A mentira (“fake news”) jamais se transformou ou conseguirá se transformar em verdade

O Espiritualismo Ocidental: Farsa Eleitoral bolsonárica. Quem está ...

Frase famosa da Goebbels foi desmentido pela própria História

Pedro do Coutto

A cínica frase de Goebbels de que a mentira repetida mil vezes se transformará em verdade é absolutamente falsa e qualifica muito bem do que era capaz o chefe da propaganda de Hitler em matéria de violar os direitos humanos e também a consciência dos fatos.

É o caso das fake news que operavam até ontem na rede do Facebook e que foram banidas exatamente com base nesse raciocínio que faço e também com base no dinamismo da política e da própria vida humana.

EXPURGO MERITÓRIO – O banimento não decorreu de uma suspensão ideológica, isso porque as contas do PT no WhatsApp foram igualmente desmobilizadas e banidas por não representarem conteúdo verdadeiro.

Posso afirmar também que jamais o adjetivo poderá suplantar o substantivo. Ou seja, a mensagem não depende do meio de sua divulgação ou dispensar o conteúdo concreto das matérias.

Reportagens publicadas em O Globo, Folha de São Paulo e O Estado de São Paulo comprovam firmemente minha opinião sob o ângulo jornalístico, moral e ético. Comparando-se a terrível frase de Goebbels e o pensamento do presidente Lincoln, chegamos à conclusão cristalina que a verdade absoluta se encontra consolidada na História pelo presidente dos EUA.

FRASE DE LINCOLN – Disse ele em 1862: é possível enganar a poucos por todo o tempo, é possível enganar a muitos por pouco tempo; mas é impossível iludir a todos por todo o tempo.

Em O Globo a reportagem é de Leonardo Cazes, João Paulo Saconi e Juliana Del Piva. Na Folha, a matéria é de Paula Soprana, Renato Onofre e Patrícia Campos Melo. No Estadão, Paulo assinam Bruno Romani, Camila Tordelli e Júlia Lindner. As matérias se referem ao caso do face book. No caso do WhatsApp envolvendo o PT o texto é de Fernanda Alves.

Voltando ao tema que confronta de um lado a mentira, de outro a verdade, os fatos através da História sempre apontaram a vitória da verdade sobre a mentira e também, por consequência, na minha opinião, o domínio do substantivo sobre a forma sinuosa de tentar disfarçar a verdade, porque isso não resulta na criação de uma realidade. Pelo contrário, sempre termina se voltando contra o falsificador. Aconteceu exatamente isso na segunda Guerra mundial.

CARTA BRANDI – E no Brasil vale citar o exemplo da Carta Brandi, falsificada na campanha eleitoral de 1955 e que apontava o personagem título como autor de uma remessa de armas para o vice-presidente João Goulart que terminou eleito na chapa de JK.

Carlos Lacerda deu grande divulgação à sombria notícia. E o episódio terminou com a derrota dos falsários e da própria UDN de Lacerda.

11 thoughts on “A mentira (“fake news”) jamais se transformou ou conseguirá se transformar em verdade

  1. Uma procura rápida na rede mostra que o autor da frase é Vladimir Lenin: “A lie told often enough becomes truth” . Ou, em russo: Ложь, рассказанная достаточно часто, становится правдой.

  2. Dizem que o pior mentiroso é aquele que engana a si mesmo. E não acreditar na eficácia, ainda que efêmera, dessa frase do pai do marketing contemporâneo, Joseph Goebbels, significa fingir não crer.
    Mesmo que a falácia venha a cair, em seguida, o estrago que ela causou, no meio onde foi permeada, isso é irremovível. Um exemplo recente: a empresa farmacêutica norteamericana, MODERNA, lançou um factoide para o mundo, o qual lhe rendeu milhõe$. Seria uma “vacina escroque” contra o Coronavirus, que elevou as ações da abóbora, nas bolsa de valores, às nuvens.

  3. O PIOR PROBLEMA SOCIAL DA CHINA CONTINENTAL

    Querido professor Ednei

    Este tem que ir em inglês.
    São 30 minutos do melhor que já vi sobre o que é a sociedade chinesa
    atual. O que as políticas de, Mao Tsé Tung e do salto cultural,  de
    Deng Xiao Ping até Xi Jinping fizeram à mente e ao comportamento do
    chinês moderno: materialista, individualista (ainda mais do que no
    Ocidente), ambicioso, exibicionista nos ganhos materiais e na inveja
    causada aos semelhantes com quem compete (faz lembrar os portugas
    emigrados em França e Alemanha dos anos 60 e 70), e sobretudo com uma
    indiferença patológica relativamente aos apuros em que possa encontrar-se o seu semelhante nas suas proximidades.

    Um testemunho etnográfico e etnológico vivido em primeira pessoa (este moço passou 14 anos e meio no mais profunda imersão da sociedade chinesa e teve que acabar por fugir devido às políticas do Xi).

    Agora resolveu dar-nos a conhecer o outro lado da China e do que o partido
    comunista chinês fez e faz a esta gente.

    No Ocidente , a imagem do chinês que nos vendem é outra: perito em artes marciais, meditador filosófico de inspiração budista, solidário porque antes de mais criado num coletivismo que vinca os interesses do todo às partes, enfim, uma treta.

    Tchau Ocidente que já eras…

    O canal chama-se Serpentza e tem imensos vídeos sobre a China

    Aqui
    https://www.youtube.com/watch?v=Xz42BrlkBD8

    Grande eterno abraço .

    Luís Miguel Jesus Lopes Barreiros*
    * Luís Miguel Jesus Lopes Barreiros reside em Portugal, é Psicólogo, doutor em Psicanálise pela Universidade Nova de Lisboa, cuja dissertação de doutoramento foi orientada por mim, por isso ele me chama de Professor

  4. O diabo é que no Brasil, principalmente na política, uma mentira, um fuxico, ou um boato, ou uma fake news, vale mais do que mil verdades, e a verdade sempre chega tarde demais, quase sempre depois da morte da Inês. Isso deve ter alguma relação com o fenômeno capturado pela música Aquarela do Brasil, na qual o autor tachou o Brasil como um ” mulato inzoneiro”, ou seja, um país que ama fuxicos, intrigas e afins, ou seja, um campo fértil para as futricas, com um povo que jura que ama Jesus Cristo, mas se o JC voltar aceitar o desafio e o lançarem candidato a algum cargo eletivo, via sistema podre, terá apenas o seu próprio voto, porque o eleitor brasileiro tb ama 171, de direita, de esquerda e de centro, ao que parece. Já li em algum lugar que enquanto a verdade veste a gravata a mentira já deu a volta ao mundo. E a tal fake news, ao que parece, anda tão rápida quanto a notícia ruim, porque o país tb ama a desgraça alheia, quase sempre embutida na notícia ruim. Resumo da ópera, que coisa feia, hein, senhores generais, envolvidos e dando cobertura, por alguma moedas, a esse lixo mentiroso, sujo e desavergonhado, e a sua respectiva quadrilha chegada na famigerada fake news.

  5. Essa frase foi tirada de contexto. A mentira tem que ser repetida 1000 vezes, sem que a verdade seja dita nesse intervalo. Por isso que para implantar uma ditadura (ou o comunismo ou o nazismo), eles implantaram inicialmente o primeiro passo, que é a morte da imprensa. Ou como diz o outro ditado: “A morte da imprensa, anteveem a morte da democracia”.
    PS: Alias, eu nem sei para que a china está se “associando” as emissoras brasileiras.

    • Eu só discordo de que sejam os mais “instruídos e cultos”. ´Nessas redações, existe um filtro esquerdista rigoroso; veja o que aconteceu com o ponto fora da curva, que foi o Lacombe, na Band. Se o cara começar a pensar, ou raciocinar por conta própria; já demonstra uma inteligência que não é aceita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *