ACM, o político que conseguiu mandar mais na Bahia do que Juracy Magalhães

Resultado de imagem para acm politico"

O caudilho ACM, quando brigava, era mesmo para valer

Sebastião Nery

Em 1952, Antonio Carlos Magalhães, médico sem medicina, funcionário sem função da Assembleia Legislativa da Bahia (“redator de debates”) e repórter político do jornal “O Estado da Bahia” na Assembleia, ficou furioso com um discurso do líder do PSD criticando o ex-interventor e líder da UDN no Estado, Juracy Magalhães, e gritou: – Cala a boca, idiota!

Perdeu o emprego e ganhou a proteção de Juracy, amigo de seu pai, o médico e ex-deputado Francisco Magalhães, e de seu padrinho, o reitor da Universidade Federal Edgard Santos. Em 1954, Juracy o pôs na chapa para deputado estadual. Não se elegeu, ficou como primeiro suplente.

SUPLEMENTAR – Mas naquele tempo havia “eleição suplementar” sempre que, por algum motivo, o pleito não se realizava em algum município. Antonio Balbino (o governador eleito pelo PTB, a UDN e uma dissidência do PSD) forçou a barra e garantiu a eleição de Antonio Carlos na “eleição suplementar”.

Antonio Carlos chegou à Assembleia e virou “líder da oposição” de mentirinha ao governo de Balbino. O líder do governo era Waldir Pires, do PTB-PSD. Em 1958, Antonio Carlos e Waldir se elegeram deputados federais. Antonio Carlos pela UDN, Waldir pelo PSD. Waldir eleito por Balbino. Antonio Carlos por Juracy e por Balbino, a quem sempre chamou de “patrão”.

AMIGO DE JK – Na Câmara, embora da bancada da UDN, liderada por Carlos Lacerda, que agressivamente combatia Juscelino, logo Antonio Carlos se tornou amigo de infância de JK, com direito a poderes federais na Bahia. Lacerda cobrou:

– Soube que você esteve ontem em segredo com o Juscelino.

– Estive com ele, sim, às 11 horas. E o Magalhães Pinto esteve às 7:30.

Outra passagem: em 1961, na Câmara, o deputado Tenório Cavalcanti, seu colega da UDN do Rio, atacava o ex-ministro da Educação de Dutra e ministro da Fazenda de Jânio, o baiano Clemente Mariani, dono do Banco da Bahia. ACM o aparteou:

– V. Excia pode dizer o que quiser, mas na verdade o que V. Excia é mesmo é um protetor do jogo e do lenocínio, porque é um ladrão.

Tenório sacou um revolver:

– Vai morrer agora mesmo!

– Atira!

Nem Tenório atirou nem Antonio Carlos morreu.

BANCO DA BAHIA – Dez anos depois, em 1972, Antonio Carlos, governador nomeado da Bahia, soube que o banqueiro Clemente Mariani, pressionado por Delfim Neto, ia vender o Banco da Bahia ao Bradesco. Chamou Mariani ao palácio:

– Doutor Mariani, isso é ruim para a Bahia. Se o senhor quer vender o banco, o Estado compra pelo preço que o senhor vai vender.

– Não, Antonio Carlos. Não vou vender. Você acha que eu teria condições de vender o Banco da Bahia e me enterrar na Bahia?

DESAPROPRIAÇÃO – No dia 2 de julho de 1973, Antonio Carlos voltava da parada da Independência da Bahia, o advogado Prisco Paraíso lhe telefonou do Rio comunicando que o Banco da Bahia tinha sido vendido ao Bradesco. O governador chegou ao palácio, fez um decreto desapropriando a casa de Clemente Mariani e transformando-a numa escola para excepcionais.

Não era uma casa qualquer. Era um belo latifúndio urbano, no alto do morro da Barra, por cima da praia da Barra. O mundo quase veio abaixo. Mariani era o dono da Bahia. Recorreu à justiça, que manteve a desapropriação, “por interesse e utilidade pública”.

PREFEITO DE SALVADOR – Em 1967, presidente estadual da Arena, Antonio Carlos foi nomeado prefeito de Salvador. Eu, cassado, encontrei-o no hotel Califórnia, no Rio:

– Antonio Carlos, você é jovem (40 anos), não cometa o erro de Juracy, que quis fazer da Bahia uma Capitania Hereditária e não fez nem o sucessor.

– Pois vou fazer mais do que ele fez. Juracy mandou 30 anos na Bahia, de 1932 a 1962. Vou mandar 40 anos. (Mandou de 1967 a 2007).

8 thoughts on “ACM, o político que conseguiu mandar mais na Bahia do que Juracy Magalhães

  1. Algum bom motivo para recordar essa triste figura, das muitas que a política brasileira produz? ACM foi um dos políticos mais truculentos e lamentáveis do Brasil. Houve quem achasse que o domínio dele na Bahia podia ter chegado ao fim quando o Waldir Pires se elegeu governador. Mas Waldir cometeu o erro de deixar o cargo para ser vice na chapa do Ulysses Guimarães, que não tinha chance nenhuma de se eleger, e entregou a Bahia nas mãos do corrupto e impopular Nilo Coelho, que franqueou as portas para o retorno do carlismo ao poder.

  2. Grande ACM. Ferrenho defensor da Bahia. Justo com quem merecia. Implacável com venais, covardes, parasitas e hipócritas. Jogava pesado. Enfrentava poderosos. Defensor das boas causas, excelente fonte e analista político. Emotivo, bondoso e sincero.

  3. -ACM e outros nomes da época…a prova que, mesmo durante o governo militar, quem mandava no Brasil de fato eram os coronéis aliados dos generais. Portanto, sempre fomos uma enorme fazenda.

    -Os militares fizeram, apenas, o tolo papel de gato e encheram o bucho do macaco de castanhas.

Deixe uma resposta para Vera Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *