A vantagem do capeta

Carlos Chagas

Depois de milênios de guerra, o Capeta e o Padre Eterno decidiram entender-se, para bem da humanidade. Acertaram implantar uma ponte entre o Céu e o Inferno, de forma a se comunicarem sempre que suas tropas clamassem pelo Armagedon. Cada um construiria metade da obra. Passaram-se meses e quem prestasse atenção veria o perfeito andamento das estruturas que saiam das profundezas e chegavam ao meio do caminho para as alturas. O problema estava em que, de lá de cima, nenhum parafuso e nenhuma pilastra haviam sido assentados para chegar em baixo.

Um vazio completo fazia prever o fracasso da empreitada. Exasperou-se o Capeta e resolveu cobrar de seu oponente o cumprimento do contrato. Atendendo o telefone, o Padre Eterno ficou calado diante das múltiplas reclamações e impropérios. No final, falou: “Como é que você exige que eu faça a Minha parte da ponte, se você levou todos os empreiteiros para o Inferno?”

Assim estão as coisas por aqui. Não há mais um empreiteiro na cadeia. Estão todos livres para continuar celebrando com o governo as mesmas lambanças de sempre, lucrando horrores em obras públicas superfaturadas e até inexistentes. O problema da corrupção, entre nós, está em que enquanto existirem empreiteiras para fazer o trabalho devido ao Estado, o país permanecerá sendo a caverna do Ali Babá.

Descobriu-se por acaso a roubalheira na Petrobras, mas depois de algumas ameaças retóricas, não se cuida mais de investigar o que se passa nos setores elétrico, rodoviário, ferroviário, portuário, bancário, da saúde, da educação e da segurança, entre quantos mais? Tivesse o governo vontade de apurar o quanto de dinheiro escorre por suas mãos e não haveria necessidade do ajuste fiscal. Bastaria, simplesmente, fechar o ralo.

REGRAS DO JOGO

A participação do Congresso na farra das empreiteiras parece um detalhe, apesar de escabroso. O mal está nas regras do jogo. Obras públicas deveriam ser públicas. Não se tem notícia de que tivessem sido privatizadas e superfaturadas as construções do metrô de Moscou, das siderúrgicas nos Urais e de centenas de empreendimentos que culminaram no Sputnik e na viagem de Yuri Gagárin ao espaço. As denúncias sobre a execrável tirania de Stalin revelaram as mais abjetas perseguições políticas, mas jamais a presença de empreiteiras no regime soviético.

Já do outro lado do mundo, o complexo industrial-militar enriqueceu muita gente e levou à apologia de pequenas guerras permanentes para sustentar a economia americana. Enquanto o privado continuar substituindo, dominando e roubando o público, nada mudará. O Padre Eterno permanecerá com suas vastas mãos abanando e o Capeta celebrando a aliança com seus novos auxiliares. O Diabo, com perdão da referência, é que os empreiteiros já dominam o inferno…

7 thoughts on “A vantagem do capeta

  1. As denúncias sobre a execrável tirania de Stalin revelaram as mais abjetas perseguições políticas, mas jamais a presença de empreiteiras no regime soviético.

    Já do outro lado do mundo, o complexo industrial-militar enriqueceu muita gente e levou à apologia de pequenas guerras permanentes para sustentar a economia americana.

    No caso da corrupção no regime soviético, os capetas são o membros da nomenklatura
    filiados ao Partido Comunista da União Soviética que gozavam ( e gozam) de inúmeros privilégios e vantagens inacessíveis para o restante da população do país.

    No outro lado do mundo os capetas são a corrupção age com incomparável argumento de grande sutileza e complexidade de uma agressiva LOBBY, que se dá à atividade de pressão, ostensiva ou velada, de um grupo organizado com o objetivo de interferir diretamente nas decisões do poder público, em especial do poder legislativo, em favor de causas ou objetivos defendidos pelo grupo.

  2. Caro Chagas, boa análise, o “Diabo” está preocupado, em ver seu inferno devastado pela corrupção, ser levada pelos novos candidatos de empreiteiras, politiqueiros, e membros do 3 poderes, e ser banido para o “Céu”!!!.
    O amanhã será pior que o hoje, com certeza.
    Creio, que em cada Estado deveria ter um JUIZ SERGIO MORO E SUAS EQUIPES P.FEDERAL E M.P. FEDERAL. OS MEMBROS DAS OUTRAS CORTES, DEVERIAM SE ESPELHAR NESSE JUIZ, QUE ESTÁ PASSANDO A LIMPO COM A LAVA JATO A PODRIDÃO EM QUE O BRASIL ESTÁ MERGULHADO.
    COM UMA SUPREMA DE SABUJOS, INDICADOS PELA CORRUPÇÃO, ESPERAR O QUE!?!??
    ESSES TRIBUNAIS SUPERIORES, DÃO O PIOR EXEMPLO DA HIPOCRISIA, E A CABEÇA ESTÁ CANCEROSA, POBRE BRASIL, DORME EM BERÇO ESPLÊNDIDO CHEIO DE RATAZANAS GOVERNAMENTAIS!.
    PS. COMEÇOU A PROPAGANDA MENTIROSA, ESTAMOS EM CÉU DE BRIGADEIRO, TUDO FUNCIONANDO AS MIL MARAVILHAS, PARA O DESGOVERNO, SIM, PARA O CIDADÃO(Ã) O CAOS: SAÚDE EDUCAÇÃO,SEGURANÇA,TRANSPORTE, NECESSIDADES BÁSICAS, E AGORA, COM A ESCRAVIDÃO INDEPENDENTE DA COR DA PELE, O TRABALHADOR, PRINCESA IZABEL, REENCARNE, PARA UMA NOVA “LEI AUREA”, ELEITOR, VOCÊ É CULPADO PELA M….QUE AÍ ESTÁ!!! A CORRUPÇÃO COMEÇA PELO VOTO! PELA URNA FRAUDAVEL!.

  3. Investigar também os Jogos de Loteria da Caixa! Há ou não há laranjas? Explicações cretinas para ninguém ganhar! 1 em 10 milhões pode ganhar! Por que tanta acumulação? Saudades do jogo do bicho que nunca acumulava! É verdade que a Quina é um jogo do bicho que complicaram para ninguém ganhar. Posso falar de cadeira porque há 44 a 46 anos que jogo sempre nas mesmas dezenas! Jogo porque me parece que sou Burralda!

  4. Carmen Lins, você tem razão com relação a mega sena e outros jogos, mas tem que investigar tudo em que esse governo tenha participação.
    Na mega sena você tem que acertar entre 60 números, jogando apenas com
    6. Só milagre para acertar, por isso a quantidade de acumulações.
    De todos esse jogos, o único que há chances de ganhar é a lotofácil, você joga
    com 15 números dentre 25, por isso, dificilmente ela acumula e geralmente ganham
    diversos jogadores. Algum tempo atrás saiu para 94 acertadores.

Deixe uma resposta para Carmen Lins Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *