A infidelidade conjugal pode motivar a vingança diabólica de matar e esquartejar?

Milton Corrêa da Costa

Elize Araújo Kitano Matsunaga, de 38 anos, formada em Direito, está presa em nome da lei. Confessou à polícia o bárbaro assassinato do marido, o empresário Marcos Kitano Matsunaga, de 42 anos, com quem tem uma filha. O fato se deu no interior do apartamento em que residiam, na Zona Oeste de São Paulo, em 19 de maio último, tendo a homicida dispensado os serviços da empregada e da babá da filha momentos antes da cena diabólica.

Crime certamente premeditado, apesar de Elize ter alegado em sua defesa (indefensável) ter sido vítima de agressão durante uma discussão. Um tiro na nuca do marido, em seguida o esquartejamento do corpo com sangue por todos os lados (passaram-se dez horas entre o crime, o esquartejamento e a saída do apartamento com o corpo mutilado) desvencilhando-se do corpo, já separado por membros, em sacolas plásticas e transportando-o em três malas com rodinhas (as câmeras do circuito interno do elevador mostraram), para finalmente jogá-las numa área de matagal na localidade de Cotia, Grande São Paulo.

Em princípio, a motivação do crime foi a provável comprovação de infedilidade conjugal por parte do marido. Um crime macabro, diabólico, sanguinário, de fazer inveja ao mestre do suspense Alfred Hitchcock, que causa espanto e perplexidade em todos nós pela desproporcionalidade do ato frio, bárbaro e calculista. Uma autêntica cena (real) de filmes de terror muito em moda, tipo ‘Jogos Mortais’ ou ‘Jogos Vorazes’.

A primeira pergunta: Até que ponto o cinema, a televisão e Internet podem influenciar e criar bárbaros assassinos? Por sua vez, o crime de traição, conferiria o direito, ao cônjuge traído, como forma de saciar sua vingança ou ciúmes incontrolável, de matar pelas costas?

São perguntas que precisarão ser respondidas pela polícia e por psiquiatras para a elucidação plena de um crime brutal com todos os requintes de perversidade, frieza e vingança. O pior é que tais delitos, envolvendo infidelidade conjugal, têm sido rotina entre casais. Algumas vezes o enredo de crimes semelhantes tem outro fim trágico.

Na madrugada de 2 de fevereiro, um empresário. que acabara de assassinar a facadas sua mulher, suicidou-se, também a golpes de faca (provavelmente a mesma usada para matar a mulher) num quarto de um motel em Belo Horizonte.

O amor pode se transformar numa relação doentia e possessiva? Que pena merece a homicida Elize Matsunaga? Que tipo de sequelas irão adquirir os filhos, de uniões destroçadas de forma tão trágica? As crianças terão que pagar, ad eternum, pelos erros e atos bárbaros de seus pais?

O que dizer agora aos pais da vítima, Marcos Matsunaga? Que seu filho, por ter pulado a cerca, foi condenado à pena capital e ao esquartejamento? Esta aberta a difícil e polêmica discussão sobre um tema que certamente não gostaríamos de abordar, mas que infelizmente faz parte da insensatez humana.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *