A rentabilidade dos fundos, a poupança, a inflação

Pedro do Coutto

Excelente a reportagem de Filipe Coutinho e Sheila D’Amorim, Folha de São Paulo de 22, comparando a rentabilidade dos fundos de renda fixa com a das cadernetas de poupança, apresentando vantagens para as cadernetas. Iluminam a questão os repórteres. A diferença é, concretamente, de 1%. A poupança, incluindo o redutor, soma anualmente 4,8%, enquanto os fundos em função da taxa de administração que cobram, ficam na escala de 3,8%. A incidência da diferença sobre o volume aplicado produz, creio, cerca de 15 bilhões de reais. E há, ainda, em caso de saque a incidência do Imposto de Renda.

A reportagem coloca em confronto o que a publicidade veicula maciçamente, de um lado, e o que a realidade confirma de outro. Perfeito. Mas, ainda por cima, no meio deve se colocar o peso da inflação. Claro. Pois se esta situa-se, como a própria FSP assinala, na escala de 5,5% para doze meses,  de fato a rentabilidade da poupança é zero, praticamente, e a dos fundos menos 1%.

Informações assim devem ser transmitidas à opinião pública, na qual o mercado se baseia. Afinal, o mercado é toda a população, que sofre direta ou indiretamente os efeitos da flutuação dos índices. No Brasil, não existe a mesma preocupação comparativa como a que predomina, por exemplo, nos Estados Unidos, na França, Inglaterra, Alemanha. Na Itália e Espanha, também.

A compreensão dofenômeno socioeconômico é bem mais ampla. Não tem, é claro, precisão matemática sofisticada, até porque não interessa aos anunciantes. Porém a visão é mais nítida.
É por isso que somos a sexta ou sétima economia do mundo em matéria de produto bruto, algo em torno de 2 trilhões de dólares, mas ocupamos o septuagésimo oitavo lugar no que se refere à distribuição de renda. Não é somente este o motivo, mas um dos motivos a explicar a defasagem.

A diferença entre os índices de captação e remuneração da poupança no Brasil ocupa um abismo. É só comparar os juros dos bancos e do comércio com as taxas pagas às aplicações especialmente das pessoas físicas, os assalariados.

Não existe perspectiva de mudança em busca de um equilíbrio. São, na melhor das hipóteses, a média de 3 a 4% ao mês contra a de 0,4%. A primeira é mais de 10 vezes superior à segunda. O que fazer? Nada. Impossível. A nossa realidade permanecerá assim. Inclusive já foi pior. Os juros do mercado recuaram em face das medidas do governo Dilma Rousseff, através do Banco Central. Mas fica nisso.

O avanço já foi substancial. A diferença permanece grande, como se vê. Mas já foi muito maior. A dívida interna passa de 2 trilhões de reais. É do nível do orçamento da União para este ano, praticamente. Os juros que o governo paga são de 7,25%. Ao ano. Mas e a dívida interna dos Estados Unidos? É de quase 15 trilhões de dólares, por coincidência o patamar orçamentário do país.

A impressão que se tem é a de que há, não apenas um, mas dois estados. Lá e cá. Um dentro do outro. Porém no caso americano atuam firme as multinacionais. Elas marcam presença forte aqui, no Brasil.

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *