo.

    Ambos contam com o apoio dos EUA para lidar com eventuais retaliações diplomáticas ou comerciais.”

    O Antagonista

    ==========> Excelente!

  7. Acho muito gozado como os jornalistas de Política parecem jornalistas esportivos comentando quem o técnico da seleção deveria escalar antes da primeira partida da Seleção.

    Esquecem que Bolsonaro foi eleito para ser Presidente do Brasil por quase 58 milhões de eleitores, com uma vantagem de 10,76 milhões de votos sobre o segundo colocado.

    Como vencedor da eleição ele tem todo direito de escalar o time como sua conveniência, desde que observe a constituição.

  8. A pena canhota pinta com todas as cores as criticas ao que não se sabe e nem se fez, mas vê-se sua profunda consternação ao ter de obedecer aos fatos e falar mal dos vermelhinhos.

  9. Olhe aqui, caro Merval, o que o TEU DEUS fez como o Brasil. Olhe aqui como o teu BAAL deixou os brasileiros:

    “Rombo nas contas públicas sobe 15% em setembro na comparação com o mesmo mês de 2017.Déficit primário no mês passado foi de R$ 26,6 bilhões. No acumulado do ano, porém, rombo é 27,7% menor que o de 2017, informou o Banco Central.

    A dívida líquida do setor público (governo, estados, municípios e empresas estatais) subiu de R$ 3,459 trilhões em agosto, ou 51,2% do PIB, para R$ 3,543 trilhões em setembro deste ano – o equivalente a 52,2% do PIB. A dívida líquida considera os ativos do país como, por exemplo, as reservas internacionais – atualmente ao redor de US$ 380 bilhões.

    No caso da dívida bruta do setor público, uma das principais formas de comparação internacional e que não considera os ativos dos países, como as reservas cambiais, o endividamento brasileiro passou de 77,3% do PIB (R$ 5,223 trilhões), em agosto, para R$ 5,246 trilhões em setembro, ou 77,2% do Produto Interno Bruto.
    (G-1, 29/10/2018)

    • -É verdade! Já pensou se o Merval estivesse aplaudindo a decisão?
      -Seria motivo de sobra para se desconfiar que o Bolsonaro teria virado a casaca depois das eleições, da mesma forma que fizeram o Lula e o Fernando, e assinado alguma “Carta ao Povo Brasileiro”, em segredo, com a Folha de São Paulo e com as Organizações Globo!

  10. Está em ritmo acelerado o fim da hegemonia do pensamento de esquerda no Brasil. Esses comerntaristas da Globo ainda não perceberam que após a posse do Bolsonaro eles serão varridos para a lata de lixo da história. Claro que poderão fazer parte da resistência e do mi mi mi, mas terão que fazê-lo com recursos próprios porque a teta estatal vai secar. Eles berram com dinheiro público enquanto podem. Depois que a fonte secar ou virarão a casaca ou serão esquecidos no limbo da história!

  11. Tem que entrar quente e fervendo a partir de 2019, revertendo tudo de podre que apareceu depois do golpe do palanque das Diretas Já, inclusive com a Comissão da “Verdadeira” Verdade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *