A triste realidade financeira dos clubes

Paulo Peres

Nos anos 90, quando o futebol passou a compor mais expressivamente a grade de programação das TVs abertas, o saudoso João Saldanha, então, comentarista, da TV Manchete, afirmava que a televisão iria acabar com o futebol e depois abandoná-lo, profecia esta que não está muito longe de acontecer, visto que o número de torcedores que compareciam aos estádios eram infinitamente superiores aos de hoje.

Atualmente, até os estádios estão tendo a sua capacidade de público reduzida por determinação da FIFA e de algumas autoridades, por motivos de segurança, embora por detrás desta ordem estejam os interesses financeiros das TVs abertas ou fechadas, dos dirigentes de clubes e, claro, dos patrocinadores dos campeonatos, os quais têm jogos quase todos os dias e no horário que a televisão estabelece.

Diante desta realidade, o ano começou com alguns dos principais clubes brasileiros em sérias dificuldades para pagar em dia salários e luvas a seus jogadores, entre eles Flamengo, Vasco da Gama e Cruzeiro, e a tendência é que mais casos apareçam.

Estas dificuldades financeiras também aumentaram devido a implosão do Clube dos13 por alguns dirigentes. Hoje, o Clube dos 13 não tem mais o poder de avalizar empréstimos para os times.

Além disso, aproveitando-se dessa implosão, a Globo estipulou novas regras para a antecipação de cotas. Decidiu que sairiam de seus cofres antecipadamente no máximo R$ 100 milhões referentes ao contrato de 2012. O teto já foi atingido, graças a pedidos de diversos clubes.

Esta é a razão pela qual os clubes se queixam de que ficaram com menos dinheiro para contratar, tendo em vista que a dificuldade em levantar dinheiro nos bancos, sem o contrato da Globo e sem a ajuda do C13, agora reflete nos pagamentos. A profecia de João Saldanha começa a se realizar.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *