A mão de seis dedos

Carlos Chagas 

Emprego, segurança, educação, saúde, habitação e  alimentação. Essa mão de seis dedos obstrui a trajetória do Brasil para o Primeiro Mundo. Importam menos os índices de crescimento nos demais setores da vida nacional, ou o aparato de propaganda oficial  e privada espalhado para turvar a visão da realidade.  A   larga avenida para o desenvolvimento  vê-se  obstruída por esses seis obstáculos. Depois de oito anos e seis meses do governo do PT, somados aos oito do neoliberalismo dos tucanos, esbarramos nas mesmas inviabilidades de crescimento socialmente ordenado.

Por mais  que o governo divulgue estatísticas de crescimento de postos de trabalho com carteira assinada, não dá para acreditar se o número de demissões é omitido, se em cada semáforo aumenta o número de infelizes vendendo óculos e panos de prato e se fica cada vez mais estreito o  gargalo para o aproveitamento de jovens no mercado.

Em matéria de violência urbana e rural batemos recordes a cada mês, bastando atentar para o noticiário dos jornais, rádios e televisões, praticamente tomado por notícias de assaltos, latrocínio, sequestros, estupros e sucedâneos.   A imagem é velha mas merece ser repetida: o cidadão comum sente-se cada vez mais prisioneiro em sua própria casa, quando tem casa e quando conmsegue manter os bandidos do lado de fora. A experiência das UPPs dá boas fotos e imagens premiadas, mas a insegurança nas favelas só não é maior do que no meio rural, descontadas, é claro, as regiões mais ricas do Centro-Sul.

Sobre educação, melhor deixar falar o senador Cristóvam Buarque, que nem no recesso parlamentar deixa de denunciar o número crescente de crianças sem escola e o índice de analfabetismo em marcha.

Saúde pública virou calamidade, expressa nas filas de atendimento nos hospitais e postos de saúde, na vergonhosa marcação de consultas e intervenções  cirúrgicas para daqui a um ano e na falta de médicos e pessoal especializado.  Além da cada vez mais precária performance dos planos de saúde, transformados em arapucas para a classe média pagar e não receber a  atenção devida.

Habitação, uma das exigências constitucionais que o salário mínimo deveria atender tornou-se privilégio dos bem aquinhoados, registrando-se  déficit cada vez maior nos grandes centros, somado ao abandono que se verifica no interior. Pesquisa feita mas não divulgada com recém-casados só  no mês de maio, revelou que nas capitais a metade dos casais não tem onde morar senão com as famílias já instaladas.

Por fim, alimentação. Melhor exemplo de sua fragilidade repousa na evidência de que a população brasileira não come soja nem cana de açúcar enquanto  multiplica-se a  sua produção, ao  tempo em que a carne e até o frango aumentam de volume  para alimentar russos e árabes, com o  preço internacional crescente afetando o mercado interno. Nos supermercados e até nas feiras livres encontram-se produtos variados, mas a preços sempre em elevação.

Em suma, essa mão de  seis dedos impede que o país do futuro desperte no presente, fazendo aumentar  cada vez mais a distância entre o Brasil  formal,   das ilusões,  e o Brasil  real, das  carências permanentes.

***
MOEDA DE UMA SÓ FACE

Aplausos para a presidente Dilma, que continua passando o rodo no ministério dos Transportes, afastando  corruptos, mas fica sem resposta a indagação a respeito dos corruptores.  Estarão sob investigação da Polícia Federal  as empreiteiras de obras públicas  que superfaturaram e  distribuíram propinas?

Seus responsáveis são tão culpados quanto os funcionários afastados, mas não se tem notícia de que um só deles, das grandes empresas, encontre-se respondendo a processos ou inquéritos. Pelo contrário, preparam-se para as eleições municipais do ano que  vem, já separando recursos para impulsionar candidatos que retribuirão  depois de eleitos.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *