A importncia da espiritualidade para a sade dos seres humanos

01Leonardo Boff

Via de regra, todos os operadores de sade foram moldados pelo paradigma cientfico da modernidade, que operou uma separao drstica entre corpo e mente e entre ser humano e natureza. Criou as muitas especialidades que tantos benefcios trouxeram para o diagnstico das enfermidades e tambm para as formas de cura. Reconhecido esse mrito, no se pode esquecer que se perdeu a viso de totalidade: o ser humano inserido no todo maior da sociedade, da natureza e das energias csmicas, a doena como uma fratura nessa totalidade e a cura como uma reintegrao nela.

H uma instncia em ns que responde pelo cultivo dessa totalidade, que zela pelo eixo estruturador de nossa vida: a dimenso do esprito.

Neurobilogos e estudiosos do crebro identificaram a base biolgica da espiritualidade. Ela se situa no lobo frontal do crebro. Verificaram empiricamente que sempre que se captam os contextos mais globais ou ocorre uma experincia significativa de totalidade, ou tambm quando se abordam de forma existencial (no como objeto de estudo) realidades ltimas, carregadas de sentido e que produzem atitudes de venerao, de devoo e de respeito, se verifica uma acelerao das vibraes em hertz dos neurnios a localizados. Chamaram esse fenmeno de ponto Deus no crebro ou de emergncia da mente mstica (Zohar, Q. S., Inteligncia Espiritual, 2004). Trata-se de uma espcie de rgo interior pelo qual se capta a presena do Inefvel dentro da realidade.

Esse ponto Deus se revela por valores intangveis, como mais compaixo, mais solidariedade, mais sentido de respeito e de dignidade. No termo, espiritualidade no pensar Deus, mas sentir Deus mediante esse rgo interior e fazer a experincia de sua presena e atuao a partir do corao. Ele percebido como entusiasmo (em grego, significa ter um deus dentro) que nos toma e nos faz saudveis e nos d a vontade de viver e de criar continuamente sentidos de existir.

Que importncia emprestamos a essa dimenso espiritual no cuidado da sade e da doena? A espiritualidade possui uma fora curativa prpria. No se trata de forma nenhuma de algo mgico e esotrico. Trata-se de potenciar aquelas energias que so prprias da dimenso espiritual, to vlidas como a inteligncia, a libido, o poder e o afeto, entre outras dimenses do humano.

ENERGIAS REGENERATIVAS

A espiritualidade refora na pessoa, em primeiro lugar, a confiana nas energias regenerativas da vida, na competncia do mdico e no cuidado diligente da enfermeira. Sabemos pela psicologia do profundo e do transpessoal o valor teraputico da confiana na conduo normal da vida.

No raro, os prprios mdicos se surpreendem com a rapidez com que algum se recupera, ou mesmo como situaes, normalmente dadas como irreversveis, regridem e acabam levando cura. No fundo, crer que o invisvel e o impondervel so parte do visvel e do previsvel.
Pertence tambm ao mundo espiritual a esperana imorredoura de que a vida no termina na morte, mas se transfigura atravs dela.

Fora maior, entretanto, a f de sentir-se na palma da mo de Deus. Entregar-se, confiadamente, sua vontade, desejar ardentemente a cura, mas tambm acolher serenamente sua vontade de chamar-nos para si: eis a presena da energia espiritual. No morremos, Deus vem nos buscar e nos levar para onde pertencemos desde sempre, para a sua Casa e para o seu convvio. Tais convices espirituais funcionam como fontes de gua viva, geradoras de cura e de potncia de vida. o fruto da espiritualidade. (transcrito de O Tempo)

12 thoughts on “A importncia da espiritualidade para a sade dos seres humanos

  1. O cerumno j est pronto h milhes de anos. Perceber isso fundamental para a compreenso de sua realidade complexa. Como o universo. Catico.
    Animal como outro qualquer o tal cerumano vivia a verdade antes da mente. depois dela , o ideal. A farsa.
    Como a mente j ta e no vai embora mais , a psiquiatria necessria. O jeito ento, o tratamento de gente com transtorno de conduta como Boff.

  2. O ecotelogo comunista de carteirinha,Leonardo Boff,usa de toda a sua cara-de-pau,para alternadamente escrever temas como esse (espirtualidade e sade) para encobrir as suas insanidades sem fim com a causa revolucionria comunista.

    Como apologista criminoso da Teoria da Libertao,Boff,utiliza sua tosca e satnica viso de mundo,para eleger como soluo ao ser humano a cartilha dos lderes polticos-partidrios revolucionrios.

    Boff,prega um “novo mundo possvel”,pela via da destruio da tradio judaica-crist. Pior que os ingnuos-teis ou idiotas-teis que caem nessa arapuca comunista,no percebem que a “libertao” ser
    justamente a escravido (comunismo ditatorial e totalitrio mundial.

    A f a porta de entrada no mundo espiritual e no instrumento revolucionrio de luta e transformao poltica.Viu vigarista intelectual,Leonardo Boff?

  3. Mnica, o comunismo jamais ser possvel. um delrio. Mais um produto da mente. Uma mentira.
    mais um pretexto para alcanar aquilo que todos queremos: PODER.
    Procure aprofundar na fenomenologia da mente.
    A mente mente.

  4. Que maravilha de Texto.Buscar no reino Senhor,(EU Interior),a soluo dos seus Problemas.
    Quem acredita em Deus e na Espiritualidade, leitura para reflexes.
    Ouvindo as Canes do cantor J.NETO,em especial” Alm das Aparncias”que letra.

  5. POIS !

    S sei que se no fosse a MATERIALIDADE no existiria a MEDICINA!
    Afinal, quando o seu filho sentiu aquela terrvel “dor de ouvido” de madrugada, voc (FELIZMENTE) no o levou para receber orao ou pajelana:

    -LEVOU PARA UM HOSPITAL, para receber o “remdio dos homens”!

    Abraos.

  6. Levada, a criana, pelo amor de sua me ou de seu pai ou de parentes ou de vizinhos, sentimento maior que advm de uma espiritualidade ampla, que reconhe o ser humano ser capaz de gerar afeto e carinho -subjetividades, exatamente o que nos move:
    determinao;
    vontade;
    deciso;
    necessidade;
    prover a famlia;
    amar a famlia e o prximo;
    cuidar uns dos outros, assim como fizeram conosco quando nascemos.
    Penso, meu xar de Braslia, Francisco Vieira, que no devemos deixar de alimentar o esprito, considerando que, “nem s de po vive o homem”.
    Um abrao, e leva em conta que no estou discordando do que disseste sobre a Medicina, a materialidade, mas enaltecendo a espiritualidade, mais ou menos o que faz o Direito com relao injustia que sofremos, ao buscarmos a reparao pelo sofrimento ocasionado por um terceiro ou o prejuzo sofrido.
    Assim como buscamos lugares calmos para refletir e rezar, seja para Deus ou para que pensemos na vida, caso o rumo que tomamos tem sido o correto ou no.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.