A própria Terra está tomando consciência de sua enfermidade

Leonardo Boff

Inegavelmente, vivemos uma crise dos fundamentos que sustentam nossa forma de habitar e organizar o planeta Terra e de tratar os bens e serviços da natureza. Na perspectiva atual, eles são totalmente equivocados, perigosos e ameaçadores do sistema vida e do sistema Terra. Temos que ir além.

Dois pais fundadores de nosso modo de ver o mundo, René Descartes e Francis Bacon, são seus principais formuladores. Viam a matéria como algo totalmente passivo e inerte. A mente existia exclusivamente nos seres humanos.

Logicamente, essa compreensão criou a ocasião para que se tratasse a Terra, a natureza e os seres vivos como coisas de que podíamos dispor ao bel-prazer. Na base do processo industrialista selvagem está essa compreensão que persiste ainda nos dias de hoje.

As coisas, no entanto, não são bem assim. Tudo mudou quando Einstein mostrou que a matéria é um campo densíssimo de interações; mais ainda, ela, de fato, nem existe no sentido comum da palavra: é energia altamente condensada.

OUTRAS GALÁXIAS

Em 1924, Edwin Hubble, com seu telescópio no monte Wilson, no sul da Califórnia, descobriu que não há apenas a nossa galáxia, a Via Láctea, mas centenas delas. Notou, curiosamente, que elas estão se expandindo e se afastando uma das outras com velocidades inimagináveis. Tal verificação levou os cientistas a imaginarem que o universo observável era muito menor; um eco ínfimo do Big Bang pode ser ainda identificado, permitindo a datação do evento, ocorrido há 13,7 bilhões de anos.

Mas uma das maiores contribuições que vêm desmantelando o velho olhar sobre a Terra e a natureza vem do prêmio Nobel de química Ilya Prigogine. Ele deixou para trás a concepção da matéria como algo inerte e passivo e demonstrou, experimentalmente, que elementos químicos, colocados sob certas condições, podem organizar-se a si próprios sob complexos padrões que requerem a coordenação de trilhões de moléculas. Nem sequer existem códigos genéticos que guiem suas ações. A dinâmica de sua auto-organização é intrínseca, como aquela do universo, e articula todas as interações.

UNIVERSO AUTOCRIATIVO

O universo é penetrado por um dinamismo autocriativo e auto-organizativo que estrutura as galáxias, as estrelas e os planetas. De tempos em tempos, ocorrem emergências de novas complexidades que fazem aparecer, por exemplo, a vida consciente e humana.

Toda essa dinâmica cósmica tem seus tempos próprios. Especialmente os organismos vivos têm seus tempos biológicos próprios, um para os micro-organismos, outro para as florestas, outro para os animais, outro para os oceanos e, por fim, outro para cada ser humano. Completado seu tempo, ele parte.

Que fizemos nós modernamente para gestar a crise atual? Inventamos o tempo mecânico e sempre igual dos relógios. Ele comanda a vida e todo o processo produtivo, não tomando em conta os demais tempos.

Ao não concedermos um sábado, biblicamente falando, para a Terra descansar, nós a extenuamos, a mutilamos e a deixamos adoecer quase mortalmente, destruindo as condições de nossa própria subsistência.

Neste momento, estamos vivendo um tempo em que a própria Terra está tomando consciência de sua enfermidade. O aquecimento global sinaliza que ela vai entrar em outro tempo. Se continuarmos a feri-la e não a ajudarmos a se estabilizar em outro tempo, podemos começar a contar as décadas que inaugurarão a tribulação da desolação.

 

11 thoughts on “A própria Terra está tomando consciência de sua enfermidade

  1. E mais, quem polui o planeta é comunismo que Boff adora. A China está aí poluindo e já disse que quando quiser ela para. A URSS acabou com o mar de Aral e fez Chernobill, uma usina que necessitava de mais blindagens , que não foram feitas porque o país vermelho estava falido.
    Já, no ocidente democrático e capitalista, que Boff e a malandragem que não trabalha e só fazem discursos demagógicos, a tecnologia evolui dia a dia e a poluição vai diminuindo a olhos vistos.

  2. Sr. Boff, seu alerta, sobre a SAÚDE da TERRA para que a Humanidade tenha futuro, é valido, os fenômenos climáticos, estão a indicar que a Humanidade tem que tomar juízo, se não, não haverá futuro.
    Como nos dizemos cristãos, que os ciclos de mudança, para o progresso material/espiritual, acontecem em média em 2 milênios, e Jesus, nos alertou que nos fins de tempo(portanto estamos no de fins de 2 milênios), haveria a separação do “Joio do Trigo” em um simbolismo de mudança, o desamor que grassa na Humanidade, referenda seu alerta de “fins de tempo”, e está em nossas mãos, reverter este quadro, mas, não nos interessa, e estamos entrando no “ranger de dentes”, usufruindo os valores materiais em detrimento dos valores espirituais. O Planeta Terra, está passando por um convulsão, que mudará sua superficie, para continuar o destino que o Criador tem para ela no concerto cósmico, para uma Humanidade vindoura com mais amor fraterno, cumprindo a LEI DA VIDA ESPIRITUALIZANTE, e os amantes da materialidade irão para planeta primitivo, repetindo o “Paraiso perdido”, que com olhos esgazeados, em sofrimento e dor, o procurarão no infinito dos Céus. Feliz, os que merecerem continuar, por seus méritos de AMOR FRATERNO, na Terra Regenerada.
    Que o Sr, do Universo nos abençoe.

    • Pena que não tenha se enforcado… (só para lembrar sua célebre frase de 11 de setembro, quando foi informado que um avião tinha caído no Pentágono e respondeu: “pena que não foram dez…”)

  3. Incrível como tem pessoas que ainda não acreditam no processo de desgaste da TERRA, que vem sendo agredida, notadamente com o advento da ERA Industrial, no século XVIII até os dias atuais. Leonardo Boff está com a razão e creio que pegou leve na argumentação. O caso é mais grave do que possamos imaginar.

    A estiagem que atinge absurdamente o Triangulo das Bermudas (Rio, São Paulo e Minas) é um fato inquestionável, um exemplo fático. Os rios da região estão com os reservatórios abaixo do ponto chamado de crítico. E, vem baixando diariamente, principalmente em São Paulo, a maior região consumidora de água do Brasil. Todos sabemos, que o período de chuvas só começa no final de outubro. E se o fenômeno se repetir no próximo verão? Será o caos em 2015.

    As temperaturas aumentam a cada verão, agravado pela especulação imobiliária que não podem ver uma área verde para desmatá-la visando a construção de selvas de pedra e cimento. Regiões do Rio antes amenas, hoje estão calorentas, quase chegando ao nível da Penha e de Bangú, me refiro aos bairros da Barra e Jacarepaguá. Os empreendimentos imobiliários inundam aquela região outrora aparazível.

    Os extremos climáticos ao redor do mundo crescem exponencialmente. Enchentes pipocam de norte a sul, tsunamis, ciclones e secas monumentais viraram regra anualmente. Alguém comentou sobre a CHINA, pois bem, a virada rumo ao capitalismo provocou variados acidentes climáticos no país amarelo. A seca nas regiões rurais se acentua de maneira trágica e nas cidades industriais, o cheiro de enxofre obriga os chineses a andarem de máscaras o tempo todo.

    E ainda existem governantes que consideram os ambientalistas como ecochatos. Para esses, o verde das florestas é apenas um detalhe, o importante são apartamentos, as moradias verticais para o alavancamento do IPTU. Não considram a demanda por água, esgoto, energia, lixo, escolas, mobilidade urbana, nada. Acham que depois se dá um jeitinho.

    Que fazer?

  4. Se fosse um “Padre Bom” ou um “Bom Padre”, ensinaria aos seus fiéis a plantar árvores e criar animais, são as coisas que vão salvar o planeta….eh!eh!eh

  5. É incrível como tem pessoas que não enxergam que a revolução industrial é permanente, com seus processos de produção evoluindo dia a dia, melhorando a produção em qualidade, baixando os custos e afetando cada vez menos o planeta.

  6. Favor remeter os comentários acima ao Sr. Boff.
    Duvido que ele leia.
    Por isto deixo de comentar.
    Aliás, algum dia o Sr. Boff manifestou arrependimento por ser comunista?
    Comunistas não são inimigos do capitalismo ou da democracia. São inimigos da humanidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *