A exemplo de outros partidos, o PP também resiste a aceitar filiação dos Bolsonaro

Ciro Nogueira assegura fidelidade ao presidente em 2022, mas PP resiste a oferecer a legenda para Bolsonaro na disputa Foto: Isac Nóbrega/PR

Nogueira e Bolsonaro: amigos, mas negócios à parte

Thiago Prado
O Globo

Ao contrário do que planejara, o presidente Jair Bolsonaro chega ao último dia do mês de maio sem definir em qual partido ingressará para as eleições do ano que vem. Embora tenha dito no último dia 20, em visita ao Piauí, que estava de “namoro” com o PP, repete-se no partido a mesma resistência que a família presidencial vem encontrando em outras siglas com as quais conversou nos últimos meses.

Diante da entrada de Lula na disputa ao Planalto em 2022, o presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), passaram a defender, em conversas com Bolsonaro, que ele deveria abandonar o discurso de se filiar a um partido pequeno, como o Patriota ou o Partido da Mulher Brasileira (agora Brasil 35).

TALVEZ O PSL – No entanto, ainda que já tenham dito publicamente que o presidente seria bem-vindo no PP, os dois parlamentares trabalham para colocá-lo no PSL de Luciano Bivar, que tem a maior bancada na Câmara.

A interlocutores, Nogueira e Lira explicaram as razões para preferir Bolsonaro em outro partido. No PP, a prioridade do uso do dinheiro dos fundos eleitoral e partidário estará nas eleições para Câmara e Senado, e não em disputas majoritárias. Foi esse o motivo que fez o governador do Rio, Cláudio Castro (PL-RJ), não ir para o PP — Nogueira deixou claro em uma conversa no início do mês que não pretendia investir em corridas estaduais.

UNIDADE DA BANCADA – Mas ter Bolsonaro filiado não implicaria necessariamente em ter mais deputados e senadores eleitos em 2022? Lira e Ciro Nogueira acreditam que sim, mas a questão é o perfil dos parlamentares que podem ser eleitos.

Para os dois, o PP tem como marca a unidade da bancada, com um alinhamento em mais de 90% das votações. Esse é um ativo que a legenda sempre carregou, enquanto apoiava os governos de Fernando Henrique, Lula, Dilma Rousseff e Michel Temer. Porém, avaliam os líderes do PP, os bolsonaristas costumam desobedecer orientações de cúpulas partidárias, o que fere essa premissa.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Tudo conversa fiada. O grande problema é que os filhos roedores de Bolsonaro querem dominar a legenda que aceitar a família, para controlar os milionários Fundos Partidário e Eleitoral, mas os caciques do Centrão não nasceram ontem, como se dizia outrora. (C.N.)

6 thoughts on “A exemplo de outros partidos, o PP também resiste a aceitar filiação dos Bolsonaro

  1. E a gente olha pra cima, bem pra cima, e vemos o grande país do norte a oferecer prêmios milionários como estimulo aos anti-vacina recalcitrantes; vemos também um presidente experimentado, capaz, empático, patriota, decente.
    Olhamos para cá, e de volta nasce a revolta de ter um jumento atrás de moínhos de vento e a encher nosso saco.

  2. Cerco se fecha contra Salles e situação está cada vez mais insustentável
    Situação do ministro do Meio Ambiente está cada vez mais insustentável, com a série de acusações da Polícia Federal de que ele integra esquema criminoso de exportação de madeira. Titular da pasta tem recebido apoio tímido de Bolsonaro

    https://www.correiobraziliense.com.br/politica/2021/05/amp/4927935-cerco-se-fecha-contra-salles-e-situacao-esta–cada-vez-mais-insustentavel.html

  3. Sabem porque ninguém com o juízo certo
    quer boçalnato em suas hostes? Porque ele é um moleque atrevido e irresponsável que só sabe ofender o próximo e não entende nada de economia nem de política. Necessitamos de um estadista.

  4. Na undécima hora o mito vai encontrar um dono de igreja disposto a abrir-lhe as portas do seu partido, mas só nos últimos segundos. Caso reeleito este dono de igreja e de partido sabe que arrumou para a cabeça, aí mais dia menos dia tanto o mito quantos os filhotes vão aprontar, querendo dar ordem em casa alheia. Mas como diz bem o ditado, não há mal que sempre dure.

  5. Com certeza Bob Jefferson o receberá com pompa e circunstancia.
    Passará as chaves e tudo o que resta do PTB à Famiglia Bolsonaro. Será o canto da sereia para uma sigla que já foi um grande partido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *