A lição de 1974 e a resposta das urnas nesta eleição de 2018

Resultado de imagem para ulysses e franco montoro

Ulysses, Tancredo e Montoro, em defesa da democracia

Sebastião Nery

Quando meu saudoso colega e amigo César Mesquita, diretor da Editora Francisco Alves, me telefonou, no dia 15 de outubro de 1974, intimando-me a escrever um livro sobre as eleições de 15 de novembro, tive medo de mim e do tempo. Ele me disse: – Nery, temos exatamente sessenta dias para colocá-lo nas bancas. Um mês para você escrever até 15 de novembro e um mês para editarmos.

– Mas, Cesar, o Brasil é muito grande. São 22 Estados. E não o farei sem visitar, pesquisar, testemunhar um a um. E ainda publicar o resultado.

– Vire-se. É preciso guardar para a história a nitidez dos acontecimentos ainda não deformados pelo correr do tempo, nem ao sabor das interpretações. Precisamos dar ao país um livro-documento sobre as eleições de 15 de novembro. Tem que sair até 15 de dezembro.

ESCREVENDO – Sai viajando e escrevendo. Conversando e escrevendo. Documentando e escrevendo. O governo, poderoso e soberbo, achava que a Arena ganharia tudo, porque, em 1970, quase havia eliminado a oposição, a ponto de muita gente do MDB achar que a oposição devia desistir e fechar o MDB.

Mas os povos só conquistam o amanhã quando têm líderes que os ensinam a pensar. Os profetas, os sábios do Oriente, os filósofos gregos, os enciclopedistas, os pais da Independência Americana, os estadistas ingleses e franceses, esses é que plantaram a história com as mãos.

Veneza passou sete séculos sem que os doges pudessem transferir o poder para um herdeiro. Foi a mais longa república democrática da história.

REAÇÃO SILENCIOSA – À medida que ia chegando aos maiores Estados fui percebendo que havia uma reação silenciosa na população e o governo podia levar um susto.

E levou. Mais do que um susto, o governo foi literalmente atropelado. Perdeu em 16 Estados e só ganhou em 6, como contei e documentei no livro que fez tanto sucesso : “As 16 Derrotas que Abalaram o Brasil”. Dos seis maiores Estados, perdeu em cinco: São Paulo, Minas, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Paraná. E só ganhou em um: Bahia.

No pais, a votação do MDB, somada, foi maior do que a da Arena. Só as vitórias em dez dos onze maiores Estados (São Paulo, Rio Grande do Sul, Guanabara, Minas, Paraná, Pernambuco, Estado do Rio, Goiás, Santa Catarina, Paraíba, menos Bahia) mostraram que, se fosse para a presidência da Republica, a oposição teria feito o Presidente e 16 governadores.

DUPLO SEGREDO – Qual o segredo da campanha e da vitoria? Era duplo. Um, orgulhosa cabeleira grisalha de galã de antigamente. O outro, modestos fiapos de cabelos inteiramente brancos na cabeça nua. Um, mestre da cátedra. O outro, catedrático da política. E aos dois, mais do que a quaisquer outros, o Brasil ficou devendo, em 1974, o reaprender da velha lição, eterna como a humanidade, do poder da palavra.

Ulysses Guimarães e Franco Montoro foram os generais da guerra que a oposição ganhou no país. E brigaram na garganta. Poucas vezes, na história do Brasil, dois homens falaram tanto a tanta gente em tão pouco tempo. Basta pesquisar jornais e revistas do segundo semestre de 1974. Eles estavam lá, dia a dia, indormidos, no plantão da palavra.

NAVEGAR É PRECISO – Desde o magnífico discurso com que, em 1973, navegando com Fernando Pessoa, iniciou sua campanha de anticandidato à presidência da República, Ulysses Guimarães havia continuado o caminho aberto um ano antes pela bravura de Oscar Pedroso Horta, da volta do bom texto à política brasileira. Na sessão do Congresso que elegeu Geisel, Ulysses de novo despertou o país com um pronunciamento exemplarmente bem escrito.

E poderosamente forte. Não parou mais. Nas TVs ou na imprensa, o presidente da oposição fornecia aos candidatos do MDB uma dose maciça e permanente de ideias e frases que logo eram repetidas em milhares de palanques. E quando a vitória chegou, ele a recebeu lúcido como sempre.

O tom de Franco Montoro era mais ameno, didático. Ensinava: “Na vida pública, como na ciência, os erros devem ser investigados e não escondidos. Só a crítica pode corrigir as falhas e promover o progresso.”

SIMPLES COMO A VERDADE – Tudo simples, exato e evidente como a verdade. Por isso seus programas de TV, nos Estados, estouravam índices de audiência:

– Montoro chegou, falou, virou.

Era o poder da palavra que Padre Vieira chamava de sagrado poder.

A oposição, hoje, está perdida como o MDB de 1970. Falta-lhe um Ulysses, um Montoro, que mostre ao pais a verdade escondida nas gavetas dos Mensalões e da corrupção governamental comandada pelo PT. Lula fala com a arrogância e a certeza da impunidade dos generais de 1974.

3 thoughts on “A lição de 1974 e a resposta das urnas nesta eleição de 2018

  1. O Brasil perdeu um grande estadista que poderia ter sido Presidente: Ulysses Guimarães.

    O Tancredo fundou o PP (coadjuvante do PT) o maior partido da corrupção generalizada. Ulysses era o mais preparado e foi traído pela arrogância dos ditos no texto. Anos mais tarde o neto (Aercio) traiu o Brasil. Covardemente está capa se escondendo como Deputado. Nosso país só terá fazendo as revisões necessárias. Não é democrático um único juiz tomar uma decisão. Espero que na nova ordem (Bolsonaro) seja tudo colegiado. Sem plausibilidade.

  2. Confiram em meu face (link adiante): Do livro que Osvaldo Maneschy publicou, uns 20 anos atrás, com falas políticas de Leonel Brizola, copio pequeno trecho no qual o líder fala sobre o processo social. Confiram, a meu ver explica as palavras de Ciro Gomes em duas ocasiões, no início e ao final deste segundo turno (parágrafo abaixo), quanto à volta que o povo está dando nas eleições. É pena que miliantes da esquerda fake atuem como em outros tempos, desrespeitam instituições ou individualidades contrárias às desorientações políticas que os norteiam e não sabem interpretar corretamente os sentimentos de nosso povo, assumindo atitudes típicas de quem não se resolve por si e busca em outros os fundamentos de suas próprias fragilidades. http://www.facebook.com/photo.php?fbid=2163222183894041

    As cúpulas lulistas (diferencio de petistas) que depreciam Ciro já colheram os resultados almejados, no primeiro turno. Não estão nem aí para o Haddad, não sabem esses babacas que a tendência é Lula apodrecer na prisão se o Bolsonaro for eleito presidente (se deve pague pelos seus erros, mas há excessos que deveriam ou poderiam ser corrigidos). Ciro sabe o que faz e se conduz como alguém livre, mas não há dúvida quanto ao voto dele no Haddad. Agora, quero ver lulista com moral pra criticar ele ofuscando as canalhices de Lula favoráveis à direita. O erro original foi do petista, contra o esforço de unir as esquerdas em torno de alguém com maiores chances e melhores condições para derrotar o lado pior. Nas curvas decisivas da história ele sempre fez o jogo da direita, Leonel Brizola não foi presidente por causa dele (Filhote do Golbery). Já votei 13 como Ciro e todos os Brizolistas o farão, apesar desses lulistas ou lunáticos que tentam depreciar esta nossa decisão. Ciro foi gigante no primeiro turno e não negou fogo prestando ótima declaração logo após o resultado das eleições, junto com o posicionamento da sigla brizolista. Apesar disso, na depreciação cada qual faz a paisagem que quiser. http://www.facebook.com/cirogomesoficial/videos/2239699602986045

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *