A História não tem pressa

Carlos Chagas

Vivemos de modismos. De idéias pré-concebidas. Por que, por exemplo, determinar 100 dias como primeiro  prazo para o julgamento de um governo ou de uma governante? Por que não 102 ou 110, ou 200, 500 ou 800? Dirão muitos que  a vida  é assim.  Os casamentos são contados por bodas de prata, de ouro e até de diamante. As guerras,   por décadas ou séculos. As  religiões,  por milênios.
                                                       
Se não  insurgir-se, Dilma Rousseff deveria dar de ombros para a cascata de análises, interpretações e diagnósticos apresentados pela mídia  no fim de semana,  a respeito de seu desempenho na presidência da República. Afinal, a data que  interessa mesmo é a de cada dia, com ênfase para o último  de seu mandato.
                                                       
Para Getúlio Vargas, foi 24 de agosto de 1954, mesmo tendo ele permanecido por quinze anos variadíssimos, numa primeira etapa, e três anos e meio de incompreensões, no segundo.
                                                       
Juscelino Kubitschek preferiu ressaltar os 50 anos em 5, no começo, para no final fixar-se na data futura que não chegou, de  3 de outubro de 1965, quando voltaria ao poder.  Jânio Quadros jamais imaginou que 25 de agosto de 1961 seria o fim, muito menos João Goulart,  de que tudo terminaria no 1º de abril de 1964. Dos generais-presidentes, note-se apenas a sequência de seus mandatos com dia certo para transmitirem o poder, exceção de Costa e Silva que adoeceu antes. Para  Tancredo Neves o destino não deixou um dia sequer, para José Sarney um ano lhe foi surripiado. Fernando Collor imaginou vinte anos, defenestrado em dois e meio, ao contrário de Fernando Henrique, que era para ser julgado depois de  quatro anos e burlou seus julgadores,  estendendo o prazo para  oito.  O mesmo tempo concedido ao Lula, de olho em  mais oito, ainda que  sem prazo certo para iniciar o retorno. 

Essas considerações se fazem por conta da evidência de que a análise da ação  dos presidentes da República não deve ser medida em dias, meses ou sequer anos. A História não tem pressa e não comporta açodamentos, ainda que se apresente pródiga em surpresas.  Dilma pode ter ido bem nos primeiros 100 dias, mas quem  garante que seguirá  assim nos seguintes?  Melhor aguardar. 
 
A MELHOR IMAGEM
 
Diz a sabedoria popular que o melhor juiz, numa partida de futebol, é aquele que não aparece, do qual  a torcida não toma conhecimento.
                                              
Deveria ser assim no Poder Judiciário, isto é, sendo naturais e acordes com o Bom Direito, suas  sentenças não precisariam  despertar polêmicas e muito menos protestos. Conforme essa evidência, em termos de opinião publica e publicada, o ano não  começou bem  no Supremo  Tribunal Federal.  A decisão a respeito da lei ficha limpa desagradou o sentimento nacional, mesmo sem a emissão de juízos de valor sobre sua constitucionalidade.
                                              
O problema é que  nova frustração poderá ser  oferecida pela mais alta corte nacional de justiça, no correr de 2011. Num caso, se for mais uma vez protelado o julgamento dos 40 mensaleiros, que agora dizem ser 38. São réus, já foram denunciados pelo Procurador Geral da República por formação de quadrilha e outros crimes, mas multiplicam recursos e expedientes de toda ordem. Pior ficaria a situação, porém, na hipótese de, julgados, serem absolvidos. Importa menos a argumentação de seus advogados. Vale mais a  natureza das coisas. 
 
OITO MAIS UM
 
Os oito governadores do PSDB preferem ficar com Aécio Neves, apesar das críticas por ele  formuladas  a  Dilma Rousseff e ao PT,  do que engajar-se na corrente da intransigência sustentada por José Serra, Fernando Henrique e Sérgio  Guerra.   Gostariam que o senador mineiro tivesse sido um pouco  mais tolerante com a presidente da  República, mas dispõem de mecanismos para absorver o discurso de Aécio como uma necessidade oposicionista. Do que fogem feito o diabo da cruz é do radicalismo da ala  paulista dos tucanos. Afinal, para cumprirem suas promessas de  campanha, os governadores precisam do palácio do Planalto.  Até Geraldo Alckmin.   

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *