A sucessão que Lula ainda não entendeu, a desincompatibilização obrigatória, com data marcada. Serra sairá em 1º de abril, (coincidência com o golpe de 64), Dona Dilma quer ficar o maior tempo possível usufruindo o Poder que perderá. Aécio não está no jogo, Ciro só quer “ajudar” Dilma

O que se diz nos círculos do PSDB não “fernandistas” (quase todos são), é o seguinte: Serra não quer a reeeleição e sim a presidência, que persegue insensantemente. Mas não se decide, para mostrar a supremacia e a superioridade sobre o ex-presidente e ex-chefe.

Garantem que sairá no dia 1º de abril, (48 horas antes do prazo final e fatal), coincidência com o golpe de 64. Ficaria na coincidência, Serra não dará uma palavra sobre a ditadura que se instalou há 46 anos.

Também deixará FHC na expectativa, nem citará seu nome. O “ajuste de contas” com o “amigo”, ficará para depois, quando estiver no Poder. (Lógico, se estiver). Aí então atenderá o pedido-esperança de FHC (já divulgado aqui há meses) de nomeá-lo embaixador na ONU.

Atenderá FHC mas atenderá muito mais a ele mesmo. Serra sabe que FHC não poderá influenciá-lo, mas tem tudo para chateá-lo, com conselhos, advertências e pedidos de audiência. Isso Serra não suportará.

Serra tem legenda, tem ambição, tem arrogância, tem o tempo que quiser (até 3 de abril) para decidir. Seus íntimos dizem que já decidiu, está apenas fazendo suspense para marcar o terreno, e deixar bem claro: “Eu sou o senhor do tempo, das decisões, e dos prazos”.

Diante de tudo isso, passará o cargo ao vice Cláudio Lembo, perdão, ao ex-stalinista Alberto Goldman. Este, ansioso pelos 9 meses em que ficará no governo, faz a única opção que lhe restou: esperar. E nessa espera se inclui “fazer tudo que o seu mestre mandar”. Até 1º de janeiro, quando passará o cargo a Geraldo Alckmin. Este, vetado para prefeito, impôs o próprio nome para governador. Já foi governador várias vezes (eleito, substituto, ilegítimo e inconstitucional), há 20 anos no jogo.

A incerteza das alianças:
Serra e Dilma, esperam o vice

Dona Dilma sai quando Lula quiser ou mandar. Tem o partido inteiro contra ela, só que metade não se ilude, a outra metade ilude a todos. Incluindo o próprio presidente que acredita mesmo que conforme sempre soube, o Poder é ele. E pensa (?) que duas coisas não podem ser desmentidas. 1 – Tem mesmo 80 por cento de popularidade. 2 – Toda essa popularidade (ou até mais) vai transferir para Dona Dilma.

Dos chamados presidenciáveis, Dona Marina e Ciro Gomes, não precisam se desincompatibilizar. Esse é o privilegio dos parlamentares, ela é senadora, ele deputado. Ciro, surpreendentemente obteve sucesso com o anunciado projeto de “ajudar Dona Dilma”. Temos que reconhecer: Ciro arriscou ficar sem mandato (repetindo 2002), mas teve a intuição de que poderia levá-la ao segundo turno (ganhando a gratidão conseqüência da vitória), mas iria ele mesmo ir para esse segundo turno.

A mudança de domicilio para São Paulo, deixou os marqueteiros impressionados, se eles fossem capazes de se impressionarem a não ser pela própria competência. Como Dona Dilma não sai do lugar, Ciro pode perfeitamente se reabilitar dos erros e equívocos de 2002.

Dona Marina ficará na disputa até a Copa do Mundo, final de junho. Com a vitória ou a derrota da seleção do Brasil, irá reconsiderar sua carreira, voltará para o Senado. 8 anos de participação garantida, incluindo uma eleição presidencial verdadeira, quem sabe APOIADA por um partido que exista realmente?

 ***

PS – Não falei em Aécio, ele não é presidenciável e sabe muito bem disso. Aos 50 anos, ganhará 8 anos no Senado, o futuro pertence a ele, e naturalmente a Deus. Só aceitaria ser vice (como já registrei), se alguém lhe mostrasse o “resultado antecipado” da eleição, com Serra eleito. Por que iria se “amarrar” a Serra, para ficar sem cargo algum, uma derrota e o futuro comprometido?

PS2 – E já que falei em vice: essa será a batalha mais medíocre mas interessante. Desde que Michel Temer, sem votos e quase sem se eleger deputado, é examinado para essa vice, vale para qualquer um.

PS3 – Dessa forma, podem ir imaginando Jader Barbalho, Geddel Vieira Lima, Eduardo Cunha, quem sabe Paulo Octavio, se renunciar, Arruda se for solto?

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *