A velhice e o tempo, senhor do destino e da vida

Francisco Bendl

A velhice traz conceitos depreciativos e, ao mesmo tempo, alguns predicados que a enaltecem e talvez sejam uma forma de compensar o avanço no tempo. Assim, a velhice se traduz como aquisição de experiência, maturidade, conhecimento, certezas, convicções, discernimentos, escolhas, posições, coragem, maior domínio das nossas emoções e controle do comportamento, capacidade, eficiência…

Por outro lado, acarreta perda de forças, desânimo, indisposições, solidão, abandono, doenças, dores, muitas dores, perda de entes queridos, saudades, e desta forma vamos nos deteriorando…

O tempo é indomável e infinitamente mais forte do que tudo – o tempo, por acaso, é Deus? Mesmo que tentássemos nos aliar a ele, de pouco adiantaria, porque as pessoas morrem, mas ele sobrevive e, escancaradamente, proclama-se senhor do destino e da vida (o mote de algumas religiões que prometem vida eterna não estaria justamente nesta questão de que o tempo é absoluto e nem mesmo Deus pode impedi-lo?).

Não quero ser herege, mas não consta na Bíblia ou qualquer outro livro de importância religiosa que alguma vez Deus tenha feito parar o tempo, ao contrário, criou a tudo e a todos no tempo de seis dias e no sétimo, descansou.

O tempo passa para todos, na velhice poucos estão preparados para enfrentá-lo. Sobretudo aqueles despojados de saúde ou sem reservas econômicas, condições confiscadas pelas circunstâncias ou desatinos pessoais – ah, se a juventude soubesse, se a velhice pudesse!

Estando desprotegido para enfrentar seu ocaso, o homem se vê à mercê dos acontecimentos que o tempo irá lhe proporcionar (doenças e dificuldades) e ocasionar (desilusão, desencanto, depressão).

###
SEM JUSTIFICATIVA

Mensurar este prejuízo físico e mental que o tempo nos cobra é impossível (e ainda dizem que existe o inferno?!). Tentar estabelecer uma justificativa para este tempo que conduziu o ser humano a um tipo de existência moldado pela adversidade econômica, social e mental (ou uma dessas ou todas juntas) seria o mesmo que definir a dor, todos os tipos de dor, e o que é o tempo, todos os exemplos de ganho e perda de tempo.

Lembro um passado que poderia ter sido diferente e melhor, que eu reunia condições de realizar, mas não consegui! Aos 63 anos, verifico estar deficiente em vários aspectos: por não ter ido melhor no passado, não pude construir as bases necessárias que me suportariam na velhice, agora é tarde!

Se pudermos refletir sobre as eras da convivência humana, certamente afirmaríamos que a infância é estar com a família, unidos, protegidos; A maturidade é a amizade, o trabalho, o convívio social. Mas, a velhice, ela se torna antissocial, isolamento, asilos, esquecimento, falta de companhia…

O tempo não permite retornos, este verdugo insensível! Não me resta alternativa a não ser pensar: nós existimos no tempo ou é o tempo que existe em nós? Oscar Wilde dizia que, “a tragédia da velhice consiste não no fato de sermos velhos, mas sim no fato de ainda nos sentirmos jovens”.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *