A floresta e as árvores

Carlos Chagas

As campanhas presidenciais só vão esquentar  depois de encerrada a copa do mundo de futebol.  Registre-se que até agora os candidatos tem desenvolvido, no máximo, considerações sobre esta ou aquela qualidade de árvore. Nem Serra, nem Dilma, nem Marina, muito menos os demais, empenham-se em analisar a floresta. Traduzindo: nenhum deles apresentou o que pretendem para a nação, o estado ou o governo. Falam dos juros, das hidrelétricas, do bolsa-família,  da agro-indústria e do meio ambiente,  mas nada de concepções fundamentais para o Brasil como um todo.

Dá saudade dos tempos em que Juscelino Kubitschek disputou e ganhou  a presidência da República.  Sua campanha revelava mais do que um programa administrativo. Privilegiava a concepção  de futuro, com linhas-base a seguir no rumo do desenvolvimento integrado através de energia, transporte e alimentação. A industrialização estava no cerne de sua mensagem, à qual acrescentou a marcha para o Oeste por meio da construção de Brasília. Até em termos de política externa,  deixava entrever o que seria a Operação Pan-americana.

Em suma, estão os candidatos devendo sua visão da floresta. Deixarão frustrados os eleitores se ficarem apenas anunciando coqueiros e bananeiras…

Massa de manobra

Greve se faz contra patrão, seja ele privado ou público, isto é, empresário ou estado. Trata-se do último recurso do trabalhador, muitas vezes válido, outras nem tanto, pois exageradas.  Existem razões reivindicatórias e razões políticas para as greves, igualmente  aceitáveis em muitos casos e apesar dos prejuízos e  transtornos que  causam.

Só que tem uma premissa fundamental: greve não se faz contra o povo. Tome-se os serviços essenciais como transporte, fornecimento de energia, saúde, segurança e congêneres.

Brasília está a um passo de assistir a monótona e abominável repetição de mais uma greve de ônibus. Marcada para segunda-feira, a paralisação atingirá as camadas menos favorecidas. Quem tem carro dará de ombros, mesmo sem dar carona.

Motoristas e trocadores têm direito de reivindicar melhores salários e condições de trabalho. Cruzando os braços, porém, eles estarão prejudicando os assalariados de menor renda. Costumam ser  utilizados como inocentes úteis, massa de manobra de empresas interessadas em obter aumento no preço das passagens.  Seria bom que prestassem atenção.

Exemplo a seguir

Viveu a Comissão de Relações Exteriores do Senado, esta semana, um de seus altos momentos quando sabatinou e aprovou por unanimidade o embaixador Rubem Barbosa – o bom – para nosso representante na Austrália. Tratou-se de  uma lição a respeito de como uma nação encontrou sólidos caminhos para o  desenvolvimento, mesmo enfrentando uma natureza hostil e uma localização afastada dos chamados centros decisórios do mundo.

Com uma população de pouco mais de vinte milhões de habitantes, a Austrália já conquistou dez  Prêmios Nobel em setores variados. Abriga nada menos do que vinte mil estudantes do mundo inteiro,  preparados  em universidades-modelo, inclusive grande número de brasileiros. Em  pesquisa científica, nada fica a dever à Europa. Mesmo em termos  militares, possui forças armadas de comprovada eficiência, tendo participado das duas guerras mundiais e da guerra da Coréia,  fornecendo também  contingentes para quantas forças de paz se tenham constituído de lá para cá. Sua Marinha dispõe de seis submarinos de última geração. Sua  Força Aérea é tão  numerosa quanto todas da América do Sul, somadas. Tudo, vale repetir, com pouco mais de vinte milhões de habitantes e um território equivalente ao brasileiro.

Os males do alinhamento

Sem exceção os jornalões e seus correspondentes  eletrônicos caíram de tacape e borduna no lombo do governo, por conta do voto de discordância com novas sanções contra o Irã, no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Não perdoaram a posição de independência do Brasil diante da imposição dos Estados Unidos e penduricalhos, estranhamente com o apoio da Rússia e da China. Permanece,  a maior parte de nossa mídia, atrelada aos tempos do alinhamento automático e obrigatório.

Se há um aspecto a elogiar na política externa do presidente Lula é sua opção  pelo diálogo e o entendimento, mesmo sem concordar com  as intenções  de alguns  aiatolás aloprados para construir a bomba atômica.

As sanções aprovadas só farão aumentar as agruras da população iraniana. Em nada ajudará a causa da paz  proibir investimentos internacionais naquele país, autorizar a interceptação de embarcações destinadas ou saídas de seus portos,  reter cargas para lá enviadas, congelar bens de suas empresas e até de pessoas,  bloquear transações financeiras, negar licença para a instalação de seus bancos – será que tudo isso e muito mais não irá até aumentar a abominável tentativa nuclear?

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *