A morte e a morte provocada pela Philip Morris, cigarreira

Helio Fernandes

Meus parabéns à desembargadora do estado do Rio, Monica Maria Costa, pela decisão condenando essa empresa. Terá que pagar 150 mil reais a um viúvo, cuja mulher morreu de câncer de tanto fumar.

Os parabéns à desembargadora, merecidíssimos, não são dedicados a ela simplesmente por causa da condenação, imposta à poderosa empresa de tabaco-matador. Com essa decisão, o reexame de outros casos de mortos ou incapacitados pelo uso e abuso do cigarro, será praticamente obrigatório.

Juízes que julgaram questões semelhantes, não deram ganho de causa aos apelantes, deixaram de condenar as empresas criminosas, por causa de um alegação, que nem emocionou a desembargadora: “Como existem só no Rio de Janeiro 18 fábricas de cigarros, como saber que marca o apelante fumava?”

Os advogados da Philip Morris usaram o mesmo “argumento” de outras vezes, vitorioso. Mas agora, num julgamento isento e sem complacência, estava uma magistrada que conhecia suas responsabilidades.

Nos EUA, a indústria do tabaco (acusado em bloco e não individualmente) ameaçou e intimidou a televisão CBS, por causa do consagrado programa “60 Minutos”. A CBS, apavorada com a falência, foi socorrida por um repórter (apenas um), que entrou na Justiça, ganhou e a indústria teve que pagar uma fortuna de indenização.

Foram dezenas e dezenas de BILHÕES de dólares, ainda não havia o TRILHÃO como hoje. Mas foi a mais importante e empolgante vitória contra a morte sem velório, provocada pela indústria do tabaco.

***

PS – Uma vez, Rui Barbosa escreveu: “A palavra mais bonita da língua portuguesa é magistrado. Até o presidente da República é chamado de Primeiro Magistrado”.

PS2 – 50 anos depois, Rui morto e sem querer contestá-lo, escrevi: “A palavra mais bonita da língua é MÃE”. A desembargadora Monica Maria reabilita a palavra. Em parte, em parte, faltam muitos e muitos.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *