A hora da rejeição

Carlos Chagas

“Unidos façamos,
Nessa luta final,
Uma terra sem amos
A Internacional!”

Valeria à pena o retorno dos acordes da sinfonia que tempos atrás empolgou o mundo, acendendo nos trabalhadores a chama da revolta e da determinação de extinguir para sempre a opressão das elites sobre as massas, dos ricos sobre os pobres, dos arrogantes sobre os humildes. Desafortunadamente, não se canta mais a “Internacional”, tendo sua inspiração se diluído no torvelinho das ambições, injustiças e desacertos promovidos pelo pior dos períodos jamais vividos pela Humanidade, o atual. Porque mais solerte do que os tempos da barbárie, da Inquisição e do colonialismo, das guerras de conquista e da prevalência dos privilegiados sobre os valores da pessoa humana, prevalece hoje a acomodação dos povos diante dessa praga que marcou a passagem do Século XX para uma época condenada a transformar-se na fogueira que consumirá o planeta.

Em poucos anos, por falta de reação, estaremos condenados tanto à fome, à miséria e à doença, mas em especial a essa muito mais nefasta verdade absoluta de que devemos continuar cedendo, por força da dominação mais intensa das minorias absolutistas sobre as massas inertes, insossas e inodoras em que nos transformamos. Não obstante as ilusões impostas pelo avanço tecnológico que nos confunde, a verdade é que perdemos todos os dias um pouco mais da noção de importância, de independência e de liberdade devidas a quantos nasceram irmanados pela condição inerente a todos, da igualdade.

É este o nó que precisamos desatar acima de embustes e velhacarias. O trabalhador, ou seja, o ser humano, precisa livrar-se de seus falsos dominadores, estejam nas engrenagens do Estado que criaram, nas estruturas da economia por eles desenvolvida ou mesmo nas fantasias de que necessitamos sofrer e servir nesta vida para auferirmos as benesses de uma outra, duvidosa e ilusória.

Traduzindo toda essa confusa introdução, torna-se necessário um grito de revolta contra a empulhação a que somos submetidos. Acima e além de Dilmas, Aécios e Marinas, a hora é da sublevação contra a ordem estabelecida pelos dominadores. Nada de destruir para construir depois, fórmula que tem dado errado através dos séculos. Simplesmente, rejeitar. Não compactuar. Deixá-los sentir a própria fraqueza. Sem o trabalhador para obedecer, desmontaria-se o castelo de cartas erigido sobre seus ombros. “Unidos façamos, nessa luta final, uma terra sem amos. A Internacional.”

14 thoughts on “A hora da rejeição

  1. Lembre-se , nobre jornalista, Romário substituiu o Dornelles, teve mais de 4 milhões de votos. O Brasil está mudando, o senhor ainda não percebeu. Aécio, FHC estão com os dias contados porque representam a riqueza sem trabalho. Mira nas ruas e veja o tanto que o povo brasileiro empreende, se arrisca, enquanto os ricos herdeiros não empreendem, vivem de juros, pendurados no governo, para não gastar , para acumular. O nepotismo eleitoral é aquele que os filhos, os descendentes dos políticos poderosos representam a renovação política de um país. O filho do cabral foi eleito com mais de 100 mil votos, porque o cabralzinho tem competência ou porque o pai articulou para ele ? Quem vai mudar, reformar , tornar o Brasil mais democrático ? Quem representa mudança Romário ou Aécinho, cabralzinho, bolsonaro filho, pisciani filho, garotinha, renanzinho , Sarneyzinho, barbalhinho ….. ?

    • Sr. Renato
      concordo com o Sr em parte mas coloco uma observação. Porque o Sr não mencionou o Eike Batista que recebeu de lula e Dilma bilhões de reais via BNDES diga-se dinheiro do povo que para este povo nunca voltara?
      Pimenta no olho dos outros é refresco não é? Quem apoia sarneis, renans, barbalhos e garotinhos não é Aécio concorda?

      • Fora a fortuna que deram a Friboi, tanto via BNDES como via Fundos de Pensão. Essa josta que era um açougue de luxo, antes do Lula, já levou amis de R$ 30 bilhões, para um valor de mercado de R$ 8.

        • Virgilio, os MAV estão preocupados pois a boquinha ta com os dias contados.

          O Barba deveria ter feito campanha no Maranhão só pra repetir que o Sarnei é um homem incomum.
          Aja paciencia, tem que ter muita cara de pau pra defender essa gente.

    • kkkkkkkkriqueza sem trabalho, você quis se referir ao Lula, que chegou em São Paulo num Pau de Arara e se tornou um dos homens mais ricos do Brasil. Ninguém procura ver isto – como enriqueceu, sem trabalhar nunca?

      • Sra. Carmen,
        a senhora esqueceu que O BARBA saiu do ‘palácio’ da Alvorada com uma ‘mudança’ de apenas
        11 (O N Z E) caminhões, levando inclusive um Crucifixo (p’ra que ateu quer crucifixo?). Isso para quem deve ter entrado talvez só com uma mala…

  2. Prezado Carlos Chagas:

    Que belo artigo, grande jornalista! Não há a menor dúvida de que o senhor navegou em águas profundas. Deixo aqui o meu respeito e minha admiração. Qualquer cidadão digno, civil ou militar, sabe que não dá mais. Os mais ingênuos, ou os mais interesseiros, acham que este círculo vicioso_ pt, psdb, psdb, pt_ vai nos trazer algo de novo, de restaurador, de revolucionário. É isso que nos enche, a todos nós, de desesperança. São condutores cegos guiando manadas de cegos. Humildemente, tenho digitado algumas palavras no mesmo diapasão do seu texto. Claro: incompreensões, ofensas, desdém. No geral, não entendem nada de coisa alguma, exceto do odor dos seus interesses mais comezinhos, ou do apetite de suas ambições mais inconfessáveis. Sublinho: não apenas o trabalhador não enxerga seu valor, o eleitor tem a mesma substância inofensiva. E, aqui, prezado jornalista, cabe um puxão de orelhas na classe jornalística: escreve-se artigos os mais insossos, compelindo os incautos a “PAR-TI-CI-PA-REM!” Do quê?, sempre questiono eu. Mas não adianta, tudo seguirá como sempre, nenhuma dúvida. Sei que muitos criticam_ e com razão_ os inaceitáveis e estúpidos alinhamentos com Cuba, Venezuela e afins; só me entristece sabê-los, os mesmos que vociferam, arriarem as calças, sorridentes, para os EUA e seus grupinhos de Wall Street. Que lástima! Nunca o Brasil vem em primeiro lugar, nunca. Os seguidos desmandos, seja de direita ou de esquerda, com gente presa a ideologias as mais nefastas, levarão, inevitavelmente, a ditaduras ferozes, num retorno que confirmará o círculo de giz a que estamos submetidos. Sem dúvida, JÁ PASSOU da hora da rejeição.

    Saudações,

    Carlos Cazé.

  3. Puxa, seu Carlos, até que de vez em quando, muito de vez em quando, cá e acolá, vosmecê diz coisa com coisa. Mas, convenhamos, desta feita extrapolou todos os sentidos. Caraca, meu!

  4. Engraçado, todo o mundo fala em mudar, mas o legislativo que é por onde a mudança deveria começar, continua o mesmo e foi a escolha dos eleitores. Então, o que podemos esperar da mudança. Todo o mundo fala mal da reeleição mas com excessão de alguns estados, os governadores continuam os mesmos e finalmente a Dilma teve a maioria dos votos apesar de um governo desastroso e forrado de falcatruas. Então, os pobres vão continuar pobres pois deles é esta opção. Se não fazemos nada de diferente, como esperamos por mudanças. Falar mal das elites agora virou moda, e até o Carlos Chagas resolveu desenterrar a bem enterrada Internacional Socialista. Uma coisa é certa, sem trabalho não existe a libertação. E o trabalho vem do estudo e do conhecimento. É muito mais fácil manter o atrelamento da bolsa-família do que propiciar ensino de qualidade até mesmo porque o primeiro permite a reeleição e o segundo certamente faz a troca dos maus mandantes.

  5. Temos de nos livrar dessa quadrilha que está no poder! Até o PCC rompeu a coligação por motivos éticos, pois os bandidos não oficiais tem a sua ética. Hoje será um dia interessante, o Paulo Costa, a quem o Lula chamava de ‘um ótimo despachante de interesses’ vai prestar depoimento na Justiça Federal de Minas. Já a secretária do Youssef vai prestar depoimento no Congresso. Vai acabar de vez o cinismo da Dilma dizer que não sabia de nada, pois em 2009 a CVM condenou o Paulo Costa e no ajuste de conduta ele foi obrigado a realizar um workshop para o Conselho Administrativo, presidido pela Dilma Youssef!

  6. Respeito o Autor, veterano Jornalista CARLOS CHAGAS, porque batalha contra a INJUSTIÇA, e nós vivemos num mundo INJUSTO. A meu ver, hoje menos INJUSTO do que o Mundo selvagem da Antiguidade, bárbaro da Idade Média, e bastante duro do início da Era Industrial, mas enfim um mundo hoje ainda bastante INJUSTO.
    Urge o Autor que reajamos contra a Injustiça. A última Teoria, que explicou mais ou menos a Injustiça da época da Economia predominante Industrial, o Marxismo, resultou numa melhora onde predominou a corrente Social-Democrata, ( Alemanha, Inglaterra, França, EUA mais tarde, e um pouco por todo o mundo, etc), e numa grande piora onde predominou o Leninismo, como na URSS, uma Ditadura Científica Brutal. Enfim, o Marxismo, embora equivocado ao apontar a Solução, REGULOU MELHOR o CAPITALISMO, criando a Economia de Bem-Estar Social.
    Hoje porém, vivemos sob a predominância do CAPITALISMO FINANCEIRO e os problemas são outros. Não apareceu ainda um grande Teórico para explicar a Injustiça da época,”CAPITALISMO predominante FINANCEIRO”, e apontar a Solução. Mas aparecerá. E como dizia o grande economista Lord KEYNES, o grande desafio do futuro, será aumentar a Produção de forma sustentada, com Justiça Social, e LIBERDADE INDIVIDUAL.
    O que devemos fazer então, é REGULAR o melhor possível o nosso CAPITALISMO DE MERCADOS, e o nosso no Brasil é PÉSSIMAMENTE REGULADO, e cuidar muito bem de NOSSAS CRIANÇAS, principalmente as mais Pobres, porque as CRIANÇAS BRASILEIRAS são o nosso maior CAPITAL, valendo mais de MIL VEZES todo o petróleo/gás do Pré-Sal.

  7. Carlos Chagas voltando a ser o antigo e original Carlos Chagas, após férias injustificadas. Este artigo é quase uma mea culpa por em um passado recente atacar o que de mais progressista existe no país. Existem gradações na política brasileira e
    é muito melhor enxergar e viver no lusco-fusco do PT do que na escuridão completa do PSDB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *