A volta do troca-troca na reforma política

Bernardo Mello Franco
Folha

A reforma política da Câmara vai terminar como começou: alheia aos eleitores e ligadíssima nos desejos dos deputados. Na noite de quarta, eles aprovaram a chamada janela da infidelidade. Por 30 dias, será oficialmente reaberta a farra do troca-troca partidário.

Se confirmada pelo Senado, a decisão significará um retrocesso histórico. Em 2007, o Tribunal Superior Eleitoral determinou que os mandatos pertencem aos partidos, não aos candidatos. Oito anos depois, os deputados mudarão a Constituição para reativar o balcão de negócios.

Em vez de limitar os repasses de dinheiro público e o tempo de TV das legendas de aluguel, a Câmara deu um impulso para que elas voltem a cooptar quem se elegeu por outras siglas. Nas próximas semanas, alguns deputados devem receber milhões de motivos para trocar de partido.

OPORTUNISMO

“Essa janela de 30 dias é um oportunismo”, protestou Samuel Moreira, do PSDB. “Faz seis meses que nós estamos num mandato e já estamos abrindo uma janela de 30 dias para os políticos mudarem de partidos.”

“Mais uma vez, a reforma política vira uma farra eleitoral”, reclamou Sandro Alex, do PPS. O líder do PSOL, Chico Alencar, definiu a aprovação da janela como a volta do “Quem dá mais?”. “Isso é espúrio”, disse. “Isso coroa, de forma apodrecida, essa pseudorreforma política.”

Os argumentos não convenceram a maioria do plenário. Jovair Arantes, do PTB, resumiu a bandeira do sindicato dos deputados.

“O STF decidiu que senador pode, que governador pode, que prefeito pode. Nós, que fazemos a lei, não podemos?”, perguntou, referindo-se à troca de partido. Os deputados decidiram que também podem.

###
PS –
Uma “tremenda bobagem”. Em conversas informais, é assim que o presidente do TSE, ministro Dias Toffoli, classifica outra invenção da reforma: a impressão de um recibo em papel após o voto na urna eletrônica.

 

2 thoughts on “A volta do troca-troca na reforma política

  1. “Que ingenuidade pedir a quem tem poder para mudar o poder.”
    Giordano Bruno (1548 – 1600), filosofo, teólogo, astrônomo, italiano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *