A segunda morte de Marielle Franco ocorre na difusão de notícias falsas

Marielle Franco

Ilustração de Márcia Foletto (O Globo)

Bernardo Mello Franco
O Globo

Marielle Franco morreu pela primeira vez na noite de quarta-feira, baleada por criminosos que desejavam silenciá-la. Voltou a morrer na manhã seguinte, alvejada pela metralhadora de acusações falsas da internet. A vereadora se tornou a nova vítima dos assassinatos de reputação. No seu caso, o crime tem duas agravantes. Ela não pode se defender das calúnias, e o bombardeio ganhou o reforço de autoridades do Judiciário e do Congresso.

A desembargadora Marília de Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio, foi rápida na sentença. Antes de a polícia encontrar os responsáveis pela emboscada, ela escreveu que Marielle “estava engajada com bandidos” e “foi eleita pelo Comando Vermelho”. Pega na mentira, a magistrada alegou, sem pedir desculpas, que repassou “de forma precipitada notícias que circulavam nas redes sociais”. Quem visitou seu perfil encontrou um festival de outras postagens de tom ofensivo.

MAIS OFENSAS – O deputado Alberto Fraga, do DEM, também disparou contra a memória da vereadora. Afirmou que ela “engravidou aos 16 anos”, foi “esposa do Marcinho MP” e seria “usuária de maconha”.

Líder da bancada da bala, Fraga é daqueles parlamentares que não resistem a um Google. Foi condenado por porte ilegal de armas, é réu em mais duas ações penais e foi gravado reclamando da divisão de propina no governo de Brasília. Ontem ele disse que divulgou as acusações sem checar se eram reais.

Desqualificar a vítima é uma tática antiga para esvaziar a indignação com um crime. No caso de Marielle, isso também serve para minar causas que ela representava, como a defesa das minorias e a denúncia da violência policial.

HUMANIDADE – Ninguém precisa simpatizar com as ideias da vereadora para reprovar os ataques à memória dela. É uma questão de humanidade, não de afinidade. Ainda não existe lei contra a propagação de notícias falsas na internet, mas o Código Penal já enquadra quem pratica crimes de calúnia, injúria ou difamação.

Nos casos da desembargadora e do deputado, o Conselho Nacional de Justiça e o Conselho de Ética da Câmara também precisam agir para que o linchamento virtual não fique impune.

38 thoughts on “A segunda morte de Marielle Franco ocorre na difusão de notícias falsas

  1. Assassinato de reputação é um dos procedimento fundamentais que todo militante esquerdista que se preze não pode abrir mão. Desde 1917 na Rússia, quando tomaram o poder e implantaram o maior império do terror no mundo.
    É um procedimento hediondo condenável.
    Parece que que agora estão experimentando deste mesmo veneno.

  2. Assassinato de reputação é um dos procedimento fundamentais que todo militante esquerdista que se preze não pode abrir mão. Desde 1917 na Rússia, quando tomaram o poder e implantaram o maior império do terror no mundo.
    É uma prática hediondo, vinda de onde vier.
    .Parece que a esquerdinha agora está experimentando deste mesmo veneno, que ela criou.

  3. Por enquanto, a minha tese está sendo confirmada:
    O assassinato de Marielle ficará IMPUNE!

    O crime praticado tem quase uma semana, e sequer se tem um suspeito, somente especulação.

    Não será de bom alvitre que os culpados sejam identificados, deve pensar o governo, pelo fato da possibilidade da retaliação, de vingança.

    Logo, e confiando que o brasileiro esquece em seguida dos acontecimentos importantes, a vereadora apenas será lembrada em certas ocasiões e, nossos governantes, seguem prometendo qualidade de vida e combate à violência em cada eleição!

    • Nao ficara impune, devem haver negociatas inescrupulosas com familias perdidas moral e economicamente querendo vender seus filhos mentecaptos por uma mala de dinheiro…
      Ai e so anunciarem “com EXCLUSIVIDADE GLOBAUAUAUAL” que os assassinos foram encontrados!

      Alelúia! Amêin ?!?!!
      E o Bozonagua voltarrá a sorrrir e vomitarrrr na mídia, assim como o resto da trupe meleca…

      E logo mais tem arraiá!!!!!

      E segue o seco tudo dominado…

    • O General esta com o sistema prisional na mão. Fez uma limpa num presidio pequeno. A limpa viria SER REALIZADA em ouros presídios onde se encontra a nata de traficantes. Com receios de perder seus benefícios sem legislação oficial. Os mesmos trataram de eliminar a nobre desconhecida vereadora que estava defendo causa própria de traficantes aqui fora. Bem em garantir direitos de quem esta fora melhor garantir os direitos não oficiais dentro dos presidio. Acionaram o fogo amigo em prol dos meliantes já reclusos. Ficou bom para todos, sem ninguém aqui fora posar de arauto da justiça divina.

  4. A Mídia só perde por não enxergar nada….

    Imaginem um BIG BROTHER BRASIL com 100% de audiência,
    tendo na mesma cela o SARNEY, COLLOR, LULA, FHC e TEMER….
    Televisionado 24 horas ao vivo e a cores, até o último corpo vivo…

    • Se pudéssemos somar todo o prejuízo causado ao dinheiro público o Brasil poderia estar noutra condição hoje, apesar de afetado pela crise do subprime de 2008.

  5. Embora queiram politizar este crime, tudo indica que não foi bem assim.
    O que a vereadora pregava , não tinha a menor importância para ninguém, pois era um assunto genérico (contra o racismo, contra a polícia, contra, contra o capitalismo) que não comprometia ninguém.
    O mais certo mesmo é que foi algum desentendimento entre partes.

  6. Psolista de 15 mil votos outra vez mais destaques, comoção somente na zona sul. Até às eleições presidenciais, é vamos ter copa do mundo.

  7. A globonews já descobriu a motivação da execução da desconhecida vereadora. Segundo uma comentarista disse de viva voz, a vereadora foi escolhida a dedo para ser executada por ser mulher, por ser negra, por ser lésbica e por ser defensora das favelas. Pronto. Agora é só encontrar o homem, branco, hetero e morador de fora de qualquer favela.
    Troquei de canal pra não ouvir mais idiotices.

  8. Fora de pauta. Porque que os veiculos de imprensa batem tanto no Bolsonaro mas ninguém deu espaço pra divulgar que ele ganhou em primeira instância uma ação por danos morais contra o Juka Kfouri. Coisa de 120 ou 150 mil reais.
    Imprensa: teu codinome é parcialidade e omissor da informação.

  9. Jornal Nacional, o mais parcial e tendencioso entre todos.
    Acredito mais na existência de duendes e coelho da páscoa do que ser bem informado pelo JN.

  10. É engraçado que a mesma galerinha revoltada que vai pra porta da Globo levantando cartazes como “Globo Golpista”, “Globo isso, “Globo aquilo”,etc… é a mesma galera que agora se ajoelha diante dela, endeusando-a. Pessoal sem personalidade!Kkkk . Agora a gente já sabe quem são, de verdade, os que não vivem sem ela, aumentando o Ibope!!!

  11. Dificilmente um vereador de qualquer cidade do país, por melhores que sejam as pautas que defenda, se destaca ao ponto de causar esta “comoção” no país. Pouquíssimas pessoas acompanham as sessões de qualquer câmara, poucos sabem o que lá se passa e muito menos os nomes dos vereadores e sua postura. Se aproximam dos vereadores geralmente para pedir favores pessoais.
    Esta vereadora assassinada defendia a linha que o PSOL defende. Poderia ter alguma projeção, mas até um ano atrás era somente assessora de um vereador. Creio que em um ano não ganharia esta projeção nacional pelo que defendia.
    A minha leitura é de uso de um crime brutal por inescrupulosos, que viram no momento uma chance de reunir a esquerda novamente e com o apelo à mídia sedenta por sangue, trazer as pessoas tendentes a acreditar nesta linha dos pobres, pretos e discriminados contra os brancos opressores e ricos, para suas linhas novamente.
    Minha curiosidade é saber qual a postura do PSOL quando os criminosos forem presos; se vão defender a ressocialização destes, se vão considerá-los vítimas da sociedade?! E se forem pobres e pretos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *