Ações da Embraer caem 14,28%, no maior tombo dos últimos 17 anos

Resultado de imagem para embraer charges

Charge do Bruno Galvão

Gabriel Martins e Ana Paula Ribeiro
O Globo

A reação imediata dos investidores após a brasileira Embraer e a gigante americana Boeing anunciaram um acordo bilionário para a criação de uma terceira empresa de aviação comercial foi negativa. O papel da empresa brasileira encerrou o pregão com uma queda de 14,28%, cotado a R$ 23,16. Em valor de mercado, a companhia encolheu R$ 2,8 bilhões, valendo agora R$ 17,134 bilhões.

Essa é maior queda das ações da Embraer desde setembro de 2001, quando o setor aéreo sofria os efeitos dos ataques terroristas do 11 de Setembro. No dia 13 do mês dos acontecimentos, o tombo foi de 16,43%.

TAMBÉM NOS EUA – No mercado americano, onde os recibos de ações (ADRs, na sigla em inglês) da Embraer são negociados, o pregão também foi de queda: 10,34%, com cada ADR a US$ 23,50.

Já as ações da Boeing, negociadas nos Estados Unidos, terminaram o pregão estáveis, cotadas a US$ 332,18, o que representa uma pequena variação positiva de 0,08%.

Na avaliação de Pedro Galdi, analista da Mirae Asset, essa recepção negativa está atrelada não aos termos do memorando de entendimento, mas ao fato de que a efetivação do acordo só deverá ocorrer no ano que vem. Ainda assim, vê como positivo para a Embraer essa joint-venture.

EXPLICAÇÃO — O acordo vai ser fechado só no ano que vem e era uma operação já conhecida, então os investidores aproveitam para devolver um pouco os ganhos recentes. E o ditado do mercado de que sobe no boato para realizar (cair) no fato — explicou.

De fato, as ações da Embraer já acumulam alta de quase 50% desde o início das conversas com a Boeing, o que resultou na joint venture (nova empresa) anunciada nesta manhã.

E pelos termos do memorando de entendimentos, o que será criada é uma nova empresa de capital fechado, mas nada muda na Embraer, ou seja, ela continua como uma empresa com ações em bolsa e como não há compra de participação, a empresa não precisa fazer uma oferta pública de ações (OPA) para comprar os papéis dos minoritários – o que ocorreria caso ela tivesse sido vendida.

MEMORANDO – As duas companhias assinaram memorando de entendimentos que inclui os negócios em aviação comercial, tanto a fabricação de aeronaves quanto os serviços. A transação avalia o negócio de aviação comercial da Embraer em US$ 4,75 bilhões. Assim, a americana vai pagar US$ 3,8 bilhões pela fatia de 80% na nova empresa. A nova empresa terá um portfólio com aeronaves de 70 a 450 lugares.

As empresas afirmaram esperar que o acordo seja finalizado nos próximos meses. Se for aprovado por autoridades regulatórias nos EUA e no Brasil, a transação pode ser fechada até o fim de 2019, preveem analistas. Com isso, pode já gerar ganhos para as duas empresas em 2020.

NOVA EMPRESA – A Embraer, que é a joia da coroa da indústria brasileira, vai permanecer como uma empresa separada, que produz jatos militares e privados, enquanto receberá receita desta nova parceria.

O formato da parceria foi fundamental para convencer o governo brasileiro a dar seu aval para a operação. Além dos negócios em aviação comercial, no entanto, as duas empresas vão criar uma outra joint-venture para promover e desenvolver novas mercados para produtos e serviços na área de Defesa, especialmente a aeronave KC-390.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
No mercado de capitais, os especialistas adoram dourar a pílula, como se dizia antigamente. Esta explicação de hoje, por exemplo, é hilária. Os acionistas teriam ficado tão satisfeitos que venderam as ações, provocando esta queda brutal. Esses analistas não podem ser levados a sério. (C.N.)

16 thoughts on “Ações da Embraer caem 14,28%, no maior tombo dos últimos 17 anos

    • Como sempre, os jogadores apostaram e perderam. Só falta aparecer um petista pedindo ressarcimento do governo (o Bolsa Bolsa) o qual possivelmente ganharia com o aval da segunda turma do STF.

  1. A maior concorrente da Embraer é a Bombardier, canadense.

    Pois esta empresa se associou à Airbus, e se tornou junto com a francesa uma potência na indústria aérea.

    Ora, se a Embraer não se juntar a Boing, quebraremos ali adiante, inevitavelmente.

    A Boing precisa dos aviões que fabricamos, de cursos curtos e pequenos e capacidade média de passageiros, os 190 e 195, que concorrem diretamente com os CRJ-900 da Bombardier, Airbus A-319, Sukhoi 100 e Mitsubischi Regional Jet.

    Ou assim ou quebra.

  2. Essa baixa das ações foi uma volta ao seu valor real, já que a alta em que estava era artificial.
    Coisas de bolsa.

    Quanto a associação, o Cel Osires Silva, criador da EMBRAER, disse que ela é benéfica à empresa, devido à qualidade do trabalho de seus profissionais, reconhecido pela Boeing e isso foi um dos fatores do interesse dessa empresa em se associar com a EMB. Segundo Osires, isto poderá trazer para o Brasil muitos setores de fabricação de peças de parte de seus aviões.

  3. Esta Joint Venture Entre a Boing e a Embraer, me lembrou a Joint Venture para criar uma lanchonete para vender Ovos com Bacon, que a Galinha convenceu o Porco a fazer com ela.

    • Pode ser também do sujeito que achava que tinha uma galinha que botava e resolveu mata-la, sem esperar a manhã do dia seguinte pelo ouro.

      A Embraer é a galinha dos ovos de ouro. Deixa ela ficar lá e nós aqui esperando o ovo de ouro que a indústria aeronáutica vai fazer o seu papel direitinho.

      O ufanismo-nacionalista é uma praga.

  4. Em 1 de dezembro de 2017 a cotação estava em R$ 15,50. Em 4 de julho R$ 26,95, uma alta de mais de 70%. No dia 5 julho caiu 14,28%. Bolsa é jogo, é obvio que os apostadores resolveram embolsar o lucro dos últimos 6 meses, pois a tendência era de estabilização. O valor de mercado após o início das negociações com a Boeing cresceu 50%, incluindo a queda de ontem. E só fazer os cálculos.

  5. O importante, além do valor das ações, é mantermo-nos atualizados tecnologicamente com essa associação com a Boeing, que é uma empresa que se dispensa comentários quanto ao seu arrojo tecnológico.

    Poderemos estar mais perto dessas águias modernas que nos trarão mais desenvolvimento, e não nos amarrarmos aos atrasos de nos unirmos aos dinossauros Cuba e Venezuel, só para citar duas verdadeiras pragas econômicas, que no governo das antas luiz inácio e dilmalandra, lançou-nos no atraso, e trazendo-nos grandes prejuízos morais e econômicos.

    O Brasil de Temer é outro, ainda que a corrupção tenha se mantido, graças à permanência do PT na política, podemos respirar aliviados com a certeza de que os dois bandidos não se meterão no negócio, pois com os dois tudo é na base da negociata, e fora disso, não tinha negócio, porque o compromisso das duas bestas é com o partido criminoso enão com o Brasil.

    O tempo vai nos mostrar que a medida foi acertada, e seremos bem sucedidos nessa junção Embraer e Boeing.

    Viva o Brasil com luiz inácio preso!

  6. O PT fala em recorrer de acordo da Embraer, gostaria que recorresse do acordo com a Petrobrás na Bolívia quando você índio tomou sem ressalvas as instalações da Petrobrás naquele país e ninguém quis recorrer. Será porque? Gostaria de uma explicação corrente será que alguém se habilita?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *