ABI lidera ação em defesa do jornalismo investigativo

Meirelles cobra um posicionamento do governo

Carlos Newton

Em carta enviada ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, o presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) Domingos Meirelles e o vice-presidente Paulo Jerônimo cobram do governo uma posicionamento mais atuante no sentido de aumentar as garantias ao exercício da profissão de jornalista.

Juntamente com a Fenaj (Federação Nacional de Jornalistas), a Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) e o “Movimento Viva Santiago”, a ABI vem acompanhando, com extrema preocupação, o crescimento do número de atos de violência contra profissionais de comunicação em quase todos os Estados brasileiros. Várias sugestões foram encaminhadas ao governo e nenhuma delas colocadas em prática.

No último mês de maio foram assassinados dois comunicadores. Em Conceição da Feira, a 110 quilômetros de Salvador, o radialista Djalma Santos da Conceição, de 53 anos, foi sequestrado, torturado e morto com 15 disparos na cabeça. Djalma Santos denunciava em seu programa na rádio local a ação de uma quadrilha de políticos e criminosos que praticavam grilagem na região.

Dez dias antes, havia sido morto o jornalista Evany José Metzker, 57 anos, em Padre Paraíso, no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais. Através do blog “Coruja do Vale” Evany vinha investigando a ação de uma quadrilha dedicada ao tráfico de drogas e prostituição de menores. Além de torturado teve sua cabeça cortada.

ESTATÍSTICAS INACEITÁVEIS

A Fenaj, em seu relatório “Violência contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa no Brasil”, contabilizou, no ano passado, 219 agressões contra comunicadores em pleno exercício da profissão. A ONG “Artigo 19”, por sua vez, reúne 15 casos de violência contra comunicadores e ativistas da luta pela Liberdade de Expressão que foram assassinados no Brasil, em 2014. Um número alarmante até mesmo para países envolvidos em guerras civis.

Desde 2012, a categoria vem buscando soluções que garantam maior segurança. Em julho daquele ano foi criado o “Grupo de Trabalho dos Direitos Humanos dos Profissionais de Comunicação no Brasil”.

Recentemente, em reunião com o ministro Pepe Vargas, da Secretaria de Direitos Humanos, os integrantes deste GT foram informados que a adoção das medidas sugeridas depende de entendimentos com o Ministério da Justiça, que agora está sendo acionado pelo Grupo de Trabalho, para que sejam tomadas providências.

3 thoughts on “ABI lidera ação em defesa do jornalismo investigativo

  1. …não caberia uma sinonímia a:
    LEI Nº 13.142, DE 6 DE JULHO DE 2015.
    Altera os arts. 121 e 129 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), e o art. 1º da Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990 (Lei de Crimes Hediondos).

  2. Domingos fez uma reportagem na Globo (ele que é jornalista investigativo) com o impublicável “cabo Anselmo”, inventando um encontro que nunca existiu com Brizola no Uruguai. Só para lembrar: Brizola e Jango nunca tiveram relações pessoais com esse indivíduo. Inclusive o presidente João Goulart fora avisado pelo Comandante Ivo Acioly Corseuil da Casa Militar da Presidência da República que o líder do movimento José Anselmo dos Santos marinheiro 1° classe (nunca foi cabo), era agente provocador trabalhando para CIA. Também é falsa a versão que Anselmo estivera no comício do Automóvel Club.

  3. Não vi no texto nenhum atentado à liberdade de expressão, que é a sensura formal ou estaltal, velada ou editorial. Há sim reação daqueles que se sentiram ofendidos ou prejudicados em seus negócios. Caso de polícia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *