A única coisa que Levy sabe fazer é aumentar impostos

Joaquim Levy aumenta impostos e fica dando risadas

Sofia Fernandes e Valdo Cruz
Folha

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, anunciou uma série de aumentos de impostos, que deve incrementar o caixa do governo em R$ 20 bilhões neste ano. O pacote incluiu a volta da Cide (tributo regulador do preço de combustíveis), zerada desde 2012, e aumento do PIS/Cofins sobre a gasolina. A alta da tributação de combustíveis representará uma arrecadação extra de R$ 12,2 bilhões, avaliou o secretário da Receita, Jorge Rachid.

A volta da Cide já era esperada, mas a decisão de também aumentar o PIS/Cofins veio para favorecer Estados e municípios, que recebem parte desse tributo. A alta na taxação do combustível começa a partir de 1º de fevereiro. Como a alta da Cide precisa esperar um período regimental de 90 dias, o PIS/Cofins será maior até a alta da Cide entrar em vigor.

A alta nos impostos sobre a gasolina será de 22 centavos sobre o litro, e de 15 centavos para o litro do diesel, somando Cide e Pis/Cofins.

O repasse para os preços dependerá de decisão da Petrobras, disse Levy. “Não tenho envolvimento com política de preço da Petrobras”, disse.

IOF TAMBÉM AUMENTA

Outra medida foi o aumento do IOF (Imposto Sobre Operações Financeiras) sobre empréstimos e financiamentos a pessoas físicas, de 1,5% para 3%. Segundo Levy, será mantida a alíquota de 0,38% por operação. Essa medida vai representar arrecadação extra de R$ 7,4 bilhões.

Como antecipado pela Folha, o governo alterou a cobrança de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) do setor de cosméticos, equiparando o atacadista ao produtor industrial. Segundo Levy, a medida vai organizar o setor, dar mais transparência aos preços e injetar mais R$ 381 milhões nos cofres públicos.

Outra medida foi o aumento da alíquota do PIS/Cofins sobre importação, que passa de 9,25% para 11,75%. Segundo Levy, o ajuste corrige decisão da Justiça de eliminar do cálculo o ICMS de importação, favorecendo a competitividade da produção doméstica. A medida vai gerar mais R$ 700 milhões em impostos.

SACRIFÍCIOS

Levy não arriscou o impacto dessas medidas, sobretudo a alta na taxação dos combustíveis, na inflação e se forçarão uma alta maior dos juros. “Decisões do Copom sempre olham o conjunto da economia”, disse.

O ministro defendeu que as medidas de “equilíbrio fiscal” têm objetivo de “aumentar a confiança da economia”, e que essas ações estão sendo tomadas “de forma a alcançarmos com menor sacrifício possível a retomada do caminho do crescimento”.

“No conjunto, o efeito é aumentar a confiança, a disposição das pessoas em investir, tomarem riscos, de o empresário começar a pensar em novas coisas. Isso reflete nos indicadores financeiros”, defendeu.

Ele citou que esse ajuste de impostos é mais um passo no seu projeto de reequilíbrio fiscal, que começou com a redução de subsídios nos empréstimos do BNDES, maiores restrições a benefícios, como seguro desemprego, auxílio doença e pensão por morte, e os cortes prévios no orçamento.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Foi muita ingenuidade achar que Joaquim Levy poderia dar jeito na economia brasileira. Seu currículo é pobre, nunca se destacou em nenhuma função. Foi secretário do Tesouro no início do governo Lula, mas acabou detonado por Henrique Meirelles, que realmente comandava a economia, pois Palocci e Mantega sempre foram meros coadjuvantes. A idéia genial de Levy é aumentar impostos. Não passa por sua cabeça cortar gastos de custeio dos Três Poderes, exigir a redução dos ministérios e das despesas públicas, diminuir os cargos em comissão e eliminar os execráveis cartões corporativos. Conforme dissemos aqui quando ele foi indicado, sua única intenção é “engordar” o currículo para depois voltar à iniciativa privada em melhores condições. No Bradesco, Levy não apitava nada, era apenas do terceiro escalação. Você sabia? (C.N.)

 

23 thoughts on “A única coisa que Levy sabe fazer é aumentar impostos

  1. O bom Ministro da Fazenda, Czar da Economia, Sr. JOAQUIM LEVY está sempre sorrindo para insuflar OTIMISMO nos Agentes Econômicos, que andam bastante “ressabiados” com a pesada carga de notícias ruins, da economia Brasileira e do Mundo. Assim ele demonstra que nossos problemas TEM SOLUÇÃO, e o País depois de +- 6 meses de fortes “Ajustes”, voltará a crescer. Assim, faz muito bem. A Economia segue o rumo, como a água corrente ou a corrente elétrica, de MENOR RESISTÊNCIA. Cortar Salários da alta Cúpula, Cartões Corporativos, reduzir Ministérios precisando ampliar a BASE ALIADA, é caminho de alta Resistência. Melhor fazer como ele está fazendo. Aposto como não receberá “pitos” da Presidenta DILMA, porque é MUITO SABIDO. A meta a atingir é não perder o “Investment Grade” das Agências de Rating Internacionais, e fazer a Economia voltar a crescer, principalmente, estar BOMBANDO, num certo ano de 2018. Sacou. Abrs.

  2. Olhem bem a cara dele. Tá rindo de que ?
    Esse, dá para gozador , porém, sem a menor graça.
    Gozadorzinho.
    Perde para vários personagens televisivos.
    Com o devido respeito ao Chico Anísio e alguns outros.
    Autênticos gozadores, PORÉM SÉRIOS.
    Falar mais o que ?

  3. Este cidadão não passa de mais um embusteiro, é um sujeitinho a serviço dos petralhas, se realmente fosse um economista de peso e de caráter não se sujeitaria a participar do governo mais medíocre, de toda a nossa história republicana ( informação via Marco Antonio Villa ), enfim ainda há solução IMPEACHMENT JÁ, no máximo até o mês agosto de 2015.

  4. O traficante Marco Archer e o exemplar funcionário da Varig
    Ontem dia 17/01/15 o traficante Marco Archer foi executado na Indonesia, depois de ter sido preso, devidamente julgado e condenado por tráfico de cocaina.
    Quando foi pego exercendo atividade tão tenebrosa e maléfica já tinha mais de 40 anos e vasta experiência no exercício do tráfico (já havia sido “promovido” para o cenário internacional). Tinha plena consciência do mal que a sua atividade exercia sobre outras pessoas: destruição de sonhos, famílias, tecido social e vidas, muitas vidas!
    Enquanto o Archer traficava e ganhava vultosas somas em dólares, o “João”, humilde funcionário da Varig, trabalhava com dedicação, cuidava de seus clientes, de sua própria família, estudava continuamente para se manter atualizado e produtivo, acalentava sonhos, ajudava famílias a se manterem em saldável contato, salvava vidas e construia laços sociais perenes, honestos e construtivos. Tinha muitos amigos do mesmo feitio, da mesma estirpe!
    E o João trabalhou e estudou com afinco por décadas, tendo sido promovido (por mérito) para o cenário internacional onde sua responsabilidade aumentou ainda mais, assim como seu salário; mas (ao contrário do Archer) nunca obteve altos ganhos; só o suficiente para pagar as despesas da família, a escola dos filhos, ajudar instituições ou pessoas necessitadas. E, com muita economia, pagar o Instituto Aerus de Securidade Social para garantir que no inverno da vida teria o merecido retorno! O João era um cidadão previdente e exemplar: bom amigo, bom marido, bom pai, exemplo de dignidade, responsável, participativo, honesto e justo.
    O Marco Archer e o João morreram no mesmo dia. O Archer executado com tiros. O João por nossas instituições e nossas autoridades: sem dinheiro para comprar o remédio que precisava. Quase tudo que ele pagou ao Aérus foi roubado com a anuência ou descaso de autoridades e instituições regiamente pagas para cuidar especificamente desses casos. E o João estava aguardando havia muitos anos por uma decisão judicial que garantisse o que lhe era devido. Podemos dizer que foi executado pela negligência.
    Mas o que causa indignação não é só o fato de o João ter morrido prematuramente. Fico decepcionado e triste porque o Archer recebeu a atenção da “consternada e indignada” presidente Dilma que clamou pelo traficante, pressionou o governo Indonésio através de comunicados, telefonou várias vezes (sem sucesso) ao presidente da Indonesia, acionou embaixadores, ministros, imprensa e organismos internacionais. Lamentou publicamente a morte do Archer e enviou condolências à familia do delinquente. Até aí concordo; também sou contra a pena de morte.
    E o João?!!! Se sou contra a pena de morte para o traficante, sou Indignadamente, Absolutamente, Visceralmente contra a pena de morte imputada ao João. E nenhuma autoridade, nem sequer um vereador clamou por ele e seus milhares de colegas igualmente condenados. A presidente Dilma não telefonou sequer uma vez a qualquer instituição para falar a respeito da condenação de tantos cidadãos e exigir justiça. Apenas justiça!!!!!!
    Um amigo e colega do falecido João

    • Teu artigo é a “verdade nua e crua”, para os Cidadãos honestos e cumpridores de seus DEVERES. Para o destruidor de vidas, as benesses da hipocrisia, sou contra a pena de morte, seja explicita (neste caso) ou implícita, pelo descaso governamental em todos os casos, conforme o relato sobre o joão, iguais a ele, na Varig, na Panair, no INSS, quantos brasileiros são vilipendiados em sua CIDADANIA!??, pelos 3 podres poderes???
      Para os hipócritas e mentirosos governamentais, a porta do túmulo se abrirá, e a consciência cobrará as ações boas e más, sem perguntar o que “foste”, mais o que és?, e a Justiça que faz JUSTIÇA, O COLOCARÁ NO DEVIDO LUGAR, ISSO É LEI CÓSMICA.

    • Ok. Já temos milhoes de provas cabais. O que mais precisamos para tirar esses ladrões dos poder e proibir eles de tocarem e gastarem nosso dinheiro ??? Uma pergunta que não quer calar. Quem será o(os) corajoso(os) que fará(ão) isso?

  5. Gostaria de saber com dona Dilma e sua equipe de acadêmicos irão conseguir frear a inflação com aumentos da gasolina (próximo de 7,0%) e do diesel (próximo de 5%). Só lembro que o topo da meta de inflação dona Dilma e sua equipe estabeleceram em 6,5%.

    Só vou dar o exemplo da produção agrícola:
    1. Para arar o terreno o agricultor usa um trator movido a óleo diesel;
    2. Para semear o terreno o agricultor usa um trator movido a óleo diesel equipado com um semeador;
    3. Para aplicar fertilizantes ou adubo natural o agricultor usa um trator movido a óleo diesel ;
    4. Para irrigar sua plantação o agricultor usa motor diesel ou energia elétrica da concessionária;
    5. Para colher sua plantação o agricultor usa colheitadeira movida a óleo diesel;
    6. Para escoar sua produção o agricultor usa caminhões movido a óleo diesel;

    Este é só um exemplo de como isto irá aumentar os preços dos produtos agrícolas e alimentar os dragão da inflação.

    Depois a economista da loja de R$ 1,99 vai dizer que “Não sabia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *