A grande e pobre pátria do poeta Ledo Ivo praticamente não mudou nada

Resultado de imagem para ledo ivo frasesPaulo Peres
Poemas & Canções

Para o jornalista, cronista, romancista, contista, ensaísta e poeta alagoano Lêdo Ivo (1924-2012), membro da Academia Brasileira de Letras, o conceito de “Minha Pátria” está diretamente vinculada à situação dos patrícios mais carentes e desprotegidos.

MINHA PÁTRIA
Lêdo Ivo

Minha pátria não é a língua portuguesa.
Nenhuma língua é a pátria.
Minha pátria é a terra mole e peganhenta onde nasci
e o vento que sopra em Maceió.
São os caranguejos que correm na lama dos mangues
e o oceano cujas ondas continuam molhando os meus pés quando
[sonho.
Minha pátria são os morcegos suspensos no forro das igrejas
[carcomidas,
os loucos que dançam ao entardecer no hospício junto ao mar,
e o céu encurvado pelas constelações.
Minha pátria são os apitos dos navios
e o farol no alto da colina.
Minha pátria é a mão do mendigo na manhã radiosa.
São os estaleiros apodrecidos
e os cemitérios marinhos onde os meus ancestrais tuberculosos
[e impaludados não param de
[tossir e tremer nas noites frias
e o cheiro de açúcar nos armazéns portuários
e as tainhas que se debatem nas redes dos pescadores
e as résteas de cebola enrodilhadas na treva
e a chuva que cai sobre os currais de peixe.
A língua de que me utilizo não é e nunca foi a minha pátria.
Nenhuma língua enganosa é a pátria.
Ela serve apenas para que eu celebre a minha grande e pobre pátria
[muda,
minha pátria disentérica e desdentada, sem gramática e sem dicionário,
minha pátria sem língua e sem palavras.

4 thoughts on “A grande e pobre pátria do poeta Ledo Ivo praticamente não mudou nada

  1. Genial !
    Grande Poeta!

    A MUDANÇA
    Lêdo Ivo.
    Mudo todas as horas. E o tempo, sem demora, muda mais do que fia.
    Mudo mas permaneço bem longe das mudanças. Como uma flor, floresço. Sou pétala e esperança.
    Mudo e sou sempre o mesmo, igual a um tiro a esmo. Como um rio que corre.
    Sem sair de onde estou, de tanto mudar sou o que vive e o que morre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *