A hora é de as elites assumirem suas responsabilidades com o país

12

Murillo de Aragão

Uma avaliação sobre as elites no Brasil deve partir do pressuposto básico de que existem várias elites, ao contrário do que o pensamento da esquerda tacanha – que se distingue da esquerda esclarecida – tenta fazer crer. A direita, por se considerar parte da elite, não faz grandes reflexões sobre o tema. Pensa que existem dois lados: o de cá e o de lá. É igualmente idiota.

Voltando ao ponto, existem várias elites, que, por delegação, oportunismo ou usurpação, assumem esse papel. Por exemplo, os banqueiros são uma elite, e isso qualquer asno sabe. Os líderes sindicais, que podem ser líderes sem trabalhar, mas mantendo o salário, também são uma elite.

O que faz alguém ser da elite – ou melhor, de uma das elites – é a capacidade de influenciar o destino de seu grupo e, de certa forma, o da nação. Os líderes sindicais do Brasil influenciam as políticas industriais, que mantêm parcos benefícios para a venda de veículos no país.

Como diria Bruce Hornsby, “that’s the way it is”. Elites são elites, e são elas que conduzem o país. Idealmente, dentro dos marcos democráticos que, lentamente, estamos construindo. Quando as elites perdem o controle, novas elites aparecem. Quando funcionam mal, os problemas ficam mais evidentes.

INTERESSES ELITISTAS

O fenômeno “lulista” foi marcado por uma ampla coalizão de interesses elitistas, o que não significa que isso seja, necessariamente, um mal. Lula, por conta de sua imensa habilidade, conseguiu colocar a seu lado todas as elites relevantes para poder comandar o país. Todas. Inclusive a mídia, que, no limite, o poupou no auge do mensalão.

A coalizão das elites elegeu a presidente Dilma Rousseff, que, no início de sua gestão, teve o maior índice de confiança que um chefe de Estado obteve no Trust Barometer da Edelman: mais de 80%. Em sua 14ª edição, o Trust Barometer mediu a confiança de 33 mil brasileiros nas instituições. De lá para cá, por conta de um saco de erros e confusões, a confiança despencou para menos de 35%. Com as elites rachadas, a situação do governo é difícil. Só não é pior porque a oposição é lenta para reagir e pouco criativa ao tentar gerar problemas para o governo.

Na falta de uma oposição mais imaginativa, o governo se encarrega de atirar no próprio pé. Assim, nenhum dos problemas graves da gestão Dilma Rousseff foi causado pela oposição. Nenhum. Chegamos a 2014 com as elites divididas. Assim como os adversários do governo, que irão para a disputa eleitoral com duas candidaturas: Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB). O empresariado, com imensa má vontade em relação ao governo, e o mercado financeiro também.

SINDICALISTAS

As confederações sindicais estão divididas. Os movimentos sociais estão funcionando com agendas próprias. O funcionalismo público está voltado para o próprio umbigo e as próprias reivindicações. A desordem que campeia por conta de manifestações de grupelhos deve ter respostas objetivas e uniformes das elites brasileiras. O povo, ao responder que não apoia a violência e as manifestações violentas, já deu sua mensagem.

É hora de as elites sindicais, políticas, econômicas e sociais e o governo darem uma resposta clara em favor da ordem. Nossas lideranças políticas devem dialogar, ao largo da questão eleitoral, em favor da ordem e da democracia. Custou-nos muito chegar aqui. Não é hora de permitir o retrocesso. Qualquer solução fora do campo democrático não interessa. Em especial, ao mais humilde dos brasileiros.

 

18 thoughts on “A hora é de as elites assumirem suas responsabilidades com o país

  1. Belo resumo da situação brasileira. Muita dança e pisões nos pés.
    O quadro está correto. O problema são os atores – cada um querendo escrever sua história. Doar sangue à nação? Longe disto.
    Saída? A sociedade dizer o que quer e quem deseja que faça o trabalho.
    Sem planejamento – e não há nenhum, de nenhum candidato, vamos continuar apostando na sorte e nos remendos.
    O Brasil pede socorro!

  2. O nobre jornalista teceu loas à democracia e cobrou isso dos “nossos” representantes políticos de uma maneira bem inocentes.

    Desconhece, pois, as reais intenções do atual partido de se perpetuar no poder depois de derrubar as nossas instituições democráticas por meio do aparelhamento estatal; assim como da cooptação da população por meio das bolsas e da doutrinização dos nossos “intelectuais” por meio da ocupação dos círculos universitários e de toda a mídia, quase sem exceção.

    É uma pena!

  3. Wagner Pires, sua análise é correta. Está tudo dominado pelo PT,
    principalmente a mídia, que para blindar o Lula, não informam a
    maioria de erros graves como o caso do acordo assinado no governo Lula dando autonomias as tribos indígenas e o caso Rosemary, etc, ficando a maioria da população alienada presa a propaganda oficial.

    • Está tudo dominado, prezado Nélio.

      Não se engane pelo fato do Barbosão estar tirando o time de campo. Provavelmente sairá do país.

      Ele quer é proteger a sua família das represálias dessa turma de bandidos comunistas que tomou o país de assalto e não largará o osso sem causar as maiores convulsões que o país já experimentou.

      64 vai virar fichinha. Aguarde!

  4. Respeitosamente, acho que nem tudo está dominado.
    Quero muito que acreditem nesta possibilidade que venho divulgando há tempos, de não se reeleger ninguém, renovação total.
    Não custa experimentar, de darmos uma chance a nós mesmos e de constatarmos se podemos mudar ou não o País.
    Mas devemos pregar um susto nesta turma de desonestos e corruptos!
    Pensem bem:
    De uma hora para outra diminuirmos substancialmente as velhas raposas. Não todas, pois alguns senadores estarão de fora das elições porque estão em seus primeiros quatro anos, mas os deputados federais, estaduais e governadores temos condições de mandá-los todos embora!
    Certamente conseguiremos mudanças que desejos há tempos, possivelmente a tributária, política e eleitoral ou uma dessas.
    E se não der certo esta mudança, mudamos de novo!
    Agora, o que não podemos é jogar a toalha, dar o jogo por perdido sem tê-lo disputado, aí vamos nos arrepender amargamente.
    A cada petista e aliado sem ser eleito ou reeleito será uma vitória, vamos e venhamos.
    Acho que temos de dar oportunidades para partidos novos, descomprometidos com esses que somente nos exploram e roubam, permitir que passem a fazer parte do cenário político atuante, e não apenas nas sombras dos grandes.
    E não vejo outra medida a curto prazo para tentar algo impactante, que seja não reelegermos essa cambada de vigaristas e fazermos uma faxina geral no Legislativo.
    Aceito opiniões em contrário, desde que não seja ler que não temos saída, que detecto derrotismo.
    Eu, por exemplo, tenho assegurado cerca de cem votos para candidatos novos, que já os escolhi junto com a minha família, parentes e amigos.
    Ora, se cada um de nós deste blog incomparável arregimentar dez, quinze, trinta outros votos para os novatos, e nossos parentes e amigos alastrando essa idéia, por favor, teremos muita força eleitoral, e vamos ver no que vai dar!
    Repito;
    Não deu os resultados que queríamos, nas próximas eleições … rua!
    Mas temos de ser os senhores da situação, os donos dos cargos, que serão distribuídos para quem quisermos, e não porque assim eles decidiram.

    • Caro Bendl, gostaria de ter a segurança de dizer que há solução, há saída para o país. Mas, não há, Bendl.

      De fato: está tudo dominado!

      E não é questão de fazer terrorismo. É a constatação dos fatos, amigo.

      Se o país não derrubar o PT do poder – não é uma questão econômica, é uma questão política e social – o brasil deixará de ser um país democrático e passará a ser uma ditadura comunista.

      É fato, Bendl!

      • Então, Wagner!
        A solução é não reelegermos qualquer parlamentar que já tenha sido eleito e ninguém que tenha participado da tal base aliada.
        Mudança geral, ampla e irrestrita, meu amigo.
        Agora, este sentimento de derrota antes de o jogo começar não é bom para nós. Desanimar para quê?
        Ao contrário, temos de nos mostrar seguros, resolutos, confiantes, que o poder está em nossas mãos, e não nas intenções malévolas do PT e comparsas, prejudiciais ao Brasil!
        Vamos lá, vamos lutar, combater o comunismo, impedir que seja implantado neste País, enquanto que ainda PODEMOS VOTAR!
        Depois, meu caro, é chorar na cama que é lugar quente.

    • Caro Bendls
      Também acho que eles não estão com essa bola toda como dizem., e nao tá tudo DOMINADO como queiram alguns articulistas a escreverem aqui.
      Faço minha parte tentando passar que o VOTO NULO, ou o NÂO COMPARECIMENTO nessas urninhas eletrônicas (in) violáveis, já daria um belo “tremor” nesse monte de embusteiros da pátria…..
      Se conseguissemos milhões de VOTOS NULOS E BRANCOS e sinal vermelho acende lá em Brasilia e nos Estados.
      abçs

  5. O senhor WAGNER PIRES identifica um grande perigo para a democracia a permanência do PT por 3 mandatos seguidos no poder por delegação do POVO nas urnas e ao que tudo indica, caminhando para o quarto. Mas curiosamente em relação aos 5 mandatos seguidos do PSDB no governo de SÃO PAULO igualmente conquistado pelo VOTO, nada opina. Se em apenas 3 mandatos seguidos do PT na esfera federal “TÁ TUDO DOMINADO” segundo suas palavras. Temos que admitir que o PT é muito mais competente em governar. Se levarmos em conta os governos de FRANCO MONTORO, ORESTES QUÉRCIA (que era do mesmo grupo político que originou o PSDB após o racha), temos 8 mandatos seguidos do mesmo grupo político em SÃO PAULO por decisão soberana do POVO nas URNAS. E daí, qual o problema? TÁ TUDO DOMINADO? Que bom que a DEMOCRACIA ESTEJA DOMINADA PELO CIDADÃO ELEITOR.

    • Se de fato fosse pela democracia este “tudo dominado”, Sr. Claudio, eu não seria imbecil de estar alertando aqui para um fato positivo.

      Acontece que não é positivo. Nenhuma ditadura é. Nem mesmo a do “proletariado”. Não é mesmo?

      O Sr. entendeu. Está dando uma de desentendido. Só isso.

  6. Caros Francisco Bendi e Wagner Pires,

    Vocês só estão esquecendo das urnas eletrônicas, está comprovado que elas são violáveis, isso é tão verdade que o TSE impediu que se tenha comprovação do voto, o que iremos fazer a respeito disso? Não tenho resposta.
    Ainda acho que os Militares tinham que botar essa corja para fora e promover eleições só depois que não tivesse um ser sequer do PT e PMDB na política.

    • O pior, Dona Vanda, é que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), também já está dominado pelo petista Toffoli, a fim de garantir a “lisura” do processo eleitoral.

      “TÁ TUDO DOMINADO!!!”

        • Pelo que eu sei, não existe Foro de São Paulo instituído por outro partido aqui no Brasil.

          A ideia de derrubar a nossa democracia é de Lula, Fidel e Cia.

          O senhor conhece outro Foro de São Paulo?

          Por outro lado, estou falando do andamento de um projeto de derrubada das instituições de todo o país, não da hegemonia partidária em um determinado Estado!

          Aliás, falta ao PT, derrubar as últimas barreiras em São Paulo, Minas e nas regiões do Sul do País, para terminar com a questão e, em mais quatro anos firmar sua perpetuação na dominação política e social do país.

          O Sr. não está sabendo?

          Leia o decreto que disponibilizei na charge do Sponholz.

          De fato: “TÁ TUDO DOMINADO.”

          • PÔ, AÍ FICA MUITO DIFÍCIL, MESMO!!!!

            Eu estou falando de uma quadrilha que está se apossando de todo o pais pela derrocada do regime democrático e a implantação do sistema comunista no nosso Brasil, e o sr. está preocupado com a corrupção no metrô de um Estado?

            Que pode ser resolvido pela justiça?

            Quando o PT liquidar a questão que é a eliminação das instituições nacionais e a implantação de um sistema político unipartidário e sem a existência do Congresso, por exemplo, a que justiça o senhor pretende recorrer?

            O senhor só pode estar de gozação!

            Ou então: “sabe de nada, inocente”.

  7. Prezada Vanda Vieira,
    Não é de hoje que se comenta sobre a possibilidade de as urnas serem alteradas.
    Também não li qualquer desmentido contundente neste sentido, portanto, a dúvida existe.
    Mas há uma forma de verificar se é procedente esta reclamação, apesar de simples, mas existe:
    Será fácil eu descobrir quantos eleitores existem na minha Secção Eleitoral; de posse dos mapas (a Internet me ajuda neste sentido) de votações, terei em mãos os votos nulos, brancos, os ausentes e os válidos, afora os destinados para cada candidato.
    Sem maiores problemas consigo cem pessoas que me informarão em quem votaram ou se decidiram anular ou deixar o voto em branco.
    Ora, somando a quantidade de votos obtidos por um candidato da oposição, confrontar com os números oficiais, fácil.
    Exemplo:
    Fulano, oposição, comparado os votos de sicrano, situação.
    Digamos que a minha informação com base nos cem que perguntei sobre o destino de seus votos, indica menos sufrágios que a pesquisa indicara, que seria correta porque eu mesmo explicaria os motivos da informação solicitada.
    Pronto, algua coisa está errada.
    Claro, alguém poderá me informar errado propositadamente, mas quando os números apresentados estiverem muito diferentes do que foi dito pelos eleitores, constatamos a irregularidade, que poderá ser levada adiante conforme denúncia no TRE, e através de um fiscal qualquer.
    Mas, a pulga atrás da orelha vai incomodar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *