A vez da Odebrecht (que não chega nunca)

Bernardo Mello Franco
Folha

“Parece que está todo mundo esperando pelo momento em que vão pegar a Odebrecht. Tem gente que diz: ‘Vocês ainda não foram pegos’. Não fomos pegos porque não fizemos nada errado”, disse à Folha Fernando Santos-Reis, um alto executivo da empresa, em abril.

Citada por diversos réus e delatores, a maior empreiteira do país continua a negar envolvimento no petrolão. Mas os investigadores da Lava Jato parecem mais perto do que nunca de pegá-la, para usar o verbo escolhido por seu dirigente.

Em documento enviado à Justiça Federal na semana passada, os procuradores acusam o dono da UTC e um executivo da Odebrecht de chefiarem a “organização criminosa” que saqueou os cofres da Petrobras.

“Na organização de tal esquema, comandando o núcleo econômico, estava [Ricardo] Pessoa e Márcio Faria, o primeiro pela UTC e o segundo pela Odebrecht. Ambos dirigiam as atividades da orcrim [organização criminosa]”, diz a força-tarefa.

Em nota, a empreiteira se disse vítima de calúnia e sustentou que “nunca participou de cartel, nem de oferecimento ou pagamento de propina em contratos com qualquer cliente público ou privado”.

É uma afirmação ousada, considerando o que o presidente do conselho de administração da construtora já declarou a este jornal. “Não vou dizer que nós somos uma empresa inocente. Não existe empresa que sobreviva inocente”, disse Emílio Odebrecht, em 1994.

Os anões do Orçamento, pivôs do escândalo da época, parecem ladrões de galinha diante dos réus do petrolão. Dois deles, Paulo Roberto Costa e Pedro Barusco, já afirmaram ter recebido propina da Odebrecht.

Na entrevista de 21 anos atrás, o dono da empreiteira disse ter votado em Collor. Hoje é próximo de Lula e do PT. Nesta terça, soube-se que sua empresa levou 70% dos empréstimos do BNDES para obras no exterior desde 2007. Foram US$ 8,4 bilhões, com juros subsidiados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *